Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Prefeitura, governo de SP e União assinam contrato para construir 1,9 mil casas - Jornal Brasil em Folhas
Prefeitura, governo de SP e União assinam contrato para construir 1,9 mil casas


O ministro das Cidades, Alexandre Baldy, o presidente da Caixa Econômica Federal, Gilberto Occhi, o secretário de estado da Habitação Nelson Baeta e o prefeito de São Paulo, João Doria, assinaram hoje (15) um contrato para a construção de 1,9 mil moradias para famílias da faixa 1 do Programa Minha Casa, Minha Vida (MCMV) na cidade de São Paulo.

Segundo a prefeitura, mais de R$ 270 milhões serão investidos para a construção de três conjuntos habitacionais na capital paulista, sendo que 67% desse montante são de aporte do governo federal, do ministério e da Caixa. Do restante, 14% são do governo estadual e 19% da prefeitura.

“É o sonho da família brasileira ter sua casa própria”, disse o ministro, que acrescentou que há intenção do governo em ampliar o programa. “Assim é a determinação do presidente Michel Temer para que nós tenhamos sim a continuidade, a manutenção e até empenho para possivelmente ampliar o programa”.

Um dos empreendimentos que serão construídos é o Augusto Amaral, na zona norte, com 300 moradias. Os outros são o Guido Caloi, no Distrito do Jardim São Luiz, na zona sul, com mil moradias e o São Carlos A e B, em Guaianases, na zona leste da capital, com 600 moradias. Os conjuntos Augusto Amaral e São Carlos A e B vão ser destinados a famílias com renda mensal de até R$ 1,8 mil, já inscritas no cadastro de demanda habitacional da prefeitura. Já o Guido Caloi irá atender as famílias removidas para a execução das obras de canalização do córrego Ponte Baixa. As obras, de acordo com a prefeitura, terão início em janeiro.

Segundo o prefeito João Doria, as moradias serão construídas nas regiões com maior déficit habitacional da cidade, em áreas que já pertenciam à prefeitura. De acordo a administração municipal, a realização do programa só foi possível por meio da parceria entre as três esferas de governo, já que o custo de uma unidade habitacional na capital - estimado em R$ 96 mil - é bastante superior ao limite disponibilizado pelo governo federal com o programa.

“A união dessas três forças faz com que o programa possa ser executado talvez na cidade mais cara do país”, disse o presidente da Caixa, Gilberto Occhi, explicando que, em São Paulo, os empreendimentos populares são construídos a uma média de R$ 130 mil. “O programa tem um limitador. Há uma necessidade e isso tem sido compreendido pelo prefeito João Doria e pelo governador Geraldo Alckmin para que possamos unir esses esforços, seja com terreno seja com aporte para viabilizar o programa”, acrescentou.

Em entrevista coletiva, o prefeito negou que o município esteja sendo privilegiado na distribuição de recursos do Minha Casa, Minha Vida. Segundo ele, São Paulo tem o maior déficit habitacional proporcional do país, com 370 mil famílias. “São Paulo, diariamente, recebe mais de 1,5 mil pessoas que chegam sobretudo vindas do Norte e do Nordeste do país. Ao atender a habitação popular de São Paulo, não estamos falando em atender a paulistas ou paulistanos, estamos atendendo a brasileiros. É preciso ficar muito claro isso para não haver a interpretação de que há um regime de privilégio a São Paulo”, afirmou.

Minha Casa, Minha Vida Entidades

Durante a coletiva, o ministro disse que o programa Minha Casa, Minha Vida na modalidade Entidades está sendo analisado e poderá voltar ainda este ano. O objetivo da modalidade é tornar a moradia acessível às famílias organizadas por meio de cooperativas habitacionais, associações e demais entidades privadas sem fins lucrativos.

“O programa [Minha Casa, Minha Vida] enfrentou vários desafios e dificuldades nos últimos anos. Agora, em 2017, o governo federal tem essa diretriz clara de fortalecê-lo para contratação já, com responsabilidade e orçamento assegurado, de 170 mil unidades habitacionais na faixa 1. E estamos concluindo o programa para Entidades. Há três semanas estamos levantando todos os temas que estão pendentes e este é, com certeza, uma das prioridades que enfrentaremos para que consigamos equacionar e resolver ainda este ano a publicação e a discussão do programa na modalidade das Entidades”, disse ele.

FGTS e Caixa

O presidente da Caixa disse hoje que aguarda a sanção, em breve, pelo presidente Michel Temer, do projeto de lei que foi aprovado pelo Senado esta semana e autoriza o Conselho Curador do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) a realizar contratos com a Caixa Econômica Federal na forma de instrumentos híbridos de capital e dívida.

“Esperamos que na próxima semana já tenhamos condição de ter a lei sancionada e aprovada”, disse ele. “Temos que estar preparados efetivamente para que a Caixa possa cumprir esse papel do investimento”, acrescentou.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212