Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Itália aprova lei para pacientes terminais que não querem tratamento - Jornal Brasil em Folhas
Itália aprova lei para pacientes terminais que não querem tratamento


A Itália aprovou nesta quinta-feira uma lei sobre o fim da vida ou testamento biológico, que prevê o direito de cada um de recusar qualquer tratamento em fase terminal.

Após os deputados, que aprovaram o texto em abril, os senadores validaram a lei por 180 votos a favor e 71 contra. O projeto recebeu o apoio do Partido Democrata (centro-esquerda, no poder), da Esquerda Italiana e do Movimento 5 Estrelas (populista).

O Força Itália (direita) de Silvio Berlusconi deixou a escolha livre a seus representantes, enquanto a Liga do Norte (extrema-direita) e uma parte dos centristas votaram contra.

O Senado abre caminho a uma escolha de civilização. Um passo à frente pela dignidade da pessoa, comemorou no Twitter o chefe do Governo, Paolo Gentiloni.

Último grande texto a passar pela Câmara e pelo Senado antes das eleições do próximo ano, o bio-testamento permite que toda pessoa maior de idade no fim de sua vida renuncie a tratamentos médicos, alimentação e hidratação, sendo este último ponto alvo de uma emenda, que acabou sendo anulada.

Está previsto que esta escolha seja expressa previamente através de disposições antecipadas de tratamento, documento revogável ou revisável (escrito ou em vídeo), onde cada um especifica os tratamentos que ele deseja renunciar se um dia passe a ser incapaz de expressar suas preferências.

A lei autoriza uma sedação paliativa profunda e contínua que provoca uma alteração da consciência, até o momento da morte.

Para um menor de idade, um tutor legal ou a família mais próxima podem tomar uma decisão por eles.

O texto prevê ainda que nenhum tratamento pode ser iniciado ou continuado sem o consentimento livre e esclarecido do paciente por seu médico.

A equipe médica deverá tentar aliviar o sofrimento do paciente em caso de recusa ou retirada do consentimento aos cuidados médicos.

Isento de qualquer responsabilidade criminal, o médico pode se recusar a desconectar uma máquina que mantém o paciente vivo, afirma o texto, que não menciona explicitamente a objeção de consciência.

Discutido há vários meses, o bio-testamento provocou debates acalorados, principalmente entre os políticos católicos.

Entre eles, alguns denunciaram nesta quinta-feira a entrada da eutanásia na lei italiana da maneira mais bárbara: a morte pela fome e pela sede, via parada da alimentação e da hidratação.

Outros, por outro lado, disseram estar satisfeitos que a lei não conduz a tratamentos dolorosos, retomando os argumentos recentemente expressos ​​pelo papa Francisco.

Em uma carta lida em meados de novembro à Associação Médica Mundial, o pontífice disse que a eutanásia era sempre ruim, mas que, no entanto, era lícito que um paciente decida desistir dos cuidados terapêuticos que prolongam a vida de uma forma que não está em conformidade com padrões éticos e humanísticos.

 

Últimas Notícias

John Forman recusa cargo no Conselho de Administração da Petrobras
Em visita oficial, Macri é recebido no Planalto por Bolsonaro
Mercado financeiro prevê inflação em 4,02% neste ano
Consultas de CPFs para vendas a prazo no comércio crescem 2,8%
Produção de bicicletas aumenta 15,9% no Brasil
Receita abre consulta a restituição do Imposto de Renda de 2008 a 2018
Ex-comandante da Marinha é indicado para o conselho da Petrobras
Inflação para idosos fecha 2018 em 4,75%, informa FGV

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212