Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


23 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Reforma fiscal nos EUA é ameaça para os pobres, segundo ONU - Jornal Brasil em Folhas
Reforma fiscal nos EUA é ameaça para os pobres, segundo ONU


A reforma fiscal atualmente discutida no Congresso americano ameaça implodir o sistema de assistência social para os mais pobres, afirmou nesta sexta-feira (15) uma especialista da ONU em Washington.

Philip Alston, relator especial das Nações Unidas sobre a pobreza extrema e os direitos humanos, fez as declarações ao concluir uma visita de duas semanas aos Estados Unidos e a Porto Rico, onde estudou como a pobreza extrema afeta o respeito aos direitos humanos.

O vasto projeto de reforma fiscal e redução de impostos, proposto pelo presidente Donald Trump, representaria um aumento mais forte das desigualdades que alguém pode imaginar, se for aprovado, afirmou Alston em coletiva de imprensa.

Para financiar a reforma, o governo da maior potência econômica mundial, foca em fazer grandes economias e encerrar vários programas sociais, que vão fazer explodirem os sistemas de proteção social, alertou o diplomata australiano.

O projeto de reforma fiscal é essencialmente uma tentativa de fazer dos Estados Unidos o campeão mundial de desigualdade extrema, disse.

O governo de Trump apresentou a reforma, que deve ser votada antes do Natal, como a maior redução de impostos da história, para estimular o crescimento, os salários, os lucros das empresas e repatriar as receitas de multinacionais. Mas alguns especialistas estimam que isso só beneficiará os mais ricos.

Nos Estados Unidos, 12,7% da população, cerca de 40,6 milhões de pessoas, vivem abaixo da linha de pobreza. A taxa de pobreza entre os brancos não hispânicos é de 8,8%, enquanto entre os negros é de 22% e entre os hispânicos é de 18,4%.

Alston denunciou justamente a dimensão racial da pobreza. Mas existem também brancos vivendo na pobreza extrema no país e os golpes no sistema social são para todo mundo, afirmou.

Ele também criticou os obstáculos administrativos que impedem os mais pobres de fazer valer seus direitos civis e políticos.

Alston deve apresentar seu relatório final ao Conselho de Direitos Humanos da ONU em junho de 2018 em Genebra.

 

Últimas Notícias

Chega a 73 o número de mortos em explosão no México; feridos somam 74
Forte terremoto de magnitude 6,7 atinge o Chile
Mais de 150 imigrantes se afogam no Mar Mediterrâneo
Brasil e Europa vão ser interligados por novo cabo submarino
Acordo para mudar nome da Macedônia gera protestos em Atenas
Ghosn está disposto a aceitar qualquer condição para obter fiança
Bombeiros buscam pessoa desaparecida depois de tromba dágua no Rio
Mega-Sena acumula de novo e pode pagar R$ 38 milhões na quarta-feira

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212