Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Chile vai às urnas em um segundo turno de resultado incerto - Jornal Brasil em Folhas
Chile vai às urnas em um segundo turno de resultado incerto


O ex-presidente de direita Sebastián Piñera e o candidato de centro-esquerda Alejandro Guillier disputam neste domingo a presidência do Chile, em um segundo turno de difícil previsão para definir o sucessor de Michelle Bachelet.

A dispersão do voto no primeiro turno de 19 de novembro, quando o partido de esquerda radical Frente Ampla surpreendeu e virou a terceira força política do país, dificulta a vitória de Piñera e transforma numa incógnita o resultado de Guillier.

O ex-presidente, que governou o Chile de 2010 a 2014, conseguiu 36,6% dos votos (muito abaixo do esperado), contra 22% do senador Guillier e 20% da candidata da esquerda radical, Beatriz Sánchez.

Provavelmente, a eleição será definida por menos de 200.000 votos de diferença, prevê o analistas político da Universidade de Santiago, Marcelo Mella.

O resultado dependerá, sobretudo, do que decidirem os eleitores da Frente Ampla, que deu liberdade de decisão a seus seguidores, apesar de Sánchez ter anunciado que votará em Guillier.

O fantasma da derrota começou a rondar a coalizão de direita de Piñera ante a possibilidade de uma união de todas as forças centro-esquerda - que disputou o primeiro turno fragmentada em seis candidaturas - e que juntas somariam 55% dos votos para Guillier.

Piñera prometeu na quinta-feira, em seu último comício, ser o governante da unidade.

Vou ser o presidente da unidade, da mudança, do progresso, do futuro e da esperança, disse Piñera.

Afirmou ainda que os chilenos querem mudanças profundas, mas bem feitas, baseadas no diálogo e não no confronto.

O ex-presidente, que encerrou a campanha em um teatro no centro de Santiago, diante de cerca de 3 mil pessoas, recebeu o apoio de vários ex-mandatários, como o espanhol José María Aznar, os colombianos Andrés Pastrana e Álvaro Uribe, e o mexicano Felipe Calderón.

Piñera pediu o voto dos menos favorecidos e da classe média para colocar em marcha seu lema de campanha: Tempos melhores, com mais empregos, salários e melhores aposentadorias, além do combate ao crime e a promoção da saúde para todos.

Se sente, se sente, Piñera presidente, gritava o público, majoritariamente feminino, procedente de muitos bairros periféricos de Santiago.

Se vencer, Piñera será o único político de direita a governar o Chile em duas ocasiões, ao final de um longo caminho que sempre trilhou junto ao manejo de seus negócios, que o levaram a ter hoje uma fortuna avaliada em 2,7 bilhões de dólares, segundo a revista Forbes.

Já Alejandro Guillier encerrou sua campanha com um comício em Santiago, ao lado do ex-presidente uruguaio Pepe Mujica.

Com o Palácio de la Moneda como pano de fundo, Guillier discursou para cerca de 5 mil pessoas.

A história me colocou em um lugar que não procurei, mas aceito este desafio. Quero ser presidente do Chile, afirmou Guillier para seus partidários.

Guillier recebeu o apoio de Mujica, o ex-guerrilheiro que governou o Uruguai entre 2010 e 2015, que participou de distintas atividades com o candidato governista.

O ex-presidente Piñera sempre falou muito bem do Uruguai e reconheço isto, mas estou com o mundo progressista, declarou Mujica, 82 anos, em referência ao candidato da oposição.

A presença de Pepe Mujica é uma lição de humildade, de onde queremos ir. Sua presença nos vitaliza e nos ajuda a unir os progressistas.

Michelle Bachelet começou o caminho e precisamos consolidar este caminho, avançar em novos temas, em novos desafios.

Guillier acusou Piñera de ser o retrocesso para o Chile ao beneficiar as elites chilenas.

Este domingo podemos dizer ao senhor Sebastián Piñera que ele representa o passado, tudo o que queremos deixar para trás.

Guillier foi durante três décadas repórter, editor chefe e apresentador dos principais telejornais do país, que o tornaram um dos jornalistas de maior credibilidade do Chile.

Neste domingo, 13,4 milhões de chilenos estão convocados a votar para definir o sucessor da socialista Michelle Bachelet a partir de 11 de março de 2018.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212