Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


15 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Expectativa do consumidor sobre a economia termina 2017 em baixa, diz CNI - Jornal Brasil em Folhas
Expectativa do consumidor sobre a economia termina 2017 em baixa, diz CNI


A expectativa dos consumidores em relação à economia terminou o ano de 2017 em baixa e ficou praticamente no mesmo patamar registrado no fim de 2016. É o que mostra levantamento da Confederação Nacional da Indústria (CNI) voltado a avaliar a percepção dos cidadãos sobre sua situação financeira e as expectativas sobre indicadores como desemprego, inflação e renda pessoal.

O Índice Nacional de Expectativa do Consumidor (Inec) ficou em 100,5 pontos em dezembro. O desempenho foi -0,5% menor do que o do mês anterior e 0,2% acima do aferido em dezembro de 2016. Quando comparado com o mesmo mês de 2015, o índice cresceu apenas cinco pontos. Durante todo esse período, a confiança dos consumidores ficou abaixo da média histórica, de 108,1 pontos.

Desemprego

O estudo revelou que a preocupação maior segue sendo o desemprego. A expectativa sobre o tema foi -5,6% menor do que a de novembro. No comparativo com 2016, ela aumentou 5,3%. Já no tocante à renda pessoal, as projeções foram negativas tanto em relação ao mês anterior (-1%) quanto ao ano passado (-2,9%).

A visão sobre a inflação também foi mais pessimista do que a registrada em outubro (-2,6%), mas oscilou em referência à de 2016 (1,9%). Quando questionados sobre a compra de bens de maior valor (como uma TV ou geladeira novas), os participantes do levantamento se mostraram menos otimistas do que no mês anterior (-1,3%) e mais confiantes do que em 2016 (1,3%).

A avaliação foi positiva em dois assuntos: endividamento e situação financeira. Sobre o primeiro, os consumidores ouvidos demonstraram maior confiança do que em outubro (3,7%) e menor do que em 2016 (-1,8%). Já quanto ao segundo, a percepção foi parecida, com expectativa maior sobre o mês passado (3,7%) e menor na comparação com 2016 (-2,2%).

Efeito crise

Na avaliação de Marcelo Azevedo, economista da Confederação Nacional da Indústria (CNI), o fato de a expectativa permanecer quase a mesma de 2016 se deve à persistência da crise econômica no país. As famílias seguem sendo afetadas, com situação financeira difícil, grande endividamento e ainda altos índices de desemprego.

“Para o consumidor, ainda está muito incerto. Ainda tem muita preocupação com relação ao desemprego. Há uma preocupação com a situação presente e uma expectativa que vem melhorando, mas que ainda mostra algum receio. Essa confiança se mantendo, baixa a recuperação da demanda, tende a se manter lenta”, explica.

 

Últimas Notícias

Prefeito é assassinado no interior do Maranhão
Criminosos ateiam fogo em ônibus na Baixada e deixam 15 vítimas
Manifestantes em Brasília protestam contra reajuste para o STF
Candidatos do Enem dizem que provas estavam extensas e interpretativas
Temer designa equipe para vistoriar locais atingidos no RJ
Reforma trabalhista completa um ano neste domingo
Sobe para 15 o número de mortes em desabamento de morro em Niterói
Professores dizem que provas exigiram menos cálculos do que as de 2017

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212