Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Duplicação de trecho da BR-116 vai facilitar comércio com Mercosul, diz ministro - Jornal Brasil em Folhas
Duplicação de trecho da BR-116 vai facilitar comércio com Mercosul, diz ministro


Foi inaugurada hoje (19) a duplicação do trecho da Serra do Cafezal, na Rodovia Régis Bittencourt (BR-116), principal corredor logístico entre o Sudeste e a Região Sul e países do Mercosul. O ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Moreira Franco, ressaltou o simbolismo da entrega da obra, que facilitará também o comércio e a exportação por meio dos portos de Paranaguá e Santos.

“Essa estrada, que foi até hoje conhecida como estrada da morte, será a estrada da vida. Vai trazer crescimento, emprego, comércio, melhorar a qualidade de vida de toda a população”, declarou o ministro. Dados da concessionária da rodovia apontam que 88 pessoas morreram em acidentes no local durante o ano passado. Em 2010, o número de mortos chegou a 196.

O trecho inaugurado faz parte da concessão do Grupo Arteris e as obras tiveram custo de R$ 1,3 bilhão. São 30,5 quilômetros de extensão entre os municípios de Juquitiba e Miracatu, no estado de São Paulo, incluindo três pontes, quatro túneis, 36 viadutos e duas passarelas para pedestres, além de passagens de travessia para animais. Por dia, 127 mil veículos utilizam a Régis Bittencourt, sendo que 60% são caminhões.

Moreira Franco avalia que a inauguração é uma prova de que as concessões funcionam. “Quando nós convocamos o investimento privado que quer, em vez de realizar simplesmente obras, conceder um serviço de qualidade a preço barato, funciona, dá resultado”, acrescentou.

Demora

O ministro dos Transportes, Portos e Aviação, Maurício Quintella, disse que a demora para a entrega da obra, que teve início em 2010, se deveu, principalmente, a dificuldades para obtenção de licenciamento ambiental. “Grande parte do atraso se dá pelo fracionamento de licenças ambientais. Estamos nas vésperas de apreciar uma nova lei de licenciamento ambiental, lei moderna que vislumbra o crescimento”, declarou.

Para o ministro, a questão das licenças ambientais é um entrave para atrair investimentos privados. “O país ainda investe muito pouco em infraestrutura, tem gargalos gigantescos. O Brasil investe menos de 2% do seu Produto Interno Bruto em infraestrutura”, disse.

 

Últimas Notícias

Receita paga hoje as restituições do último lote do IRPF 2018
Mercado mantém estimativa de inflação em 3,71% este ano
BC anuncia que atividade econômica cresce 0,02% em outubro
Embraer e Boeing aprovam termos para fusão
Leilão da Ceal é adiado para o dia 28 de dezembro
Tesouro quitou no ano R$ 4,19 bi de estados e municípios inadimplentes
Paulo Guedes diz que pretende cortar até 50% das verbas do Sistema S
Com intervenção do BC, dólar começa semana em queda

MAIS NOTICIAS

 

Paulo Guedes diz que pretende cortar até 50% das verbas do Sistema S
 
 
Documentos de Ghosn são recolhidos de apartamento em Copacabana
 
 
COP24: países definem regras para implementar Acordo de Paris
 
 
Crise na Nicarágua se agrava, diz Comissão de Direitos Humanos da OEA
 
 
Regulamentação do mercado de carbono será decidida somente na COP 25
 
 
Coreia do Norte adverte EUA que sanções podem impedir desnuclearização

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212