Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 HDT alerta sobre risco de picadas de animais peçonhentos em período chuvoso - Jornal Brasil em Folhas
HDT alerta sobre risco de picadas de animais peçonhentos em período chuvoso


É durante as temporadas de chuva – período em que grande parte do Brasil se encontra atualmente – que se percebe com mais frequência a presença de animais peçonhentos em casas eescorpiao apartamentos, principalmente em residências próximas a grandes áreas verdes. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), acidentes por picadas desses animais são um dos maiores problemas de saúde pública em países tropicais como o Brasil, já que estão entre as principais causas de intoxicações do público adulto-jovem – entre 20 e 39 anos. No país, o maior número de acidentes registrado é com escorpiões, seguido por serpentes e aranhas.

Em Goiás, a grande incidência desse tipo de agravo pode ser notada no Hospital Estadual de Doenças Tropicais Dr. Anuar Auad (HDT), referência no atendimento a doenças infectocontagiosas e dermatológicas. Os acidentes com animais peçonhentos por muito tempo ocupou o segundo lugar entre os atendimentos do hospital, ficando atrás apenas das assistências a pacientes portadores do vírus HIV.

Porém, durante alguns períodos dos últimos dois anos, esse tipo de acidente revezou o primeiro lugar com o atendimento a pacientes soropositivos. Segundo o Núcleo de Vigilância Epidemiológica do HDT, no ano de 2016 foram notificados 587 casos e até o início de dezembro de 2017 foram 595 casos, totalizando 1.182 notificações nos dois anos. Desse total, 477 casos foram por serpente, 354 por escorpião e 212 por aranha. É possível, inclusive, fazer uma relação com o período em que as chuvas são intensas. Em um mês de clima seco, como julho- de 2017, foram registrados 71 casos, já em novembro, foram 92 notificações.

Segundo a infectologista Christiane Kobal, é preciso informar a população sobre o assunto, pois a grande maioria desconhece os procedimentos de primeiros socorros em casos de acidente com picada de animais peçonhentos. “Muitas vezes as pessoas optam por não fazer nada, por pensarem que não é grave, ou acabam realizando procedimentos caseiros, que resultam em um maior agravamento da situação do acidentado”, conta. Christiane alerta que é preciso levar a pessoa ferida até o hospital logo após o acidente. “Cabe ao médico avaliar se a picada ou mordida foi realmente por animal peçonhento e verificar se há a necessidade de aplicar soro antiofídico”, explica a infectologista.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212