Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 HDT alerta sobre risco de picadas de animais peçonhentos em período chuvoso - Jornal Brasil em Folhas
HDT alerta sobre risco de picadas de animais peçonhentos em período chuvoso


É durante as temporadas de chuva – período em que grande parte do Brasil se encontra atualmente – que se percebe com mais frequência a presença de animais peçonhentos em casas eescorpiao apartamentos, principalmente em residências próximas a grandes áreas verdes. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), acidentes por picadas desses animais são um dos maiores problemas de saúde pública em países tropicais como o Brasil, já que estão entre as principais causas de intoxicações do público adulto-jovem – entre 20 e 39 anos. No país, o maior número de acidentes registrado é com escorpiões, seguido por serpentes e aranhas.

Em Goiás, a grande incidência desse tipo de agravo pode ser notada no Hospital Estadual de Doenças Tropicais Dr. Anuar Auad (HDT), referência no atendimento a doenças infectocontagiosas e dermatológicas. Os acidentes com animais peçonhentos por muito tempo ocupou o segundo lugar entre os atendimentos do hospital, ficando atrás apenas das assistências a pacientes portadores do vírus HIV.

Porém, durante alguns períodos dos últimos dois anos, esse tipo de acidente revezou o primeiro lugar com o atendimento a pacientes soropositivos. Segundo o Núcleo de Vigilância Epidemiológica do HDT, no ano de 2016 foram notificados 587 casos e até o início de dezembro de 2017 foram 595 casos, totalizando 1.182 notificações nos dois anos. Desse total, 477 casos foram por serpente, 354 por escorpião e 212 por aranha. É possível, inclusive, fazer uma relação com o período em que as chuvas são intensas. Em um mês de clima seco, como julho- de 2017, foram registrados 71 casos, já em novembro, foram 92 notificações.

Segundo a infectologista Christiane Kobal, é preciso informar a população sobre o assunto, pois a grande maioria desconhece os procedimentos de primeiros socorros em casos de acidente com picada de animais peçonhentos. “Muitas vezes as pessoas optam por não fazer nada, por pensarem que não é grave, ou acabam realizando procedimentos caseiros, que resultam em um maior agravamento da situação do acidentado”, conta. Christiane alerta que é preciso levar a pessoa ferida até o hospital logo após o acidente. “Cabe ao médico avaliar se a picada ou mordida foi realmente por animal peçonhento e verificar se há a necessidade de aplicar soro antiofídico”, explica a infectologista.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212