Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Selic cortada pela metade em 2017; veja como ficaram os juros - Jornal Brasil em Folhas
Selic cortada pela metade em 2017; veja como ficaram os juros


SÃO PAULO - Ao longo deste ano foram oito cortes consecutivos na taxa básica de juros que reduziram a Selic de 13,75% ao fim de 2016 para 7% em dezembro, no menor patamar em toda a história.

Diversos fatores contribuíram para essas quedas, como o comportamento da inflação - que permanece bastante favorável -, os indicadores de atividade econômica que apontam para a recuperação gradual da economia e o cenário externo que neste momento viabiliza a procura de economias emergentes.

Do outro lado, o mercado financeiro em geral reduziu as taxas de juros, mas não na mesma proporção da taxa Selic. É importante esclarecer que outros fatores além da Selic interferem no comportamento dos juros, como as taxas de inadimplência, a margem de lucro dos bancos e a carga de impostos sobre as operações financeiras. Todas essas variáveis fazem com que as alterações na Selic sejam mais sentidas no médio e longo prazo.

A Fundação Procon-SP fez um levantamento sobre o comportamento da taxa de juros para o consumidor ao longo do ano com o Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, Itaú, Safra e Santander. Veja:

Cheque especial O ano iniciou com juros médios de 13,60% e finalizou com uma taxa de 13,41% ao mês, registrando queda de 1,40%. O banco que apresentou a maior taxa média anual de cheque especial foi o Santander, com 15,24% ao mês; a menor taxa média anual foi a do Safra, com 12,60%; uma diferença de 2,64 pontos percentuais, o que representa uma variação de 20,95%.

Na comparação com 2016, o levantamento indica que na taxa média do cheque especial houve um acréscimo de 0,16 pp. A taxa média do cheque especial em 2017 foi de 13,47% ao mês e a de 2016, de 13,31% ao mês.

Empréstimo pessoal No empréstimo pessoal, 2017 iniciou com uma taxa média de 6,51% e finalizou com juros de 6,41% ao mês, registrando recuo de 1,54%. O banco que apresentou a maior taxa média anual de empréstimo pessoal foi o Santander, com 8,01% ao mês; a menor taxa média anual foi a da Caixa Econômica Federal, com 5,74%; uma diferença de 2,27 pp, que representa uma variação de 39,55%.

De acordo com análise comparativa das taxas de 2017,a taxa média do empréstimo pessoal neste ano foi de 6,39% ao mês, indicando um decréscimo de 0,19 pp em relação à taxa média de 2016, que era de 6,58% ao mês.

Negociação de dívidas O Procon-SP orienta que o consumidor que tem dívidas de médio e longo prazo, como financiamentos de carro ou casa, pode buscar a reparação nos contratos, que foram firmados sobre juros maiores. O cenário econômico atual propicia fazer a portabilidade de dívidas.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212