Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Trump se aproxima de importante conquista com reforma fiscal - Jornal Brasil em Folhas
Trump se aproxima de importante conquista com reforma fiscal


O presidente Donald Trump em uma cerimônia na Casa Branca.

O presidente americano, Donald Trump, está prestes a alcançar sua primeira grande vitória política, após a aprovação de sua reforma fiscal pela Câmara de Representantes, que deve ser adotada nesta terça-feira (19) pelo Senado.

Apresentada pelo mandatário como um presente de Natal para os americanos, a Câmara dos deputados, com maioria republicana, aprovou nesta terça a reforma por 227 votos contra 203.

Agora, espera-se que o Senado, onde o governo tem uma estreita maioria, adote definitivamente a legislação.

A maioria democrata é unânime na oposição à reforma, mas os republicanos se mostram unidos após semanas de negociações.

É o exemplo perfeito de uma promessa feita e de uma promessa cumprida, disse Paul Ryan, presidente da Câmara de Representantes.

Apesar da ausência de John McCain, que precisou viajar ao Arizona para o tratamento do câncer, a apertada maioria republicana no Senado deve validar a reforma.

Trump se vinga, assim, do fracasso de derrubar a reforma do sistema de saúde de seu antecessor, Barack Obama, conhecida como Obamacare, diante da debandada de senadores de seu partido.

A reforma fiscal vai reduzir, a partir de 2018, os tributos federais sobre as empresas e sobre as receitas, a um custo de 1,5 trilhão de dólares para as finanças públicas na próxima década.

Mas Trump espera que a reforma acelere a economia americana além dos atuais 3%, o que geraria novas receitas fiscais.

O Federal Reserve (Fed, o Banco Central americano) aumentou, na semana passada, sua previsão de crescimento de 2,1% para 2,5% em 2018.

A Bolsa e a economia vão continuar a crescer uma vez que a lei de redução de impostos tenha sido totalmente compreendida e apreciada em seu escopo e volume, disse o presidente na quinta-feira. Aproveitem e criem excelentes empregos!

A reforma fiscal nos levará a 3% de crescimento, anunciou Paul Ryan.

- Vitória vs. ceticismo -

A reforma também deve simplificar o código tributário, para que os americanos possam fazer suas declarações fiscais como uma carta. Mas a promessa não foi mantida, porque os lobbies conseguiram manter alguns impostos que seriam cortados, como a dedução de juros de empréstimos imobiliários.

Embora a redução de tributos seja permanente para as empresas, ela só durará até 2025 para as famílias, devido à ausência de um acordo de longo prazo. Assim, o aumento do poder de compra das famílias vai se deteriorar progressivamente na próxima década, até que se anule para metade delas em 2027, de acordo com o Centro de Política Fiscal.

A adoção da reforma significaria, contudo, uma grande vitória política para Trump. Seu primeiro ano no poder tem sido agitado, com derrotas nas eleições locais nos últimos meses, e altos e baixos nas relações com seus aliados parlamentares, que ele não hesitou em repreender publicamente.

Os republicanos, para quem a reforma é uma prioridade há anos, deixaram de lado suas diferenças, conscientes de que um novo fracasso legislativo garantiria sua derrota nas eleições parlamentares de novembro de 2018, ou até a morte do partido, de acordo com a senadora republicana Lindsey Graham.

As pesquisas revelam que os americanos estão céticos: 55% se opõem à reforma, de acordo com um estudo publicado pela CNN, e dois terços acreditam que ela beneficiará mais aos ricos do que à classe média.

Os resultados vão torná-la popular, afirmou Paul Ryan.

O texto também inclui duas importantes reivindicações dos conservadores: a anulação da multa imposta pelo Obamacare àqueles que não possuem seguro de saúde, que serviu para estimular as pessoas a se inscreverem na cobertura; e a abertura das terras protegidas do Alasca para a perfuração petrolífera.

Os democratas consideram a lei um presente para os ricos e para as empresas.

Lembre-se deste dia, disse Nancy Pelosi, líder da bancada democrata na Câmara baixa, que vê a reforma como um puro e simples roubo à classe média.

Uma vez que a reforma seja adotada, os legisladores devem dar fim a uma crise orçamentária até a meia-noite desta sexta-feira, com a aprovação de créditos para o governo federal, bem como diversas medidas em saúde, inteligência, catástrofes naturais e imigração.

Mas a oposição democrata vai recuperar sua minoria de bloqueio no Senado e, assim, seu poder de negociação. O debate sobre a reforma tributária, um procedimento especial, dependia apenas de uma maioria simples.

 

Últimas Notícias

Bolsonaro elogia Mandetta e Wagner Rosário, ministros anunciados hoje
Atos em Brasília marcam os 50 anos da Receita Federal
Temer pede que brasileiros reflitam sobre questão racial
Grafiteira faz mural de 500 m2 no Rio para homenagear mulheres negras
Dia da Consciência Negra é comemorado no Rio com homenagem a Zumbi
Estados poderão decidir se darão aulas a distância no ensino médio
Moro escolhe delegados da Lava Jato para PF e departamento do MJ
Estudante poderá escolher área a ser avaliada no segundo dia do Enem

MAIS NOTICIAS

 

Estimativa do mercado para inflação cai pela quarta vez seguida
 
 
Autoridades de Cuba anunciam retorno de médicos antes do fim do ano
 
 
Guatemala monitora atividades de vulcão que pode ter novas erupções
 
 
Ex-CEO da Nissan é preso no Japão suspeito de reduzir próprio lucro
 
 
Governador eleito do Rio promete nova concessão para o Maracanã
 
 
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212