Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


13 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Catalunha, uma região estratégica para a Espanha - Jornal Brasil em Folhas
Catalunha, uma região estratégica para a Espanha


Região espanhola do tamanho da Bélgica, a Catalunha é uma das mais estratégicas para a quarta maior economia da zona do euro.

- Turística, moderna, endividada -

Este território, que possui língua e cultura próprias, delimitado pelo Mediterrâneo e pelos Pirineus, representa 6,3% da área total da Espanha, 16% da população e um quinto de seu PIB.

Terra dos pintores Salvador Dalí e Joan Miró, do arquiteto Antoni Gaudi, onde se dança a sardana e se constroem pirâmides humanas (Castells), a Catalunha atrai 22,5% do turismo espanhol.

No esporte, Barcelona é a única cidade espanhola a sediar os Jogos Olímpicos, em 1992. O FC Barcelona de Lionel Messi, berço dos jogadores da Roja, é o segundo clube com mais títulos do país, com 24 Ligas e cinco Ligas dos Campeões.

A Catalunha é o lar de indústrias de ponta e centros de pesquisa importantes, particularmente no campo da energia nuclear e da biomedicina.

Também é responsável por um quarto das exportações da Espanha e tem uma taxa de desemprego de 13,2%, quatro pontos abaixo do que o restante do país.

É também uma das mais endividadas, com uma dívida pública que representa 35,2% de seu PIB (75,4 bilhões de euros no final de março) e deve retirar regularmente dinheiro de um fundo especial do Estado espanhol.

Nesse aspecto, a região denuncia a distribuição desigual dos fundos públicos na Espanha, o que seria responsável por sua asfixia financeira.

- Amplas competências -

Berço do anarquismo na Espanha, a Catalunha manteve diversas vezes ao longo da história relações complexas com o poder central.

O ditador Francisco Franco retirou suas competências e infligiu uma dura repressão após a queda de Barcelona, fortaleza republicana, proibindo o uso oficial da língua catalã.

Hoje, a região dispõe de poderes muito amplos, desfrutando o status de comunidade autônoma histórica, assim como o País Basco (norte), a Galícia (noroeste) e a Andaluzia (sul).

Em virtude de um sistema que faz da Espanha um país muito descentralizado, a Catalunha tem de respeitar a Constituição, mas administra diretamente a Saúde e a Educação, ao ponto de ser, às vezes, acusada pelos conservadores de minimizar o uso do castelhano e de manipular os programas de história.

Tem sua Polícia, os Mossos dEsquadra, que também devem seguir as instruções do poder central.

- Nacionalista -

Foi, por muito tempo, administrada pela Convergencia i Unio (CiU, Convergência e União, nacionalista e conservadora) de Jordi Pujol, presidente regional entre 1980 e 2003.

Pujol fazia chover e trazia sol na Catalunha e em Madri, onde manejava o apoio da direita e da esquerda. Ser indiciado em 2010 por casos de fraude e de corrupção fiscal prejudicou sua imagem.

A partir de 2003, a Catalunha passou a ser liderada por uma coalizão da esquerda que obteve o reforço de suas competências. Esse status foi parcialmente revogado pelo Tribunal Constitucional em 2010, porém, o que nutriu o sentimento de independência e levou os nacionalistas de volta ao poder com Artur Mas, presidente regional entre 2010 e o final de 2015.

A crise econômica também alimentou o separatismo.

Conservador como Pujol, Artur Mas, um nacionalista, gradualmente abraçou a causa separatista e organizou, em 9 de novembro de 2014, uma primeira consulta sobre a independência, proibida pela Justiça.

Os separatistas de esquerda e de direita formaram a coalizão Junts pel Si e venceram as eleições regionais de setembro de 2015, reivindicadas como uma espécie de plebiscito sobre a independência. Registrou-se uma participação recorde de 77,4%.

Os partidos favoráveis à independência receberam 47,6% dos votos, o que lhes assegurou uma maioria de 72 das 135 cadeiras do Parlamento.

Em 10 de janeiro de 2016, Carles Puigdemont sucedeu a Artur Mas, com o objetivo de liderar a região para a independência até 2017, chegou, após um referendo não legalizado, a autoproclamar a independência, mas Madri interviu no governo da região e o destituiu, convocando eleições.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212