Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Compras de última hora movimentam centro de comércio popular no Rio - Jornal Brasil em Folhas
Compras de última hora movimentam centro de comércio popular no Rio


As compras de última hora para o Natal levaram consumidores a enfrentar temperaturas de mais de 30 graus para encontrar bons preços no mais famoso centro de comércio popular do Rio de Janeiro, a Sociedade de Amigos das Adjacências da Rua da Alfândega (Saara). Para alguns vendedores, no entanto, o movimento ficou abaixo do esperado.

Gerente de uma das maiores lojas da Saara, Maria das Graças, de 50 anos, se preparou para um dia de loja lotada entre as prateleiras com brinquedos e artigos de festa, mas os compradores não vieram no número que ela esperava.

A gente estava esperando que os atrasados iriam lotar isso aqui hoje. Esperava que fosse bombar, disse ela, que considera que o Natal de 2017 foi mais fraco que o de 2016, apesar de, também na avaliação dela, o ano ter sido melhor de um modo geral. Em 2016 se falou muito de crise e as pessoas seguraram mais o dinheiro. Este ano foi melhor, mas o Natal foi mais fraco.

Com 24 anos de Saara, ela explica que o Natal é importante por aumentar as vendas desde novembro, quando o foco dos clientes são os produtos natalinos. Em dezembro, cresce a demanda por brinquedos. Mas eu continuo vendendo árvore de Natal. Teve cliente comprando hoje, disse Maria das Graças.

O presidente do Polo Saara, Toni Haddad, acredita que a variedade e o preço sejam os grandes atrativos da região e conta que mesmo lojas como a sua, que vende comida árabe, se beneficiam com a maior circulação de pessoas antes do Natal.

A expectativa de Haddad é que as festas de fim de ano aumentem as vendas em 20% em relação aos outros meses. Para dele, 2017 foi melhor que 2016, mas ainda ficou abaixo dos anos anteriores.

Hoje está movimentado, mas o movimento foi mais diluído. Vem sendo mais forte durante o mês de dezembro todo. Foi positivo para nós, disse ele. Foi um Natal melhor que o do ano passado.

Comerciante na Saara há 50 anos, Antonieta Cheade, de 80 anos, discorda. Para sua loja de roupas, o Natal de 2017 foi o pior já registrado. Pra mim, não teve Natal. Sempre tivemos uma grande venda, mas este ano foi horrível, lamentou ela, que apontou para o movimento fora da loja: As pessoas estão passando e não estão entrando.

A Maquiadora Jaquellyne Gonçalves, de 19 anos, foi à Saara comprar presente para a filha e se surpreendeu: Para um sábado e véspera de Natal, está vazio. A gente esperava que estivesse muito mais cheio, disse ela, que considera o local ideal para comprar brinquedos. Mas tem que dar uma olhada e pesquisar, aconselha.

Para a dona de casa Regina Martino, de 68 anos, pesquisar preços na Saara é um hábito. Ela conta frequentar o centro comercial diariamente, inclusive para o lazer. Agora mesmo estava tomando uma cerveja ali. Eu venho todo dia. Você vem com R$ 100, compra uma canga de R$ 10, R$ 12, bijuterias são três por dez, você compra bolsa de praia, toalha. É muito barato, disse Regina.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212