Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Papa recebe Macri com frieza no Vaticano em encontro de apenas 22 minutos - Jornal Brasil em Folhas
Papa recebe Macri com frieza no Vaticano em encontro de apenas 22 minutos


Os dois argentinos mais importantes e poderosos, o Papa Francisco e o presidente Maurício Macri, se encontraram neste sábado no Vaticano pela primeira vez. Macri viajou com a intenção de suavizar a relação com o Pontífice, que já passou por alguns desencontros, mas os gestos indicam que a reunião saiu pior que o esperado. O encontro durou apenas 22 minutos, com fotos mostrando o Papa muito sério e frio. Ao fim da visita, o presidente contou ao “La Nación” que convidou o pontífice à Argentina, mas Francisco respondeu que a visita não ocorrerá neste ano, porque a agenda dele está cheia, mas garantiu que viajará ao país o quanto antes. Desde que assumiu o cargo, Francisco já foi ao Brasil, Paraguai, Bolívia e México, mas até agora parece ter evitado ir ao seu país.

Macri também contou que Francisco expressou preocupação com a pobreza e o narcotráfico na Argentina, e os dois concordaram em trabalhar em conjunto sobre os temas. Macri disse ao Papa que seu governo busca atrair investimento ao país para criar emprego e ressaltou que buscar unir os argentinos. Por outro lado, o pontífice apontou a importância de restabelecer relações com o mundo e ser razoável e confiável, e falou da importância em complementar o ensino com esporte, arte e educação pública.

O encontro, que foi muito protocolar, ocorreu na Biblioteca do Palácio Apostólico. A expectativa da reunião era melhorar a relação entre os dois, depois de alguns desencontros no passado. No final de 2009, quando Macri era líder do partido Proposta Republicana (Pro), ele decidiu não recorrer de uma decisão judicial que permitiu o casamento de Alex Freyre e José María Di Bello, o que causou um rebuliço na Igreja. Dias depois, Macri e Bergoglio se encontraram na tentativa de reconciliar as posições, mas isso não ocorreu.

A tensão entre eles voltou a se elevar em setembro de 2012, quando o então prefeito de Buenos Aires decidiu regulamentar um protocolo que permitiu não punir abortos na cidade, outro tema sensível para o cardeal. O Papa, por sua vez, enviou recentemente um rosário de presente à dissidente detida Milagro Sala, gesto interpretado como apoio político à titular da organização Tupac Amaru.

Ao fim do encontro desde sábado, o Papa cumprimentou um por um a delegação de dez pessoas que acompanhou Macri na visita. Entre eles, estava a primeira-dama Juliana Awada, vestida de preto e com um véu na cabeça, e a chanceler Susana Malcorra. Em seguida, ocorreu a tradicional troca de presente.

 

Últimas Notícias

Inep divulga resultado do Enem
Frédéric Lamotte é o novo diretor geral da CA Indosuez Wealth (Miami) e responsável Global da região das Américas
A ACIRLAG chega para impulsionar o setor econômico da região Leste de Aparecida
Inep divulga notas do Enem na sexta-feira
Bolsonaro sanciona Lei do Orçamento 2019 de mais de R$ 3,3 trilhões
Parlamento venezuelano aprova acordo para entrada de ajuda humanitária
Imigrantes hondurenhos sofrem com obstáculos para passagem de caravana
Militares vão atuar de forma mais intensa no Programa Mais Médicos

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212