Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


13 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Crise ou correção passageira? O bitcoin patina - Jornal Brasil em Folhas
Crise ou correção passageira? O bitcoin patina


Uma crise? Ou a correção temporária de uma moeda virtual errática? O bitcoin despencava nesta sexta-feira (22), quase tão abruptamente como subiu nas últimas semanas, sem que os especialistas financeiros realmente saibam como explicar o fenômeno.

A mais famosa das criptomoedas se situava nesta sexta-feira às 18h15 GMT (16h15 de Brasília) por volta de 12.840 dólares, segundo dados compilados pela agência Bloomberg, enquanto na segunda-feira se aproximava de US$ 20.000.

O bitcoin, que não parou de crescer depois de começar 2017 em torno de US$ 1.000, perdeu cerca de um quarto do seu valor em uma semana. Ou o equivalente ao dobro da capitalização de mercado do grupo LOréal, por exemplo.

A correção é particularmente brutal, mesmo para uma moeda virtual acostumada a fortes variações, e escapando das estruturas monetárias tradicionais.

Ao contrário do dólar ou do euro, o bitcoin não é emitido por bancos centrais, mas é extraído, ou criado, de forma descentralizada, por computadores que usam algoritmos complexos para produzir uma cadeia de blocos de transações codificadas e autenticadas (a chamada tecnologia blockchain).

A bolsa de transações de bitcoin Coinbase foi obrigada a anunciar nesta sexta-feira, por volta das 16h30 GMT (14h30 de Brasília) que, devido ao forte volume de hoje [sexta-feira], a venda e a compra podem estar indisponíveis on-line, embora tenha prometido restaurar as operações o quanto antes.

- Chegou ao limite? -

Para Neil Wilson, da ETX Capital, com sede em Londres, é difícil saber se o alerta já soou.

Essas últimas semanas trouxeram quase tantas boas notícias como ruins para o bitcoin.

Certamente ganhou alguma legitimidade com o lançamento nos Estados Unidos de instrumentos especulativos baseados em bitcoin por operadores reconhecidos.

Além disso, de acordo com a Bloomberg, o gigante bancário Goldman Sachs estaria considerando entrar no trading de bitcoins, o que seria, de acordo com os critérios do mundo das finanças, uma espécie de consagração.

Mas o bitcoin, acusado de ser utilizado para todo tipo de tráfico ilegal, continua a ser altamente criticado.

Na quarta-feira, sua estrela começou a perder o brilho depois de informações de um ataque hacker a uma plataforma de negociação de criptografia na Coreia do Sul, Youbit. E na quinta-feira, Haruhiko Kuroda, governador do Banco do Japão, um importante mercado de bitcoin, considerou o aumento espetacular da moeda como anormal.

A isto se somam os recorrentes boatos sobre a criação de outras criptomoedas concorrentes e das rivalidades entre mineiros.

Para os especialistas, nada disso é suficiente para explicar sua queda repentina.

Parece que é hora de os investidores aproveitarem seus lucros e gastá-los no Natal, disse Neil Wilson.

Não é realmente possível comprar seus presentes ou peru em bitcoins, cujo uso comercial é muito marginal. Para gastar seus bitcoins, você deve trocá-los por outra moeda, o que reduz seu preço.

Belarus seguiu, no entanto, o exemplo do Japão nesta sexta-feira, ao reconhecer o bitcoin e as demais criptomoedas como forma de pagamento legal. As operações com estas moedas virtuais serão isentas de impostos até 2023, segundo um decreto assinado pelo presidente Alexandre Lukashenko.

- Em apuros -

Alexandre Baradez, analista do IG France, não vê explicação particular para a queda e lembra que o percurso do bitcoin sempre foi errático. Sua volatilidade é 20 vezes superior à volatilidade euro/dólar, ressalta.

Também lembra que a criptomoeda continua sendo um mercado muito pequeno em comparação com outras grandes divisas e que, portanto, só falta que alguns poucos proprietários de peso vendam para que a cotação venha abaixo.

Segundo Stephen Innes, da OANDA, os investidores do bitcoin enfrentam um retorno ao chão.

Uma demanda desenfreada associada a uma disponibilidade limitada levou investidores inexperientes a apostarem com tudo, diz.

Rebecca OKeeffe, de Interactive Investor, espera ver se o bitcoin volte a subir ou se se desinfla definitivamente em benefício de outras moedas virtuais menos caras.

A volta à terra mencionada poderia ter seus limites, no entanto.

Para além do bitcoin, o entusiasmo pelas criptomoedas e pela tecnologia informática que lhe serve de base, o blockchain, continua sendo muito forte, para não dizer irracional.

A título de exemplo, o simples fato de o vendedor de chás gelados Long Island Tea Corp decidir mudar seu nome para Long Blockchain Corp. serviu para que seus papéis disparassem quase 200% na quinta-feira em Wall Street.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212