Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Fusão de duas estrelas de nêutrons é descoberta científica do ano - Jornal Brasil em Folhas
Fusão de duas estrelas de nêutrons é descoberta científica do ano


A observação da colisão de duas estrelas de nêutrons, que permitiu uma inédita captação simultânea de ondas gravitacionais e eletromagnéticas, foi a principal descoberta científica de 2017, assinalou nesta quinta-feira a revista americana Science.

Efetuada no dia 17 de agosto passado, esta observação confirmou vários modelos-chave da astrofísica, revelou a origem de numerosos elementos pesados da matéria e confirmou a teoria geral da relatividade de Albert Einstein como nunca antes, assinalaram os editores da revista.

O choque entre as duas estrelas ocorreu a 130 milhões de anos-luz da Terra e gerou minúsculas ondulações no tecido espaço/tempo, chamadas de ondas gravitacionais e captadas por três instrumentos gigantes na Terra, dois nos Estados Unidos e um na Europa.

Estas ondas, previstas por Albert Einstein, foram detectadas pela primeira vez em 2015, após a colisão de dois buracos negros, algo que valeu o prêmio Nobel de Física 2017 aos cientistas que as identificaram.

Estas ondas abrem uma nova e importante janela de observação do Universo, ao permitir observar corpos que não emitem luz.

Poder compreender a totalidade dos acontecimentos cósmicos cataclísmicos promete revolucionar a astrofísica, destacou a Science.

Entre os outros dez avanços científicos-chave de 2017 a revista destaca a descoberta de uma nova espécie de orangotango (o Pongo tapanuliensis) em uma ilha isolada da Indonésia, assim como a nova datação de um crânio de 300 mil anos que permite concluir que os primeiros homo sapiens viveram 100 mil anos antes do que se previa.

Uma terapia genética para crianças afetadas por atrofia muscular espinhal, a causa genética mais frequente de mortalidade infantil, também integra a lista da Science de 2017, do mesmo modo que outro progresso que poderá eliminar mutações genéticas responsáveis por algumas doenças.

 

Últimas Notícias

Inep divulga resultado do Enem
Frédéric Lamotte é o novo diretor geral da CA Indosuez Wealth (Miami) e responsável Global da região das Américas
A ACIRLAG chega para impulsionar o setor econômico da região Leste de Aparecida
Inep divulga notas do Enem na sexta-feira
Bolsonaro sanciona Lei do Orçamento 2019 de mais de R$ 3,3 trilhões
Parlamento venezuelano aprova acordo para entrada de ajuda humanitária
Imigrantes hondurenhos sofrem com obstáculos para passagem de caravana
Militares vão atuar de forma mais intensa no Programa Mais Médicos

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212