Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Governo Central registra primeiro superávit para novembro desde 2013 - Jornal Brasil em Folhas
Governo Central registra primeiro superávit para novembro desde 2013


A alta da arrecadação provocada pela recuperação da economia e o pagamento de concessões referentes ao leilão de usinas hidrelétricas fizeram o Governo Central obter o primeiro resultado positivo para meses de novembro em quatro anos. No mês passado, o Tesouro Nacional, a Previdência Social e o Banco Central registraram superávit primário de R$ 1,348 bilhão.

O resultado primário leva em conta a diferença entre receitas e despesas, desconsiderando os juros da dívida pública. Desde 2013, o Governo Central não fechava novembro com resultado positivo. No mesmo mês do ano passado, o Governo Central tinha registrado déficit de R$ 38,467 bilhões, o pior resultado da história para o mês.

O resultado de novembro diminuiu para R$ 101,919 bilhões o déficit primário acumulado em 2017, ainda o pior valor registrado para os 11 primeiros meses do ano desde o início da série histórica, em 1997. Pela Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), o Governo Central tem de fechar o ano com déficit de R$ 159 bilhões. Na semana passada, o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, disse que a equipe econômica tem condições de cumprir a meta com pequena folga.

Cemig

No mês passado, o governo contou com dois fatores para impulsionar as receitas. Além da recuperação econômica, que fez a arrecadação federal subir em novembro, o Tesouro reforçou o caixa com o pagamento de R$ 12,1 bilhões dos leilões para renovar a concessão de quatro usinas hidrelétricas da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig). Em dezembro, o Tesouro receberá R$ 10 bilhões dos leilões de concessão de petróleo e gás e R$ 3 bilhões de concessões de aeroportos leiloados no início do ano.

Os recursos extras fizeram as receitas líquidas do Governo Central subir 3,5% de janeiro a novembro em valores nominais. Ao descontar a inflação, no entanto, a variação real cai para zero. No mesmo período, as despesas totais também subiram 3,5%, com variação real zero ao desconsiderar a inflação.

A estabilização das despesas só foi possível porque o governo cortou despesas não obrigatórias para compensar o crescimento de gastos obrigatórios. De janeiro a novembro, os gastos com a Previdência Social subiram 6,1% acima da inflação em relação ao mesmo período do ano passado. Os gastos com o funcionalismo federal aumentaram 7,1% também acima da inflação.

Cortes de gastos

As despesas discricionárias (não obrigatórias), no entanto, caíram 13,8% na mesma comparação, desconsiderando a inflação. Os gastos de custeio (manutenção da máquina pública) acumulam queda real de 8,5%. Ao longo do ano, diversos programas e serviços federais enfrentaram restrição de recursos, como emissão de passaportes, vigilância rodoviária e universidades federais.

Os investimentos – obras públicas e compra de equipamentos – totalizaram R$ 35,595 bilhões e recuaram 35,2% em termos reais (excluindo a inflação). Os empreendimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) somaram R$ 19,8 bilhões de janeiro a novembro, com queda real de 40,3% em relação aos mesmos meses do ano passado. Principal programa habitacional do governo, o Minha Casa, Minha Vida gastou R$ 2,364 bilhões, com retração real de 61%.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212