Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Alberto Fujimori, um presidente contestado - Jornal Brasil em Folhas
Alberto Fujimori, um presidente contestado


O ex-presidente peruano Alberto Fujimori (1990-2000) derrotou as guerrilhas de extrema esquerda, mas foi condenado a 25 anos de prisão por violações dos direitos humanos e oito anos por desvio de dinheiro público.

O atual presidente do Peru, Pedro Pablo Kuczynski, anunciou que lhe concederia um indulto humanitário.

Foi estabelecido que Fujimori sofre de doença progressiva, degenerativa e incurável e que as condições de prisão constituem uma ameaça à sua vida, saúde e integridade física, afirmou a presidência em um comunicado.

Nascido em Lima, em 28 de julho de 1938, Dia Nacional do Peru, de pais japoneses imigrantes, Alberto tornou-se engenheiro agrônomo e passou a ensinar matemática.

Em 1964, passou um ano letivo em Estrasburgo (França), onde aprendeu francês e, em 1970, obteve um mestrado em matemática pela Universidade de Wisconsin (Estados Unidos).

Ao retornar a Lima, passou a ensinar matemática na Universidade de Agronomia, onde foi nomeado reitor (1984-1989) e, em 1987, foi eleito presidente da Conferência dos Reitores das Universidades peruanas.

Em 1990, Alberto Fujimori, que também possui nacionalidade japonesa, venceu, para a surpresa geral, as eleições à presidência do seu partido Cambio 90, graças às vozes da esquerda. Venceu o famoso escritor Mario Vargas Llosa, campeão do ultra-liberalismo.

Por falta de maioria, em 5 de abril de 1992, com apoio das forças armadas, Fujimori dissolveu o Parlamento e suspendeu a Constituição. Em novembro, convocou eleições para uma Constituinte. Uma nova Constituição foi adotada um ano depois.

- Esquadrões da morte -

Após sua vitória, graças aos esquadrões da morte, sobre o Sendero Luminoso, uma organização subversiva maoísta, e a prisão de seu líder Abimael Guzman, a revista americana Time o nomeou Homem do Ano da América do Sul, em 1993.

Em 1995, foi reeleito para um segundo mandato de cinco anos no primeiro turno com 64% dos votos, batendo o ex-secretário-geral da ONU, Javier Pérez de Cuellar.

Em 1996, o congresso aprovou uma lei de interpretação autêntica da Constituição que o autorizava disputar um terceiro mandato. Em maio de 2000, Fujimori foi declarado vencedor na eleição presidencial, mas depois de evidências de corrupção, o congresso votou sua destituição em novembro.

Ele fugiu para o Japão, país natal de seus pais, onde renunciou por meio de um fax enviado de um hotel em Tóquio. Lima passou anos tentando convencer Tóquio a extraditá-lo, sem sucesso.

Após uma longa batalha legal, foi finalmente o Chile, que visitou em 2005, que extraditou Fujimori em setembro de 2007.

- Família Fujimori -

Em abril de 2009, Fujimori foi condenado a 25 anos de prisão por encomendar dois massacres cometidos por um esquadrão da morte em 1991-1992, durante os quais 25 pessoas foram assassinadas, incluindo uma criança, na luta contra a guerrilha.

Em janeiro de 2015, também foi condenado a oito anos de prisão por desvio de fundos públicos, uma sentença mais que simbólica no Peru, onde apenas a mais pesada se aplica. Também teve que pagar um milhão de dólares para o Estado.

Teve dois meninos e duas meninas, incluindo Keiko, que correu nas eleições presidenciais de 2011 e 2016, sem sucesso.

Desde que foi derrotada nas últimas eleições por Pedro Pablo Kuczynski, tornou-se líder da oposição peruana.

Alberto Fujimori a escolheu como primeira-dama do país após seu divórcio em 1994 de Susana Higuchi.

Seu irmão mais novo Kenji, de 37 anos, também se tornou uma figura política proeminente depois de conquistar pela segunda vez consecutiva o maior número de votos nas eleições legislativas.

O ex-homem forte do Peru, que durante muito tempo lutou contra um câncer, foi operado em várias ocasiões de uma lesão na língua. Detido em uma delegacia perto de Lima, foi transferido várias vezes ao hospital nos últimos anos.

Seus filhos apresentaram vários pedidos de liberdade.

Kuczynski lançou há alguns meses o debate sobre a possibilidade de uma anistia humanitária para Alberto Fujimori, dizendo à revista britânica The Economist que era tempo do perdão.

De acordo com as pesquisas, 60% dos peruanos são favoráveis a uma anistia do ex-chefe de Estado.

 

Últimas Notícias

Inep divulga resultado do Enem
Frédéric Lamotte é o novo diretor geral da CA Indosuez Wealth (Miami) e responsável Global da região das Américas
A ACIRLAG chega para impulsionar o setor econômico da região Leste de Aparecida
Inep divulga notas do Enem na sexta-feira
Bolsonaro sanciona Lei do Orçamento 2019 de mais de R$ 3,3 trilhões
Parlamento venezuelano aprova acordo para entrada de ajuda humanitária
Imigrantes hondurenhos sofrem com obstáculos para passagem de caravana
Militares vão atuar de forma mais intensa no Programa Mais Médicos

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212