Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Empresa investigada na Lava Jato ganha contrato de R$ 30 milhões - Jornal Brasil em Folhas
Empresa investigada na Lava Jato ganha contrato de R$ 30 milhões


Em 18 de dezembro, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu libertar o empresário Marco Antônio de Luca, investigado pela Lava Jato no Rio. Acusado de corrupção e organização criminosa, de Luca é suspeito de pagar propina ao ex-governador Sérgio Cabral para ser favorecido no fornecimento de merenda para escolas e "quentinhas" para presídios do estado.

No mesmo dia, a Masan Serviços Especializados que, de acordo com procuradores da República, foi beneficiada pelo pagamento de propinas, disputava e ganhava um pregão na Prefeitura do Rio para prestar serviço a creches municipais e aos chamado Espaço de Desenvolvimento Infantil (EDI).

Pelos dois lotes da concorrência, a Masan receberá algo em torno de R$ 29,2 milhões pelo serviço.

A Secretaria Municipal de Educação do Rio diz que a "empresa não se encontra suspeita de participar, podendo atuar em qualquer certame".

Já a Masan informou, em nota, "que não está impedida de participar de nenhum processo licitatório para órgãos públicos. Quem está sob investigação é um de seus ex-sócios, Marco Antônio de Luca, e não a empresa".

Não há, até o momento, nenhuma decisão judicial que impeça a Masan de atuar em concorrências públicas. Tanto Marco de Luca como a empresa são investigados no âmbito da Lava Jato no RJ.

Os investigadores descobriram que as empresas ligadas à família de Luca lucraram R$ 8 bilhões em contratos nos governos estaduais do RJ a partir de 2007, quando Sérgio Cabral assumiu o governo. Ainda segundo o MP, os contratos foram mantidos durante o governo de Luiz Fernando Pezão.

Tanto a Masan, como a outra empresa do grupo, a Milano, se especializaram em serviços de alimentação e serviços. Em agendas de Luiz Carlos Bezerra, operador do ex-governador Cabral, há anotações em que Marco de Luca aparece dando R$ 300 mil a Cabral.

Após a análise de documentação e depoimento de Luiz Carlos Bezerra ao juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal, concluiu-se que Marco de Luca pagou R$ 12,5 milhões em propina para que as empresas de sua família lucrassem com contratos com o poder público.

Policiais federais e procuradores da República descobriram que, em 2010, as empresas de Marco de Luca mudaram o objetivo social da Masan para logo depois a empresa ser beneficiada na gestão da frota de fumacês de combate à dengue coordenada pela Prefeitura do Rio. O contrato foi de R$ 13 milhões.

Marco de Luca foi preso por ordem do juiz Bretas em 1º de junho deste ano. Após seis meses preso, o STF decidiu soltá-lo em 18 de dezembro passado. No mesmo dia, a Masan, da família de Luca, disputava o pregão com mais 16 empresas.

A prestação de serviços para atender às creches foi dividida em cinco lotes. A Masan ganhou dois lotes. Outra empresa, a Taurus, ganhou os outros três. O G1 apurou que outra empresa ofereceu menor preço que a Masan, mas foi eliminada da concorrência, e a Masan venceu a disputa.

A Secretaria Municipal de Educação do Rio informou, através de sua assessoria, que a Masan "é uma empresa idônea e que, por isso, pode participar da disputa. Não há nada contra ela (Masan) que apresentou todos os documentos requisitados".

A Masan confirma, também em nota, que "participou da licitação para prestação de serviço de agente educador para as creches municipais do Rio e que ganhou apenas dois, dos cinco lotes disponibilizados a todos os concorrentes".

"Cabe ressaltar que a Masan tem experiência de mais de cinco anos com trabalhos voltados às crianças e, para isso, e necessário ter funcionários treinados e altamente capacitados. A Masan está à disposição das autoridades para esclarecer o que se fizer necessário", acrescentou a empresa.

 

Últimas Notícias

Inep divulga resultado do Enem
Frédéric Lamotte é o novo diretor geral da CA Indosuez Wealth (Miami) e responsável Global da região das Américas
A ACIRLAG chega para impulsionar o setor econômico da região Leste de Aparecida
Inep divulga notas do Enem na sexta-feira
Bolsonaro sanciona Lei do Orçamento 2019 de mais de R$ 3,3 trilhões
Parlamento venezuelano aprova acordo para entrada de ajuda humanitária
Imigrantes hondurenhos sofrem com obstáculos para passagem de caravana
Militares vão atuar de forma mais intensa no Programa Mais Médicos

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212