Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Venezuela soma 69 veículos de mídia fechados e agressões a jornalistas - Jornal Brasil em Folhas
Venezuela soma 69 veículos de mídia fechados e agressões a jornalistas


Emissoras de rádio e TV tiradas do ar e jornais sem papel: 69 meios de comunicação fecharam na Venezuela em 2017 em meio a uma escalada de agressões contra jornalistas, denunciou o principal sindicato do setor nesta quarta-feira (27).

A lista inclui 46 rádios, três emissoras de televisão e 20 jornais, detalhou o Sindicato Nacional de Trabalhadores da Imprensa (SNTP, em espanhol) em seu balanço anual.

O SNTP registrou 498 agressões e 66 detenções contra jornalistas este ano, e atribuiu ao governo a intenção de silenciar, a qualquer preço, o descontentamento pela cada vez mais crítica situação econômica e social, com hiperinflação e escassez aguda de alimentos e remédios.

A cifra aumentou 26,5% com relação a 2016, quando foram contabilizados 360 ataques, acrescenta o relatório.

O sindicato também denunciou nesta quarta-feira que dois repórteres do meio de comunicação regional Unicable TV, em Margarita (norte), foram retidos por três horas por agentes da militarizada Guarda Nacional quando cobriam um protesto pelo desabastecimento de comida.

Segundo o SNTP, a maior parte das agressões (273 dos 498 casos) ocorreu durante os protestos contra o presidente Nicolás Maduro, que deixaram 125 mortos, das quais 70% foram atribuídas a militares e policiais.

Utilizando o braço e as armas da Guarda Nacional e as polícias regionais e municipais, a burocracia oficial tentou invisibilizar o conflito, acrescentou.

A Relatoria para a Liberdade de Expressão da Comissão Interamericana de Direitos Humanos fez um chamado urgente este ano a restabelecer as transmissões das emissoras de rádio e TV retiradas do ar, e qualificou as medidas como um castigo por sua linha editorial crítica.

O governo se declara vítima de uma campanha de desprestígio em meios locais e estrangeiros.

O fechamento de meios audiovisuais tem como causa o vencimento de suas concessões para o uso do espaço radioelétrico, que a imprensa denuncia ser concedida arbitrariamente.

No entanto, os jornais sofrem a escassez do papel, cuja importação e distribuição estão monopolizadas por uma corporação governamental.

Cerca de 20 jornais se viram obrigados a suspender suas tiragens permanente ou temporariamente, e de acordo com o SNTP todos os jornais que restam tiveram que limitar sua paginação e circulação.

Meios internacionais também se viram afetados. A cadeia CNN em Espanhol e as televisões colombianas Caracol TV e RCN foram retiradas da grade de programação das operadoras a cabo por ordem do governo.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212