Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


23 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Autor da intervenção militar contra Mugabe nomeado vice no Zimbábue - Jornal Brasil em Folhas
Autor da intervenção militar contra Mugabe nomeado vice no Zimbábue


O ex-chefe das Forças Armadas do Zimbábue, que dirigiu a manobra que pôs fim a 37 anos de mandato do presidente Robert Mugabe no final de novembro, foi nomeado oficialmente nesta quinta-feira um dos vice-presidentes do país.

O general reformado Constantino Chiwenga, de 61 anos, prestou juramento durante uma cerimônia na sede da presidência, em Harare, jurando observar, fazer respeitar e defender a Constituição.

O ex-ministro da Segurança Interna de Mugabe, Kembo Mohadi, também foi nomeado vice-presidente do partido.

O general Chiwenga se retirou do Exército na semana passada.

Tradicional apoio do regime desde a independência do país em 1980, os militares intervieram na noite de 14 a 15 de novembro nas ruas de Harare para denunciar a demissão por Mugabe do seu então vice-presidente Emmerson Mnangagwa.

Colocado em prisão domiciliar, o ex-presidente de 93 anos renunciou uma semana depois, abandonado por seu partido.

O golpe militar foi para impedir a primeira-dama Grace Mugabe de suceder seu marido. Foi ela quem forçou a demissão do vice-presidente, considerado até então como o braço-direito do camarada Bob.

Mnangagwa tomou posse como presidente interino até as eleições programadas para meados de 2018.

O novo presidente nomeou o ex-chefe da Força Aérea, Perrance Shiri, como ministro da Agricultura, enquanto outro general, Sibusiso Moyo, tornou-se ministro das Relações Exteriores.

Constantino Chiwenga desempenhou um papel fundamental na transição entre Mugabe e Mnangagwa, e não havia outra maneira de agradecer a ele do que dar a vice-presidência, estimou Sabelo Ndlovu-Gatsheni, professor da Universidade da África do Sul.

Não creio que a intervenção dos militares na vida política seja boa para a democracia, considerou Ndlovu-Gatsheni, apontando que o exército não persuade, usa violência.

 

Últimas Notícias

Chega a 73 o número de mortos em explosão no México; feridos somam 74
Forte terremoto de magnitude 6,7 atinge o Chile
Mais de 150 imigrantes se afogam no Mar Mediterrâneo
Brasil e Europa vão ser interligados por novo cabo submarino
Acordo para mudar nome da Macedônia gera protestos em Atenas
Ghosn está disposto a aceitar qualquer condição para obter fiança
Bombeiros buscam pessoa desaparecida depois de tromba dágua no Rio
Mega-Sena acumula de novo e pode pagar R$ 38 milhões na quarta-feira

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212