Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


22 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Presidente italiano dissolve Parlamento antes de legislativas - Jornal Brasil em Folhas
Presidente italiano dissolve Parlamento antes de legislativas


O presidente da República da Itália, Sergio Mattarella, dissolveu nesta quinta-feira (28) o Parlamento, que chegaria em breve ao fim de seu mandato, lançando oficialmente a campanha para eleições legislativas aguardadas para março.

O chefe de Estado assinou o decreto de dissolução do Senado e da Câmara dos Deputados, indicou a Presidência em um comunicado.

No início da tarde desta quinta-feira, o chefe do governo de centro-esquerda, Paolo Gentiloni, foi para o Palácio do Quirinal, sede do Executivo, para anunciar que com a adoção do orçamento de 2018, o trabalho do Parlamento, eleito em fevereiro de 2013, estava concluído.

Segundo um ritual estabelecido, Mattarella recebeu em seguida o presidente do Senado, Pietro Grasso, e a presidente da Câmara de Deputados, Laura Baldrini, para comunicar-lhes a intenção de dissolver as duas câmaras.

Em seguida, Gentiloni retornou ao Quirinal para referendar o decreto de dissolução, antes de voltar ao Palácio Chigi, sede da chefia de governo, para presidir o Conselho de Ministros.

- Espectro político fragmentado -

O governo marcou para 4 de março a consulta legislativa, depois de o mandato parlamentar ter chegado a seu final. Esta data foi decidida durante o conselho de ministros, reunido após a dissolução do Parlamento por parte de Mattarella. A data era a desejada por todos os líderes dos principais partidos políticos.

O modelo de votação na Itália atribui grande parte à proporcionalidade e a dispersão anunciada de votos entre três polos - a direita, a centro esquerda e os populistas do Movimento 5 Estrelas - é pouco propenso à formação de uma coalizão, o que pode deixar o próximo Parlamento sem uma clara maioria.

Esses setores são: a direita, a centro-esquerda e os populistas do Movimento 5 Estrelas.

Paolo Gentiloni, terceiro chefe de governo desta legislatura, depois de Enrico Letta e Matteo Renzi, deve permanecer no cargo até a posse do novo Parlamento. Seu mandato poderia, inclusive, se prolongar, enquanto as incertezas permanecerem no período pós-eleitoral.

Por causa da fragmentação das forças políticas, a formação de um novo governo poderá levar tempo.

A aliança de direita, composta por Força Itália (FI), o partido de Silvio Berlusconi, e os soberanistas da Liga Norte (LN) e dos Fratelli de Itália (FDI), poderia chegar a 35% da intenção de voto, mas os litígios são frequentes entre eles, já que FI e LN reivindicam sua supremacia e frequentemente têm posições divergentes sobre a União Europeia e o euro.

Com cerca de 28% de intenções de votos nas pesquisas, o populista Movimento 5 Estrelas (M5S), que surpreendeu conquistando 25% dos votos nas legislativas de 2013, em sua estreia política, parece chegar ao seu limite e não está disposto a formar alianças.

Terceiro e último na corrida é o Pardido Democrata (PD, situação). de Matteo Renzi, que perde fôlego e não reúne mais de 25% das intenções de voto.

Em um país que após a proclamação da República em 1946 contabiliza 64 governos, a instabilidade prevista não é uma novidade.

Fazendo um balanço de seu ano de gestão à frente do governo, Gentiloni disse nesta quinta-feira em coletiva de imprensa que seu governo no reduzirá o ritmo. Dentro dos limites fixados pela Constituição e pelas leis, o governo governará.

 

Últimas Notícias

Deputado Marlúcio promove caminhonetadas em várias regiões de Aparecida
Dia da Árvore: desmatamento vem caindo, mas ainda há desafios
Brincar com os quatro elementos da natureza ajuda a criança a se desenvolver melhor
Meninas que praticam esportes, cuidado com a alimentação!
Indústria paulista fecha 2,5 mil postos de trabalho em agosto
Aneel descarta revisão de bandeira tarifária em conta de luz
BNDES: empréstimos para Cuba e Venezuela não deveriam ter sido feitos
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212