Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 TRT do Rio proíbe greve de ônibus no Réveillon e fixa multa de R$ 100 mil - Jornal Brasil em Folhas
TRT do Rio proíbe greve de ônibus no Réveillon e fixa multa de R$ 100 mil


O Tribunal Regional do Trabalho (TRT) proibiu liminarmente, nesta sexta-feira (29), a deflagração de greve dos funcionários de empresas de ônibus do município do Rio no próximo dia 31, como havia sido decidido pela categoria há um mês. O juiz Evandro Pereira Valadão Lopes considerou a realização da greve como abusiva, pois foi marcada para ocorrer justamente durante o Réveillon, quando a cidade recebe milhares de turistas e milhões de pessoas se deslocam para Copacabana.

“No caso em exame, por mais límpido que possa ser o direito ao exercício de greve, soa oportunista e irresponsável sua deflagração no dia 31 de dezembro. O movimento paredista, em tais dias, impedirá a livre locomoção de pessoas. Está-se diante da clássica hipótese de abuso de direito”, escreveu o juiz em sua decisão.

Valadão atendeu, parcialmente, ao pedido do Sindicato das Empresas de Ônibus da Cidade do Rio (Rio Ônibus), mas permitiu que a greve ocorra, a partir das 10h do dia 1º de janeiro, desde que respeitadas algumas exigências, como manutenção de 80% da frota nos horários de pico e 60% nos demais horários.

Caso a decisão não seja atendida, o juiz estipulou multa de R$ 100 mil ao Sindicato Municipal dos Trabalhadores em Empresas de Transporte Urbano (Sintraurb), R$ 10 mil a cada dirigente do sindicato e R$ 1 mil a todo trabalhador vinculado ao Sintraurb.

Recurso

O vice-presidente do Sintraurb, José Carlos Sacramento, disse que a entidade já ingressou na Justiça com pedido para suspender a decisão e justificou os motivos da greve. “Várias empresas estão com os salários atrasados, sem pagar o 13º salário, e não cumprem a nossa convenção coletiva. Todas as categorias tiveram aumento de salário, mas nós não. Aumenta tudo, o arroz e o feijão, mas não aumenta o nosso salário. Como é que a gente faz?”, questionou o dirigente.

Sacramento lembrou que as empresas de ônibus estão, desde o início do ano, em uma queda de braço com o prefeito Marcelo Crivella e também com a Justiça, que não só impediu o aumento das passagens em 2017, como determinou a redução de R$ 3,80 para R$ 3,40. Por conta disso, segundo o vice-presidente do Sintraurb, oito empresas já fecharam as portas no Rio, sendo a mais recente delas a São Silvestre, que anunciou ontem (28) o encerramento das atividades.

Segundo a prefeitura, as empresas receberam em anos passados aumentos extras na tarifa para equiparem toda a frota com ar-condicionado, o que não ocorreu.

Edição: Davi Oliveira

 

Últimas Notícias

Bolsonaro elogia Mandetta e Wagner Rosário, ministros anunciados hoje
Atos em Brasília marcam os 50 anos da Receita Federal
Temer pede que brasileiros reflitam sobre questão racial
Grafiteira faz mural de 500 m2 no Rio para homenagear mulheres negras
Dia da Consciência Negra é comemorado no Rio com homenagem a Zumbi
Estados poderão decidir se darão aulas a distância no ensino médio
Moro escolhe delegados da Lava Jato para PF e departamento do MJ
Estudante poderá escolher área a ser avaliada no segundo dia do Enem

MAIS NOTICIAS

 

Estimativa do mercado para inflação cai pela quarta vez seguida
 
 
Autoridades de Cuba anunciam retorno de médicos antes do fim do ano
 
 
Guatemala monitora atividades de vulcão que pode ter novas erupções
 
 
Ex-CEO da Nissan é preso no Japão suspeito de reduzir próprio lucro
 
 
Governador eleito do Rio promete nova concessão para o Maracanã
 
 
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212