Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


23 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Marun diz que não abrirá mão de pedir apoio à reforma da Previdência - Jornal Brasil em Folhas
Marun diz que não abrirá mão de pedir apoio à reforma da Previdência


O ministro da secretaria de Governo, Carlos Marun, disse hoje (29), em Brasília, que não abrirá mão de pedir apoio à reforma da Previdência para todos os agentes públicos. Marun voltou a negar que tenha condicionado a liberação financiamentos em bancos públicos para os governadores ao comprometimento deles na busca de votos para aprovar a reforma da Previdência.

“A verdade é que não está sendo condicionado, mas também é verdade que não vamos abrir mão de pleitear o apoio dos agentes públicos e, especialmente, daqueles que estão sendo beneficiados por ações do governo”, disse, ao participar de cerimônia de assinatura da liberação de R$ 951,26 milhões em empréstimos da Caixa a campanhias estaduais de saneamento do Espírito Santo, Pernambuco, Goiás e Rio Grande do Sul.

Marun disse que não segue a cartilha do politicamente correto. “Nessa cartilha, não cabe muitas vezes a verdade, a necessidade de se falar em gratidão, mas cabe a hipocrisia e mentira”, disse. Ele comparou a nazistas quem estaria propagando “mentiras” sobre sua fala relacionada ao apoio à reforma da Previdência. “É como o nazismo em que uma mentira que se repete à exaustão e se transforma em verdade”, disse Marun.

Para o ministro foram propagadas duas mentiras. Uma delas seria a negação de que a Caixa tem como razão de existência a sua missão de “conduzir e executar políticas públicas”. “É mentira que a Caixa não existe para isso”, disse, ao lado do presidente da instituição financeira, Gilberto Occhi.

“Outra mentira é que estaria condicionando apoio a reforma da Previdência a qualquer ação governamental”, destacou. O ministro desafiou a encontrar em sua fala qualquer chantagem. “Não vão achar”, disse, durante a assinatura dos contratos.

Após participar da cerimônia, o ministro disse a jornalistas que vai pleitear apoio em conversas, tentando conscientizar sobre a necessidade de todos terem responsabilidade. “Para aprovar a reforma da Previdência temos que parar? Não. Temos que atuar e esperamos de todos os agentes públicos responsabilidade, mas não condicionando e não chantageando como, de forma de mentirosa, foi posto à população”, acrescentou. Marun garantiu que mesmo os governadores que não estão alinhados com a aprovação da reforma estão sendo beneficiados por ações do governo.

Durante a cerimônia, o governador de Goiás, Marconi Perillo, defendeu Marun. “Defendo que todo mundo ajude o Brasil e isso significa reciprocidade. Cabe a nós, que estamos sendo beneficiados com muitas ações do governo, ajudar.”

Para o governador, os estados e as cidades estão sendo atendidas pelo governo. “Como não reconhecer esse esforço, os prefeitos estão sendo atendidos, nós estamos sendo atendidos. O Brasil vai quebrar, vai falir se a gente não tomar medidas responsáveis”, disse. Perillo acrescentou que, se não houvesse déficit na Previdência, no estado seria possível investir em outras áreas de interesse da população.

Após o encerramento do evento, o presidente da Caixa, Gilberto Occhi, negou que o governo federal tenha exigido o apoio à reforma da Previdência para a liberação de empréstimos. “Não tem essa posição para ninguém e nunca recebemos de ninguém condicionamento do Palácio”, disse.

Questionado sobre a redução de cerca de R$ 1,5 bilhão no financiamento ao setor público, de acordo com o último balanço do banco, Occhi argumentou que esses dados ainda não são do ano fechado. “Não terminou. Então, aguardem os números da Caixa, em março a gente vai divulgar. Não tem uma queda, estamos assinando contratos hoje e vamos assinar ainda amanhã. Ainda é um último dia para empenhar, para contratar. Isso vamos fazer. Os números serão bem melhores”, afirmou.

Indulto de Natal

Marun defendeu ainda o decreto do indulto natalino, suspenso parcialmente ontem pela presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia. “É uma ação humanitária que historicamente, desde o Império, beneficia condenados por crimes não violentos, que tenham bom comportamento e cumprido parte da pena.A edição deste decreto segue rigorosamente todos esses princípios”, destacou.

Marun disse não ter conhecimento sobre a edição de novo decreto. “Não sei, quem está tocando essa questão é o ministro [da Justiça] Torquato [Jardim]”, disse.

Edição: Maria Claudia

 

Últimas Notícias

Varejo perde R$ 19,5 bilhões em 2017 por danos em produtos e furtos
A partir deste sábado, candidatos só podem ser presos em flagrante
Brasileiros não se sentem prontos para lidar com a morte, diz pesquisa
Aos 95 anos, Gervásio Baptista recebe Medalha do Mérito Jornalístico
PF combate grupo criminoso responsável por contrabando de cigarros
Primavera começa hoje com possibilidade de novo episódio do El Niño
Facebook anuncia medidas para combater contas falsas e desinformação
Polícia Militar faz operação na Rocinha

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212