Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Africanos dominam a São Silvestre; brasileiros admitem mudar treinamento - Jornal Brasil em Folhas
Africanos dominam a São Silvestre; brasileiros admitem mudar treinamento


Os atletas africanos que subiram ao pódio na 93° Corrida Internacional de São Silvestre consideraram a prova boa, apesar dos desafios que os 15 quilômetros (km) do percurso exige dos atletas. “Não nada fácil, ano passado estava insegura, por isso treinei e estava confiante este ano, mas não foi fácil”, admitiu a campeã da prova feminina a queniana Flomena Cheyech Daniel. “Estou muito feliz de ter sido a campeã”. Ano passado a atleta ficou em segundo lugar na competição.

A terceira colocada na prova, a etíope Birhane Dibara Adugana, destacou o piso molhado. “Foi difícil, porque o piso estava molhado, mas no todo foi uma prova boa”. A segunda colocada, etíope Sintayehu Lewetegn HaileMichael, elogiou a organização da São Silvestre. “Gostaria de agradecer a organização, a competição foi muito boa para mim, e estou muito feliz com a posição”.

Focar mais no treino em 2018 está nos planos da brasileira melhor colocada na São Silvestre, Joziane Cardoso. Ela ficou com a décima segunda posição na corrida. “As quenianas que vem são as top. Precisamos é fazer uma priorização. Eles treinam em local com altitude e, se fizermos um trabalho diferenciado, pode ser que a gente consiga quebrar essa hegemonia”, disse.

Apesar de não ter subido ao pódio, Joziane gostou do resultado. “Estou feliz por ter sido a primeira brasileira, este ano tenho obtido boas colocações. Foi muito bom fechar com a São Silvestre. Ano que vem vou focar para estar entre as cinco”, prometeu a atleta.

O vencedor da prova masculino, o etíope Dawit Fikadu Admasu, agradeceu a torcida brasileira. “Treinei muito forte pela prova. Agradeço a Deus e ao público que torceu bastante durante o percurso”. Segundo ele, os treinos dos africanos em regiões altas faz a diferença para obter bons resultados. “Acredito que a altitude que faz a diferença no nosso treinamento”, destacou.

O vice-campeão, o etíope Belay Tilahun Bezabh, considerou a prova boa e agradeceu ao treinador. Já o queniano Edwin Kipsang Rotich, que conquistou o terceiro lugar, disse que foi uma das provas mais fortes das quais já participou. Ele chegou a cair quando completava o oitavo quilômetro.

“Não foi nada bom, mas levantei rápido e vi que tinha que ir atrás dos outros atletas. Eu não sei o que aconteceu, porque tinha muitos atletas próximos, foi tudo muito rápido”, disse. “Esta é a quarta prova que participo, e foi uma das mais fortes para mim, mas foi muito boa”.

O brasileiro melhor posicionado na corrida, Ederson Vilela Pereira, concorda que é preciso diferenciar os treinamentos para alcançar o pódio. “Temos que repensar para 2018, e colocar algum brasileiro no pódio. Temos que nos preparar melhor, ver no que estamos errando, para no próximo ano estarmos melhor”. Para o atleta, que ficou em 11º lugar, o começo da prova foi a mais difícil. “Foi um começo forte, como todos os outros, só que não consegui acompanhar o ritmo inicial deles, vou levar para 2018 mais um aprendizado”.

O tempo ajudou os corredores na manhã de hoje (31). O início da prova foi com chuva fina e temperatura de 19 graus Celsius (°C), de acordo com Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) da capital paulista.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212