Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Africanos dominam a São Silvestre; brasileiros admitem mudar treinamento - Jornal Brasil em Folhas
Africanos dominam a São Silvestre; brasileiros admitem mudar treinamento


Os atletas africanos que subiram ao pódio na 93° Corrida Internacional de São Silvestre consideraram a prova boa, apesar dos desafios que os 15 quilômetros (km) do percurso exige dos atletas. “Não nada fácil, ano passado estava insegura, por isso treinei e estava confiante este ano, mas não foi fácil”, admitiu a campeã da prova feminina a queniana Flomena Cheyech Daniel. “Estou muito feliz de ter sido a campeã”. Ano passado a atleta ficou em segundo lugar na competição.

A terceira colocada na prova, a etíope Birhane Dibara Adugana, destacou o piso molhado. “Foi difícil, porque o piso estava molhado, mas no todo foi uma prova boa”. A segunda colocada, etíope Sintayehu Lewetegn HaileMichael, elogiou a organização da São Silvestre. “Gostaria de agradecer a organização, a competição foi muito boa para mim, e estou muito feliz com a posição”.

Focar mais no treino em 2018 está nos planos da brasileira melhor colocada na São Silvestre, Joziane Cardoso. Ela ficou com a décima segunda posição na corrida. “As quenianas que vem são as top. Precisamos é fazer uma priorização. Eles treinam em local com altitude e, se fizermos um trabalho diferenciado, pode ser que a gente consiga quebrar essa hegemonia”, disse.

Apesar de não ter subido ao pódio, Joziane gostou do resultado. “Estou feliz por ter sido a primeira brasileira, este ano tenho obtido boas colocações. Foi muito bom fechar com a São Silvestre. Ano que vem vou focar para estar entre as cinco”, prometeu a atleta.

O vencedor da prova masculino, o etíope Dawit Fikadu Admasu, agradeceu a torcida brasileira. “Treinei muito forte pela prova. Agradeço a Deus e ao público que torceu bastante durante o percurso”. Segundo ele, os treinos dos africanos em regiões altas faz a diferença para obter bons resultados. “Acredito que a altitude que faz a diferença no nosso treinamento”, destacou.

O vice-campeão, o etíope Belay Tilahun Bezabh, considerou a prova boa e agradeceu ao treinador. Já o queniano Edwin Kipsang Rotich, que conquistou o terceiro lugar, disse que foi uma das provas mais fortes das quais já participou. Ele chegou a cair quando completava o oitavo quilômetro.

“Não foi nada bom, mas levantei rápido e vi que tinha que ir atrás dos outros atletas. Eu não sei o que aconteceu, porque tinha muitos atletas próximos, foi tudo muito rápido”, disse. “Esta é a quarta prova que participo, e foi uma das mais fortes para mim, mas foi muito boa”.

O brasileiro melhor posicionado na corrida, Ederson Vilela Pereira, concorda que é preciso diferenciar os treinamentos para alcançar o pódio. “Temos que repensar para 2018, e colocar algum brasileiro no pódio. Temos que nos preparar melhor, ver no que estamos errando, para no próximo ano estarmos melhor”. Para o atleta, que ficou em 11º lugar, o começo da prova foi a mais difícil. “Foi um começo forte, como todos os outros, só que não consegui acompanhar o ritmo inicial deles, vou levar para 2018 mais um aprendizado”.

O tempo ajudou os corredores na manhã de hoje (31). O início da prova foi com chuva fina e temperatura de 19 graus Celsius (°C), de acordo com Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) da capital paulista.

 

Últimas Notícias

Bolsonaro terá uma série de reuniões na próxima semana em Brasília
Com pênalti controverso, Brasil vence Uruguai por um a zero
Brasil está preparado para substituir médicos cubanos, afirma Temer
Chega a quatro número de vítimas das chuvas em Belo Horizonte
Estudantes poderão renovar o Fies até o dia 23
Massoterapeuta Dani Bumbum deixa prisão no Rio
Cervejas terão rótulos com os ingredientes usados na fabricação
Temporal causa mortes e estragos em BH; adolescente está desaparecida

MAIS NOTICIAS

 

Morre em Pelotas o criador da camisa canarinho, Aldyr Schlee
 
 
Brasil concentrou 40% dos feminicídios da América Latina em 2017
 
 
Jungmann e Toffoli anunciam sistema para unificar processos de presos
 
 
Pensamento liberal deve guiar a equipe econômica de Bolsonaro
 
 
Gold3-4 minutosfajn permanecerá à frente do BC até Senado aprovar Campos Neto
 
 
Senado argentino aprova orçamento de 2019 como prometeu ao FMI

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212