Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Veneno que matou criminoso de guerra bósnio-croata era indetectável - Jornal Brasil em Folhas
Veneno que matou criminoso de guerra bósnio-croata era indetectável


O veneno ingerido pelo criminoso de guerra bósnio-croata Slobodan Praljak, que se suicidou em plena audiência no Tribunal Penal internacional para a ex-Iugoslávia (TPIY), não era de modo algum detectável, anunciou a corte neste domingo, após publicar uma investigação interna.

Não existe nenhuma medida que poderia ter detectado o veneno em qualquer fase, afirmou o juiz Hassan Jallow em um comunicado.

O tribunal abriu uma investigação interna sobre a morte de Slobodan Praljak, que se suicidou em 29 de novembro ingerindo cianeto em plena sala de audiências onde era julgado e ao vivo diante das câmeras, depois de ter sido condenado a 20 anos de prisão por crimes de guerra e crimes contra a humanidade.

Minha investigação não revelou nenhuma lacuna no marco jurídico do TPIY, continuou o juiz, afirmando que os agentes do TPIY e do centro de detenção [de Haia onde Praljak estava detido] respeitaram as regras.

O pequeno tamanho do frasco [que continha o veneno], os limites nas normas de revista invasivas e a natureza do equipamento de detecção disponível no centro penitenciário e nos locais do TPIY contribuíram para dificultar a detecção do líquido, acrescentou o juiz, que foi assessorado por especialistas independentes durante a investigação.

A operação da procuradoria holandesa, ainda em andamento, que foi solicitada pelo TPIY após o incidente, busca determinar como Praljak pôde obter e introduzir no tribunal o frasco com cianeto.

Não é possível adquirir legalmente o cianeto nem fabricá-lo ilegalmente com produtos disponíveis no centro de detenção, argumentou o juiz.

Para evitar que este tipo de incidentes se repitam, Hassan Jallow transmitiu recomendações relativas às revistas e recomendou cursos de formação para o pessoal de segurança que serão compartilhados com outros tribunais.

O suicídio de Praljak, de 72 anos, aconteceu durante a leitura da sentença no julgamento de apelação contra seis ex-dirigentes e ex-chefes militares bósnio-croatas, acusados de crimes de guerra e crimes contra a humanidade durante o conflito entre croatas e muçulmanos (1993-1994) como parte da guerra da Bósnia.

De pé, em frente aos juízes, Praljak viu como o tribunal confirmava sua condenação e com a voz firme disse: Slobodan Praljak não é um criminoso de guerra, rejeito seu veredito, tirou um frasco e bebeu seu conteúdo. Ele morreu horas depois de um ataque cardíaco.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212