Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Custo de catástrofes naturais aumentou em 2017, diz seguradora - Jornal Brasil em Folhas
Custo de catástrofes naturais aumentou em 2017, diz seguradora


As catástrofes naturais provocaram, em 2017, muito mais danos financeiros que nos cinco anos anteriores, e a parte coberta pelas seguradoras registrou um recorde, anunciou nesta quinta-feira a alemã Munich Re.

No ano passado, as catástrofes naturais causaram 330 bilhões de dólares em prejuízos, quase o dobro de 2016 (175 bilhões de dólares) e o balanço mais alto da história desde 2011 (354 bilhões), detalha um estudo da segunda maior seguradora do mundo.

Dos 330 bilhões - a maior parte deles relacionada a furacões e ao grave terremoto do México -, as companhias tiveram que cobrir danos recordes de 135 bilhões, afirma a seguradora.

As catástrofes naturais ainda provocaram a morte de 10 mil pessoas no ano passado, pouco mais que em 2016 (9.650 mortos), mas bem inferior à média da última década - 60 mil vítimas ao ano.

Ao todo, foram registrados 710 acontecimento climáticos ou geológicos extremos em 2017, um resultado muito superior aos 605 constatados em média no mesmo período.

A Munich Re destaca especialmente as catástrofes que afetaram os Estados Unidos, que representaram a metade de todos os custos.

O furacão Harvey, em agosto, com chuvas torrenciais sobre o Texas, provocou um prejuízo de 85 bilhões de dólares.

Os outros furacões - Irma na Flórida (32 bilhões de dólares) e María no Caribe - bem como os incêndios na Califórnia também são abordados no estudo.

Na Europa, as temperaturas excepcionalmente baixas em abril causaram 3,6 bilhões de dólares em prejuízos na agricultura, dos quais as seguradoras só cobrem 650 milhões.

Na Ásia, a monção de intensidade rara deixou 2.700 mortos e provocou 3,5 bilhões de dólares de prejuízos.

Algumas das catástrofes foram uma prévia do futuro, nossos especialistas esperam ver catástrofes cada vez mais frequentes, apesar de algumas não serem ligadas diretamente às alterações climáticas, comentou Torsten Jeworrek, diretor da filial da Munich Re, citado em um comunicado.

 

Últimas Notícias

John Forman recusa cargo no Conselho de Administração da Petrobras
Em visita oficial, Macri é recebido no Planalto por Bolsonaro
Mercado financeiro prevê inflação em 4,02% neste ano
Consultas de CPFs para vendas a prazo no comércio crescem 2,8%
Produção de bicicletas aumenta 15,9% no Brasil
Receita abre consulta a restituição do Imposto de Renda de 2008 a 2018
Ex-comandante da Marinha é indicado para o conselho da Petrobras
Inflação para idosos fecha 2018 em 4,75%, informa FGV

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212