Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


15 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 França pede que ocidentais se envolvam mais na crise síria - Jornal Brasil em Folhas
França pede que ocidentais se envolvam mais na crise síria


O presidente francês, Emmanuel Macron, pediu nesta quinta-feira (4) aos países ocidentais que se envolvam mais na guerra da Síria, afirmando que o conflito não pode ser resolvido unicamente com algumas quantas potências estrangeiras.

Além disso, anunciou que convidará 80 dirigentes para celebrar o centenário do fim da I Guerra Mundial, em 11 de novembro, uma ocasião para refletir sobre a organização do mundo.

A declaração do presidente francês coincidiu com os preparativos de Rússia, Turquia e Irã do congresso de diálogo nacional sobre a Síria que será celebrada este mês em Sochi, às margens do mar Negro, uma iniciativa à margem dos diálogos de Genebra, auspiciadas pela ONU.

Macron disse que a comunidade internacional não deveria dar terreno a certas potências que acreditam que só alguns quantos, reconhecendo uma parte da oposição de fora, serão capazes de encontrar uma solução estável e duradoura para a situação na Síria.

Neste contexto, as Nações Unidas, as potências regionais, a Europa e os Estados Unidos têm uma grande responsabilidade, e estou plenamente determinado [...] a ter êxito construindo a paz na Síria, afirmou ante o corpo diplomático em Paris.

Na sexta-feira, Macron tem prevista uma reunião com o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, que apoia os rebeldes que combatem o presidente sírio, Bashar Al Assad, enquanto Moscou e Teerã apoiam o regime sírio.

Macron também afirmou que é preciso impor a paz no Iraque e na Síria urgentemente para evitar qualquer ressurgimento dos ataques extremistas, agora que o grupo jihadista Estado Islâmico foi derrotado militarmente.

Além disso, afirmou que a França tentará iniciar um diálogo com o Irã para controlar sua atividade balística e completar o acordo nuclear iraniano, que o presidente americano, Donald Trump, ameaça denunciar, através de um acordo-marco sobre sua influência regional, julgada expansiva demais do Líbano ao Iêmen, passando pelo Iraque e pela Síria.

Em alusão aos protestos que sacudiram o Irã nos últimos dias, Macron disse que a França continuará vigiando que estes direitos [de liberdade de opinião e de manifestação] sejam plenamente respeitados.

Mas insistiu em que qualquer decisão sobre o futuro do país deverá vir dos próprios iranianos.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212