Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Abr de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Partidários do governo iraniano voltam a se mobilizar - Jornal Brasil em Folhas
Partidários do governo iraniano voltam a se mobilizar


Novas mobilizações pró-regime eram realizadas no Irã nesta quinta-feira (4), um dia após o governo declarar o fim da sedição, na esperança de concentrar as atenções nas demandas econômicas, o ponto de partida dos protestos.

Depois de vários dias de agitação, a capital Teerã e a maioria das cidades provincianas tiveram uma segunda noite tranquila. Agora, o poder quer centrar a atenção nas reivindicações econômicas dos manifestantes.

Em Teerã, foi mobilizado um importante dispositivo policial.

A imprensa e redes sociais não relataram distúrbios noturnos, embora imagens de mobilizações esporádicas em localidades menores tenham sido publicadas sem verificação.

Esta manhã, a televisão iraniana exibiu imagens de novas grandes manifestações em apoio ao governo nas cidades de Isfahan (centro), Mashhad (nordeste), Orumieh (noroeste), Babol e Ardebil (norte).

Estamos todos unidos com o guia, o aiatolá Ali Khamenei, entoavam esses manifestantes, de acordo com imagens da televisão estatal.

Os manifestantes também gritavam morte à América, morte a Israel e morte ao monafegh (hipócrita em persa), termo utilizado pelas autoridades para designar os Mudjahedines do Povo, principal grupo de oposição no exílio, proibido no Irã.

Já na quarta-feira, dezenas de milhares de pessoas se mobilizaram em vinte outras cidades provinciais para apoiar o poder e denunciar a violência dos protestos que se estenderam por uma semana.

As autoridades acusam grupos contra-revolucionários e os Mudjahedines do Povo de tirar proveito das manifestações legítimas da população contra as dificuldades econômicas para criar problemas.

De quinta a segunda-feira à noite, 21 pessoas morreram - a maioria manifestantes - e centenas foram presas, incluindo 450 em Teerã, segundo dados oficiais.

- Moscou adverte Washington -

O comandante em chefe do Exército, Abdolrahim Mussavi, agradeceu às forças de segurança que teriam apagado o fogo da insurreição.

O exército de elite iraniano, a Guarda Revolucionária, proclamou na quarta-feira o fim deste movimento de protesto. Iniciado em 28 de dezembro em Mashhad (nordeste), a segunda maior cidade do país, foi o maior movimento de contestação no país desde 2009, contra a reeleição do então presidente Mahmud Ahmadinejad.

Segundo o ministro do Interior, Abdolreza Rahmani Fazli, 42.000 pessoas participaram das manifestações, muitas menos que as centenas de milhares que foram às ruas em 2009.

O Irã acusa os Mujahedines de estar vinculados à Arábia Saudita, rival regional de Teerã, à qual acusa, junto com os Estados Unidos, de atiçar os distúrbios ao apoiar as manifestações.

O embaixador iraniano na ONU, Gholamali Khoshroo, queixou-se ante o Conselho de Segurança das ingerências dos Estados Unidos em seus assuntos internos.

Desde o início da contestação, Donald Trump tem expressado apoio à causa dos manifestantes e condenado o regime.

Os Estados Unidos pediram formalmente uma reunião de emergência ao Conselho de Segurança da ONU, que será celebrada na sexta-feira às 15h locais (18h de Brasília), anunciou a missão do Cazaquistão, que preside o colegiado.

A reunião se realizaria na sexta-feira às 20H00 GMT (18h de Brasília), mas deve ser confirmada pela presidência do Conselho, exercida este mês pelo Cazaquistão.

Condenamos nos termos mais fortes possíveis as mortes até hoje e as detenções de pelo menos mil iranianos, disse a porta-voz do Departamento de Estado, Heather Nauert.

Esses mortos não serão esquecidos, acrescentou a porta-voz.

Posteriormente, o Departamento do Tesouro informou sobre novas sanções contra o regime iraniano, concretamente contra cinco empresas vinculadas ao programa balístico.

A Rússia, aliada do Irã, advertiu Washington contra qualquer intervenção nos assuntos internos de seu amigo.

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, se expressou no mesmo sentido.

Alguns do exterior provocaram a situação e estas provocações não são corretas, declarou Erdogan à emissora francesa TF1 em Estambul. É um assunto interno do Irã [...] Não devem se meter em assuntos internos dos países, devem deixá-los solucionar seus problemas internos, acrescentou.

- Problemas econômicos -

A classe política no Irã - reformistas e conservadores - se posicionou contra a violência, enfatizando a necessidade de encontrar uma solução para os problemas econômicos, principalmente o desemprego, que atinge 30% dos jovens.

Embora as queixas econômicas tenham contribuído amplamente para esses movimento de protesto, as reivindicações políticas não tardaram a surgir.

A principal demanda das pessoas às autoridades e ao governo é que resolvem os problemas econômicos, apontou na quarta-feira Ali Akbar Velayati, conselheiro do guia supremo para assuntos internacionais, citado pela agência Isna.

Reeleito em maio passado, o reformista Hassan Rohani prometeu, logo que se tornou presidente em 2013 trabalhar para melhorar a situação econômica e social, uma esperança alimentada pelo acordo nuclear assinado em 2015 e a suspensão de algumas sanções internacionais contra Teerã.

Mas o encarecimento do custo de vida e o desemprego não pararam de alimentar as frustrações.

O Parlamento, que revisa o orçamento para o próximo ano fiscal (março de 2018 a março de 2019), já rejeitou os aumentos de impostos que o governo queria adotar, incluindo um aumento de 50% no preço da gasolina.

 

Últimas Notícias

Ex-presidente do Peru tenta se matar ao receber ordem de prisão
Ex-presidente do Peru está em estado grave após tentativa de suicídio
Governo argentino lança pacote de medidas para combater inflação
PRF apreende no Rio 300 mil maços de cigarros contrabandeados
Famílias de baixa renda de Brumadinho recebem auxílio emergencial
Governo autoriza uso da Força Nacional para segurança na Esplanada
Chega a 18 número de mortos no desabamento no Rio de Janeiro
Fachin pede manifestação de Moraes sobre inquérito de fake news

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - EXPEDIENTE