Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Chico Buarque volta aos palcos após anos de ausência - Jornal Brasil em Folhas
Chico Buarque volta aos palcos após anos de ausência


O cantor Chico Buarque toca ante a imprensa com motivo do lançamento de sua nova turnê, Caravanas, na sala Vivo Rio, no Rio de Janeiro, Brasil, em 3 de janeiro de 2018.

Há mais de cinco anos Chico Buarque não subia aos palcos, mas o compositor vai matar a saudade de seus fãs com um mês de shows no Rio de Janeiro para promover seu novo trabalho, Caravanas.

Lenda viva da música brasileira, Buarque participou de forma pontual em alguns shows durante esse período, mas 2017 marcou formalmente seu regresso à cena musical com o lançamento de seu 23º disco de estúdio solo, de nove faixas, aclamado pela crítica devido à sua atualidade.

Elegante mas também brincalhão, o artista de 73 anos fala no álbum de amor shakesperiano, mas também da era da comunicação por aplicativos como o Whatsapp (Dueto, como a neta Clara).

Ele também retrata o drama dos refugiados (As Caravanas) e defende que a velhice deve ser assumida com espírito esportivo (Jogo de bola).

Afastado dos palcos desde 2012, o também poeta e romancista decidiu começar a turnê de Caravanas em meados de dezembro em Belo Horizonte (sudeste), mas é com este mês de shows em sua casa que seu retorno ganha força para, depois do Carnaval, ir a São Paulo e então a outras capitais de estados brasileiros.

Mas no Rio de Janeiro, o preço para ver o artista não é acessível para todos os públicos: as entradas vão de 220 a 490 reais.

Na quarta-feira à noite, Buarque convocou os jornalistas para a sala Vivo Rio, onde se apresentará de quinta a domingo durante um mês, para falar de sua turnê como ele sabe melhor: com música.

Vestido de preto e grudado em seu violão, o artista tocou junto com sua banda Homenagem ao malandro e As Caravanas em um palco minimalista, decorado com fitas geométricas luminosas e um móbile metálico.

Como única generosidade midiática antes do ensaio geral, o compositor brincou com os fotógrafos e posou alguns segundos para eles.

- Um artista do presente -

Depois do álbum Chico (2011), em Caravanas Buarque se atreve a misturar desde o lundu (um ritmo africano centenário) com um bolero em espanhol em homenagem a Havana (Casualmente), até um som mais orquestral combinado com uma batida do funk conhecida como tamborzão.

Caravanas crava, enfim, que Chico é um artista do presente — ao contrário do lugar em que alguns têm procurado localizá-lo nos últimos anos (especialmente após Tua cantiga e o aquecimento de ânimos com a acusação de machismo em sua letra), de ser alguém anacrônico em sua poética e em sua musicalidade, escreveu o jornalista musical Leonardo Lichote em sua crítica no jornal O Globo.

Apesar de sua ausência musical nos últimos anos, o artista que se exilou na Itália durante a ditadura e vive temporadas em Paris nunca deixou de lado sua militância política.

Recentemente, o cantor apareceu em atos junto ao ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, a quem apoia para as eleições de 2018.

E sobre essa saudade que os fãs podiam sentir dele, no single de lançamento Tua cantiga (que alguns tacharam de machista), Buarque diz poeticamente: Quando te der saudade de mim/ Quando tua garganta apertar/ Basta dar um suspiro/ Que eu vou ligeiro/ Te consolar.

 

Últimas Notícias

Mercado financeiro prevê inflação em 4,02% neste ano
Consultas de CPFs para vendas a prazo no comércio crescem 2,8%
Battisti ficará em isolamento por um ano em prisão na Sardenha
CNN Brasil será lançado neste ano
Toffoli nega habeas corpus preventivo para Battisti
ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212