Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


23 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Estados Unidos criam menos vagas, mas desemprego continua baixo - Jornal Brasil em Folhas
Estados Unidos criam menos vagas, mas desemprego continua baixo


A economia dos Estados Unidos teve uma geração de empregos decepcionante, apesar das boas contratações na indústria e na construção, segundo dados oficiais desta sexta-feira (5).

Com o país perto do pleno emprego, a taxa de desemprego se manteve em 4,1% - a mais baixa de 17 anos.

As empresas incorporaram 148 mil novos funcionários em dezembro. Economistas estimavam 200 mil novos empregos.

O otimismo tinha sido alimentado na quinta-feira, quando a empresa ADP informou que o setor privado criou 250 mil novas vagas.

A revisão dos dados de outubro e novembro também reduziram 9 mil empregos. Assim, o último trimestre de 2017 ficou mais decepcionante.

A média de empregos criados nos últimos três meses do ano foi de 204 mil, segundo o Departamento de Trabalho.

O menor crescimento poderia ser atribuído à aproximação do pleno emprego - que torna mais difícil encontrar mão de obra qualificada, um sentimento que se espalha em várias empresas.

Várias companhias relataram que os salários deveriam subir para conseguir novos funcionários, e isso refletiu o aumento do salário médio por hora de trabalho a 26,63 dólares - ante 36,54 de novembro. Em dezembro de 2016, essa remuneração era de 25,95 dólares.

A alta salarial é de 2,5% ao longo do ano, levemente acima da inflação.

- Volatilidade -

Os analistas cujas previsões estavam erradas atribuíram a geração mais baixa de empregos à volatilidade das estimativas.

Os mercados pareceram não se abalar pelos resultados, revelados junto com o anúncio de que o déficit comercial de novembro foi o mais alto em cinco anos. Wall Street alcançou novos recordes.

Jim OSullivan, da High Frequence Economics, que calculou que 210 mil empregos seriam criados no mês passado, relativizou: O erro não foi muito grande dada a volatilidade normal, e não há sinais de que a tendência geral se tenha enfraquecido.

Ele alertou que o número médio de empregos criados mensalmente foi de 171 mil e a taxa de desemprego caiu 0,6 ponto percentual.

 

Últimas Notícias

Chega a 73 o número de mortos em explosão no México; feridos somam 74
Forte terremoto de magnitude 6,7 atinge o Chile
Mais de 150 imigrantes se afogam no Mar Mediterrâneo
Brasil e Europa vão ser interligados por novo cabo submarino
Acordo para mudar nome da Macedônia gera protestos em Atenas
Ghosn está disposto a aceitar qualquer condição para obter fiança
Bombeiros buscam pessoa desaparecida depois de tromba dágua no Rio
Mega-Sena acumula de novo e pode pagar R$ 38 milhões na quarta-feira

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212