Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


23 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Parlamento iraniano se reúne para discutir crise no país - Jornal Brasil em Folhas
Parlamento iraniano se reúne para discutir crise no país


O Parlamento iraniano reunia-se na manhã deste domingo (7) para uma sessão especial sobre a recente agitação que afeta o Irã, à medida que novas manifestações de apoio às autoridades eram realizadas em várias cidades.

Os deputados deveriam ouvir o ministro do Interior, Abdolreza Rahmani Fazli, o ministro da Inteligência, Mahmud Alavi, e o secretário do Conselho Supremo de Segurança Nacional (CSSN), Ali Shamkhani, sobre as manifestações que degeneraram em episódios de violência no final de dezembro em várias cidades do país, segundo o site oficial do Majles (Assembleia Nacional).

Os manifestantes saíram às ruas para protestar contra o custo de vida e o governo.

Essas manifestações e sua repressão fizeram um total de 21 mortos, principalmente manifestantes, de acordo com as autoridades, além de centenas de detidos.

A reunião no Parlamento deve se concentrar nas causas que levaram ao movimento de contestação e na resposta das autoridades, enquanto os deputados debatem o projeto de lei de orçamento para o ano fiscal iraniano 1397, que começará em 21 de março.

A questão das restrições impostas ao aplicativo de mensagens instântaenas Telegram, a rede social mais popular no Irã, durante a agitação também deve ser abordada.

O Parlamento não é favorável à continuação da filtragem do Telegram, mas [esta rede] deve assumir compromissos para que não seja usada como instrumento dos inimigos do povo iraniano, escreveu Behruz Nemati, porta-voz da presidência do Parlamento, em sua página no Instagram.

Na quarta-feira, o bloqueio da rede de compartilhamento de fotos Instagram foi levantado, mas o Telegram, que teria mais de 25 milhões usuários no país, continua a ser alvo de restrições: o acesso à rede permanece impossível a partir de um telefone celular, a menos que se use uma rede privada virtual (VPN).

As autoridades pedem ao Telegram que bloqueie alguns canais criados por opositores iranianos no exterior e que conclamam abertamente a população a derrubar o governo.

A Guarda Revolucionária, o exército de elite da República Islâmica, anunciou na quarta-feira o fim da sedição que começou em 28 de dezembro, e manifestações de apoio às autoridades são realizadas todos os dias em muitas cidades.

Neste domingo, a televisão estatal transmitia imagens de manifestações em Rasht e Gazvin (norte), Shahr-e Kord (sul) e Yazd (centro).

Essas mobilizações são uma resposta pública aos agitadores e aqueles que os apoiam, indicou a televisão, à medida que as autoridades culpam Washington, Israel e a Arábia Saudita de incitarem os distúrbios no país ao apoiarem grupos contra-revolucionários.

 

Últimas Notícias

Chega a 73 o número de mortos em explosão no México; feridos somam 74
Forte terremoto de magnitude 6,7 atinge o Chile
Mais de 150 imigrantes se afogam no Mar Mediterrâneo
Brasil e Europa vão ser interligados por novo cabo submarino
Acordo para mudar nome da Macedônia gera protestos em Atenas
Ghosn está disposto a aceitar qualquer condição para obter fiança
Bombeiros buscam pessoa desaparecida depois de tromba dágua no Rio
Mega-Sena acumula de novo e pode pagar R$ 38 milhões na quarta-feira

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212