Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Escritores e um escândalo impulsionaram a Primavera de Praga - Jornal Brasil em Folhas
Escritores e um escândalo impulsionaram a Primavera de Praga


Escritores, como Milan Kundera, e um estranho escândalo contribuíram para que fosse desencadeado um breve período de liberdade em 1968 na Tchecolosváquia comunista, antes que os tanques do Pacto de Varsóvia entrassem em ação.

Este período de socialismo com rosto humano introduzido por Alexander Dubcek, que mais tarde seria chamado de Primavera de Praga, teve origem em um congresso tchecoslovaco de escritores de 1967, segundo a socióloga Jirina Siklova.

Homens de letras, como Kundera e o futuro presidente tcheco, Vaclav Havel, instaram o Partido Comunista (PC) a garantir a liberdade de expressão, abrindo caminho para a própria liberdade.

O PC começou a se dividir e estava claro que algo iria mudar, afirma Siklova, que naquele momento estava afiliada ao partido. A esperança era imensa.

Petr Pithart, que também era comunista naquela época, e depois presidente do Senado (1996-1998 e 2000-2004), recorda as tensões entre tchecos e eslovacos, outro fator que, segundo ele, debilitou o sistema.

Os eslovacos queriam ser tratados como iguais perante os tchecos e entenderam que um choque frontal era sua única opção, aponta.

Em 5 de janeiro de 1968, Alexander Dubcek, um eslovaco, se põe à frente do país como primeiro secretário do PC. Criticado por sua política, o presidente Antonin Novotny, chefe de Estado desde 1957 e do PC desde 1953, teve que lhe ceder o lugar, porque o Comitê Central proibiu que ele acumulasse os dois cargos.

Esta cadeia de eventos criou um ambiente que acelerou muito as coisas, diz Pithart.

- A queda de Novotny -

Novotny abandonou o posto-chave na liderança do PC, a polícia começou a investigar um tráfico de sementes de trevos procedentes dos armazéns do exército. Um dos principais suspeitos era um protegido do presidente, o general Jan Sejna, que o havia organizado para financiar sua vida de luxo e suas amantes. Para evitar a prisão, Sejna foi para a Itália e, daí, aos Estados Unidos, onde obteve asilo político (e forneceu valiosas informações de inteligência militar).

Foi um grande escândalo e em dois ou três dias, todas as barreiras caíram, os meios começaram a falar de tudo, recorda Pithart.

Sejna também foi acusado de ter considerado, junto com outros oficiais conservadores, como o general coronel Vladimir Janko (que se suicidou em 14 de março de 1968), organizar um golpe militar para manter Novotny no poder.

Sua fuga precipitou a queda do presidente, que renunciou em 22 de março de 1968.

De repente, as pessoas descobriram a solidariedade, poderíamos inclusive dizer que estavam dispostos a sacrificar algo. Reinou uma euforia fantástica, diz Pithart.

Foram publicados livros proibidos, como Um Dia na Vida de Ivan Denisovich, de Alexander Solzhenitsyn, foram representadas obras de teatro de Havel e Ionesco e as fronteiras foram abertas. Filmes até então proibidos foram projetados, as pessoas escutavam música moderna e se produziram debates em um tom muito livre.

- Strip-tease -

Até fotos de mulheres nuas apareceram em revistas, e também surgiram os espetáculos de strip-tease.

Mas a invasão do Pacto de Varsóvia rapidamente pôs fim a tudo isso.

Em 21 de agosto, as forças soviéticas, búlgaras, do leste alemão, húngaras e polonesas invadiram a Checoslováquia para restabelecer a ortodoxia comunista e forçar os novos dirigentes a recuarem.

Siklova deixou o PC em 1969, e depois a universidade, para se tornar um varredor.

Passou um ano na prisão, em 1981, quatro anos depois de que a oposição publicou um manifesto chamado Carta 77. Siklova e Pithart o haviam assinado.

Pithart devolveu sua carteirinha do PC em 1969 para protestar contra Dubcek, contra a forma como negociou após a ocupação.

O estudante de Direito que cursou parte da sua formação em Oxford acabou, de repente, sondando águas subterrâneas e vivendo em uma caravana.

Mas hoje, quando relembram 1968, Siklova e Pithart asseguram que a Primavera de Praga foi um sucesso, pois deu um forte golpe à URSS e ao seu prestígio no mundo.

O socialismo com rosto humano ficou nos espíritos como uma alternativa, como uma possibilidade. Não somos obrigados a ter um socialismo do tipo soviético, com seu peso, afirma Siklova.

Para Pithart, o comunismo era apenas um disfarce para a ideia imperial russa, que assumiu uma forma distinta.

O comunismo é passado. Mas devemos temer a Rússia de novo, não porque seja comunista, mas porque milhões de russos estão dispostos a morrer por esta ideia imperial e não há nenhuma outra nação no mundo que seja capaz disso.

 

Últimas Notícias

Centro está preparado para lançamento de foguete após acidente
Cidades brasileiras integram programa de preservação de florestas
MP denuncia ex-marido de corretora assassinada no Rio
Bolsonaro segue estável e internado no Hospital Albert Einstein
Goiás entra para a elite dos Estados mais competitivos do País
Petrobras eleva gasolina em 2 centavos; diesel permanece inalterado
MME faz consulta sobre planejamento da transmissão de energia elétrica
Inadimplência do consumidor subiu 3,63% em agosto

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212