Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


13 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Prefeitura do Rio e Fiocruz investigam causa de surto de hepatite A no Vidigal - Jornal Brasil em Folhas
Prefeitura do Rio e Fiocruz investigam causa de surto de hepatite A no Vidigal


A Prefeitura do Rio de Janeiro coletou água em diversos pontos da favela do Vidigal, na zona sul e enviou para a análise na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), para identificar a fonte do surto de hepatite A registrado na comunidade. Nos últimos dias, 92 casos de suspeita da doença foram notificados no centro municipal de saúde do Vidigal, e 75 foram confirmados.

A análise deverá produzir resultado na próxima quarta-feira. Foram coletadas amostras de poços artesianos, tubulações da Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae), fábricas de gelo e distribuidoras de água, além das casas onde os casos foram confirmados. O prefeito Marcelo Crivella visitou a comunidade na manhã de hoje (8) e pediu atenção às medidas de higiene que ajudam na prevenção da doença.

Coletamos água em diversos pontos, e hoje a hipótese mais provável é que haja contaminação nas águas, disse Crivella, que recomendou medidas como não consumir água de poços e lavar os alimentos com água fervida. Temos que cozer bem os alimentos e lavar as mãos, sermos incansáveis nesses cuidados. O vírus pode ficar quatro horas na pele e mais tempo dentro da água.

A prefeitura também recomendou a vacinação de crianças contra a doença, e Crivella contou que o município conversa com o Ministério da Saúde sobre a possibilidade de vacinar adolescentes e jovens adultos. Entre os casos já confirmados, a maioria é homens com 20 a 30 anos, e a prefeitura destacou que há uma preocupação grande com fábricas de gelo da região.

Tem muita preocupação com a fabrica de gelo. Normalmente, as pessoas usam água de torneira para fazer gelo, porque não trabalham com a hipótese de beber aquela água. Só que, ao lidar com o gelo, as pessoas se contaminam na mão e vão transmitir para outras pessoas que podem cumprimentá-las, disse. O secretário municipal de Saúde, Marco Antonio de Mattos, explicou que diversas hipóteses estão sendo analisadas e reforçou que a principal medida a ser tomada é não consumir água de poços nem de fontes de procedência desconhecida. Ele disse que o número de casos chamou a atenção porque, nos últimos sete anos, foram identificados casos esporádicos de hepatite A na comunidade.

Houve um aumento significativo de casos. Não é uma epidemia de hepatite A, é um surto localizado no Vidigal.

Com três casos na família, a advogada Vânia Fagundes, de 54 anos, procurou o Centro Municipal de Saúde Dr. Rodolpho Perissé para vacinar dois netos. As crianças já estavam vacinadas, mas, com a proximidade de pessoas infectadas, a advogada quis saber se não era possível reforçar a imunização.

Só na minha família já têm três pessoas que contraíram essa doença. Minha tia de 70 anos, minha sobrinha de 20 anos e um rapazinho de 15 anos. A gente consome a mesma água, que é água encanada que vem da rua, disse a avó.

A neta mais velha, de 12 anos, recebeu uma segunda dose da vacina. O mais novo, com três anos, foi considerado imunizado com a dose que já havia tomado antes. Mesmo assim, a recomendação é ter cuidado. Disseram para se precaver fervendo ou comprando a água, mas a gente compra sem saber da procedência. A gente fica preocupado.

Durante a visita do prefeito, moradores da comunidade reclamaram de problemas no posto de saúde. O prefeito reconheceu que há problemas de manutenção no posto de Saúde, como o ar condicionado quebrado, mas disse que não faltam medicamentos.Temos problemas de manutenção. O Rio de Janeiro atravessa uma crise tremenda. São fatores adjacentes que vamos cuidar. Hoje, o mais importante é tratarmos esse surto de hepatite, disse Crivella.

A Companhia Estadual de Águas e Esgotos informou em nota que, desde sexta-feira, realiza testes em diversos pontos da rede na região e não encontrou qualquer anomalia. A Cedae disse ainda que continua realizando testes e acrescentou que na localidade, é comum o consumo de água por outras fontes sem ser o abastecimento da Cedae, como a utilização de garrafões.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212