Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Abr de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Egito terá primeiro turno de presidenciais de 26 a 28 de março - Jornal Brasil em Folhas
Egito terá primeiro turno de presidenciais de 26 a 28 de março


A Comissão Eleitoral anunciou nesta segunda-feira (8) que o primeiro turno das eleições presidenciais no Egito será celebrado entre 26 e 28 de março.

Se for o caso de realização de segundo turno, este será celebrado entre 24 e 26 de abril, informou em coletiva de imprensa Lasheen Ibrahim, encarregado da autoridade eleitoral.

Ibrahim informou que a Comissão aceitará os pedidos de candidatura entre 20 e 29 de janeiro.

Por enquanto não há nenhum candidato oficialmente declarado, incluindo o atual presidente Abdel Fatah al Sissi. Este disse recentemente que não se apresentaria a um terceiro mandato em 2022, dando a entender que seria, sim, candidato à reeleição este ano.

O grande adversário de Al Sissi, o ex-primeiro-ministro Ahmed Shafiq, anunciou no domingo que não será candidato.

Outras duas personalidades anunciaram em novembro a intenção de se candidatar. Mas desde então, um deles, o coronel Ahmed Konsowa, foi condenado à prisão. E a candidatura do outro, o famoso advogado de defesa dos direitos humanos, Khaled Ali, é incerta, devido a uma ação judicial ainda em curso de apelação.

A campanha presidencial começará oficialmente em 24 de fevereiro e terminará em 23 de março.

Ibrahim prometeu que o pleito respeitará os princípios de independência, neutralidade, integridade, transparência, eficácia e profissionalismo em um Egito comandado com mão-de-ferro pelo regime de Al Sissi.

Ex-chefe de estado-maior conjunto das Forças Armadas, Al Sissi foi eleito presidente em 2014, um ano depois de ter liderado um golpe militar para depor o presidente islamita Mohamed Mursi.

Esta será a terceira eleição presidencial desde a queda do ditador Hosni Mubarak, em 2011.

Há meses, jornalistas e analistas se questionam sobre a falta de concorrentes de Al Sissi, que chegou ao poder há quatro anos com 96,9% de votos em uma eleição sem oposição séria, nem grandes temas de campanha.

Seu regime, que transformou a luta contra o terrorismo em uma prioridade, é criticado regularmente pelas organizações de defesa dos direitos humanos.

No âmbito econômico, o governo empreendeu reformas mais amplas, entre elas a desvalorização e posterior flutuação da libra egípcia, que perdeu metade de seu valor com relação ao dólar.

Estas reformas foram aplaudidas pelos parceiros internacionais do Egito, a começar pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), que em 2016 lhe concedeu empréstimos de 12 bilhões de dólares em três anos.

Mas a população se queixa de uma inflação galopante e de cortes drásticos nas subvenções estatais.

 

Últimas Notícias

Ex-presidente do Peru tenta se matar ao receber ordem de prisão
Ex-presidente do Peru está em estado grave após tentativa de suicídio
Governo argentino lança pacote de medidas para combater inflação
PRF apreende no Rio 300 mil maços de cigarros contrabandeados
Famílias de baixa renda de Brumadinho recebem auxílio emergencial
Governo autoriza uso da Força Nacional para segurança na Esplanada
Chega a 18 número de mortos no desabamento no Rio de Janeiro
Fachin pede manifestação de Moraes sobre inquérito de fake news

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - EXPEDIENTE