Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Jan de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Papa deseja que eleições permitam à Venezuela sair da crise - Jornal Brasil em Folhas
Papa deseja que eleições permitam à Venezuela sair da crise



O papa Francisco manifestou sua preocupação pela crise na Venezuela e defendeu que as eleições sejam o início da solução à crise neste país, em sua tradicional saudação ao corpo diplomático nesta segunda-feira (8).

Em seu longo discurso ante os 183 embaixadores e representantes creditados na Santa Sé, o papa argentino analisou vários focos de conflito que ameaçam o mundo e se referiu em particular à situação na Venezuela.

Penso especialmente na querida Venezuela, que atravessa uma crise política e humanitária cada vez mais dramática e sem precedentes, assinalou.

A Santa Sé, enquanto pede que respondam sem demora às necessidades básicas da população, deseja que sejam criadas condições para que as eleições previstas durante o ano em curso consigam dar início à solução dos conflitos existentes, e possam olhar para o futuro com serenidade renovada, destacou.

Francisco tem multiplicado os seus apelos a favor do diálogo na Venezuela nos últimos dias, inclusive no Natal, e vê com bons olhos a terceira rodada de conversas que será realizada em 11 e 12 de janeiro em Santo Domingo, indicaram fontes religiosas.

O chefe da igreja católica da Venezuela, monsenhor Diego Padrón, também advogou no dia anterior por um acordo confiável, ponderado e realizável nas negociações entre o governo de Nicolás Maduro e a oposição, que se apresenta rachada.

Francisco, que empreende este mês uma viagem ao Chile e ao Peru, recordou sua histórica visita à Colômbia em setembro.

Por último, na Colômbia desejei bendizer os esforços e a valentia desse povo amado, marcado por um vivo anseio de paz após mais de meio século de conflito interno, afirmou.

- A monstruosa lógica da guerra -

Em seu discurso pronunciado na imponente Sala Régia do Vaticano, o pontífice pediu respeito aos direitos humanos no mundo e condenou como monstruosa a lógica da guerra.

Um fato qualquer imprevisível pode inesperadamente provocar o incêndio bélico, alertou.

Francisco reiterou a posição da Santa Sé de que toda diferença deve ser resolvida não com armas e sim por meio de negociações.

Na era atômica, a guerra não pode ser usada como instrumento de justiça, assegurou ao analisar a situação mundial.

O papa também fez um apelo pelos refugiados e pediu à comunidade internacional para que trabalhe a fim de que possam retornar aos seus países.

O chefe da Igreja Católica pediu aos europeus que cultivem a cultura da acolhida, que tentem descobrir sua bagagem cultural e animou os países a lutar contra a pobreza, tanto material como espiritual, e a edificar a paz e construir pontes.

Em seu discurso aos embaixadores, o papa pediu que não esqueçam do continente africano, e advertiu que não basta se indignar com tanta violência.

- Coreia do Norte e Jerusalém -

Entre os focos de conflito citados pelo pontífice figura o da península coreana, onde o mundo, segundo ele, deve apoiar todos os esforços de diálogo a fim de encontrar novas vias para que sejam superadas as atuais confrontações.

Um impulso indireto ao excepcional encontro previsto para terça-feira entre Coreia do Sul e Coreia do Norte após dois anos de silêncio.

Francisco também recordou as resoluções das Nações Unidas para que se respeite o status de Jerusalém e alertou que 70 anos de enfrentamentos obrigam que se encontre uma solução política que permita a presença na região de dois Estados independentes dentro das fronteiras internacionalmente reconhecidas.

- O direito ao trabalho e o cuidado da Terra -

O papa latino-americano, muito sensível à questão social, também falou do direito ao trabalho, um bem escasso em muitos países, e criticou os modelos econômicos orientados para a mera ganância e exploração dos mais fracos, como são as crianças, lamentou.

Condenou os ritmos de trabalho estressantes, a redução progressiva dos dias e tempos de descanso, o flagelo do trabalho infantil, da violência doméstica e a queda da natalidade, entre tantos males da era moderna.

Chamou com urgência a enfrentar de forma coletiva o cuidado da Terra, frear o aquecimento global e reduzir as emissões de gases nocivos.

 

Últimas Notícias

Representantes das Coreias discutem show nos Jogos de Inverno
Morte de Dolores ORiordan cala uma das grandes vozes irlandesas
Morreu Dolores ORiordan, cantora irlandesa do Cranberries
Morre Dolores ORiordan, vocalista da banda irlandesa Cranberries
Moda masculina desembarca em Paris, ofuscada por acusações de assédio
Líbano proíbe exibição de dois filmes por boicote a Israel
Diane Krüger diz que em Hollywood homens têm medo após caso Weinstein
Vocalista do Cranberries, Dolores ORiordan morre aos 46 anos

MAIS NOTICIAS

 

Tantas pontuações já não significam nada, afirma premiado chef francês
 
 
Leonardo DiCaprio protagonizará filme de Tarantino sobre Charles Manson
 
 
DiCaprio vai estrelar filme de Tarantino sobre assassinatos de Charles Manson
 
 
Palestinos buscam dar uma resposta a Trump sobre Jerusalém
 
 
Países e organizações indignados com Trump por declarações racistas
 
 
Oliver Stone assina petição para que Lula possa disputar eleição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 4018-8212