Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Abr de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Venezuela teve inflação de 2.616% e queda do PIB de 15% em 2017, diz Parlamento - Jornal Brasil em Folhas
Venezuela teve inflação de 2.616% e queda do PIB de 15% em 2017, diz Parlamento


A Venezuela fechou 2017 com uma inflação de 2.616% e uma queda do Produto Interno Bruto (PIB) de 15%, segundo cálculos de uma comissão especializada do Parlamento, de maioria opositora.

O índice de inflação para dezembro (passado) foi de 85%, com uma inflação acumulada em 2017 de 2.616%, indicou à imprensa nesta segunda-feira o deputado opositor Rafael Guzmán.

A Venezuela ainda teve uma queda do PIB de 15% no ano passado, afirmou o legislador, membro da Comissão de Finanças do Parlamento, que divulga indicadores econômicos - já que o Banco Central não os publica há dois anos.

A indústria petroleira - responsável por 96% da receita do país - produz 1,9 milhão de barris diários, segundo a última cifra oficial divulgada. A redução da produção foi de mais de 400 mil barris diários no ano passado, segundo o Parlamento.

O governo, que não reconhece o Parlamento, culpa o colapso dos preços do petróleo e uma guerra econômica de empresários de direita pela grave crise.

Em 2017, Maduro anunciou seis aumentos salariais, o último, em 31 de dezembro, que definiu o salário mínimo integral (salário mais bônus alimentar) em 797.510 bolívares (238 dólares na taxa oficial e seis dólares no mercado negro).

Não há aumento salarial que possa combater esta situação, disse Guzmán, observando que a Venezuela é o único país do mundo com hiperinflação.

O deputado José Guerra, presidente do Comitê de Finanças, disse que para interromper a hiperinflação é preciso desmantelar o sistema de controle cambial vigente há 15 anos, no qual o governo monopoliza as moedas.

Diante da falta de dólares, muitos empresários recorrem ao mercado negro para operar seus negócios, disparando os os preços de bens e serviços.

De acordo com Guerra, o Banco Central deve parar a impressão de dinheiro inorgânico, e o governo precisa refinanciar a dívida externa, estimada em cerca de 150 bilhões de dólares.

Estamos falando de uma inflação que pode passar de 10.000% se o Banco Central continuar financiando o governo, afirmou Guerra.

Segundo o FMI, a inflação da Venezuela vai chegar a 2.350% em 2018. O organismo estimou uma queda do PIB de 12% em 2017 e de 6% para o próximo ano.

 

Últimas Notícias

Ex-presidente do Peru tenta se matar ao receber ordem de prisão
Ex-presidente do Peru está em estado grave após tentativa de suicídio
Governo argentino lança pacote de medidas para combater inflação
PRF apreende no Rio 300 mil maços de cigarros contrabandeados
Famílias de baixa renda de Brumadinho recebem auxílio emergencial
Governo autoriza uso da Força Nacional para segurança na Esplanada
Chega a 18 número de mortos no desabamento no Rio de Janeiro
Fachin pede manifestação de Moraes sobre inquérito de fake news

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - EXPEDIENTE