Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Venezuela teve inflação de 2.616% e queda do PIB de 15% em 2017, diz Parlamento - Jornal Brasil em Folhas
Venezuela teve inflação de 2.616% e queda do PIB de 15% em 2017, diz Parlamento


A Venezuela fechou 2017 com uma inflação de 2.616% e uma queda do Produto Interno Bruto (PIB) de 15%, segundo cálculos de uma comissão especializada do Parlamento, de maioria opositora.

O índice de inflação para dezembro (passado) foi de 85%, com uma inflação acumulada em 2017 de 2.616%, indicou à imprensa nesta segunda-feira o deputado opositor Rafael Guzmán.

A Venezuela ainda teve uma queda do PIB de 15% no ano passado, afirmou o legislador, membro da Comissão de Finanças do Parlamento, que divulga indicadores econômicos - já que o Banco Central não os publica há dois anos.

A indústria petroleira - responsável por 96% da receita do país - produz 1,9 milhão de barris diários, segundo a última cifra oficial divulgada. A redução da produção foi de mais de 400 mil barris diários no ano passado, segundo o Parlamento.

O governo, que não reconhece o Parlamento, culpa o colapso dos preços do petróleo e uma guerra econômica de empresários de direita pela grave crise.

Em 2017, Maduro anunciou seis aumentos salariais, o último, em 31 de dezembro, que definiu o salário mínimo integral (salário mais bônus alimentar) em 797.510 bolívares (238 dólares na taxa oficial e seis dólares no mercado negro).

Não há aumento salarial que possa combater esta situação, disse Guzmán, observando que a Venezuela é o único país do mundo com hiperinflação.

O deputado José Guerra, presidente do Comitê de Finanças, disse que para interromper a hiperinflação é preciso desmantelar o sistema de controle cambial vigente há 15 anos, no qual o governo monopoliza as moedas.

Diante da falta de dólares, muitos empresários recorrem ao mercado negro para operar seus negócios, disparando os os preços de bens e serviços.

De acordo com Guerra, o Banco Central deve parar a impressão de dinheiro inorgânico, e o governo precisa refinanciar a dívida externa, estimada em cerca de 150 bilhões de dólares.

Estamos falando de uma inflação que pode passar de 10.000% se o Banco Central continuar financiando o governo, afirmou Guerra.

Segundo o FMI, a inflação da Venezuela vai chegar a 2.350% em 2018. O organismo estimou uma queda do PIB de 12% em 2017 e de 6% para o próximo ano.

 

Últimas Notícias

John Forman recusa cargo no Conselho de Administração da Petrobras
Em visita oficial, Macri é recebido no Planalto por Bolsonaro
Mercado financeiro prevê inflação em 4,02% neste ano
Consultas de CPFs para vendas a prazo no comércio crescem 2,8%
Produção de bicicletas aumenta 15,9% no Brasil
Receita abre consulta a restituição do Imposto de Renda de 2008 a 2018
Ex-comandante da Marinha é indicado para o conselho da Petrobras
Inflação para idosos fecha 2018 em 4,75%, informa FGV

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212