Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 EUA investigará sua reação a ataques em sua embaixada em Cuba - Jornal Brasil em Folhas
EUA investigará sua reação a ataques em sua embaixada em Cuba


O governo dos Estados Unidos estabelecerá uma comissão para investigar a reação do Departamento de Estado aos supostos ataques contra os funcionários de sua missão diplomática em Havana, apontaram nessa terça-feira (9) fontes convergentes.

O Comitê das Relações Exteriores do Senado discutiu em uma audiência nesta terça-feira o estado das investigações sobre o ocorrido com 24 funcionários da embaixada americana em Havana e a resposta do Departamento de Estado a essa situação.

O presidente desse Comitê, o senador cubano-americano Marco Rubio, alegou que a comissão de revisão deveria ter sido ordenada já no começo do ano passado, quando se verificaram os primeiros casos de funcionários da embaixada com sintomas fora do normal.

O Departamento de Estado não seguiu a lei, ao não ter determinado essa revisão já no ano passado, disse Rubio.

Durante a audiência, três funcionários do Departamento de Estado disseram que as as investigações sobre o ocorrido em Cuba continuam, e concordaram en que se tratou de algum tipo de ataque.

Rubio afirmou nesta terça-feira que é irrelevante saber se os ataques foram realizados com algum dispositivo acústico ou de micro-ondas.

No fim do dia soubemos que houve um ataque e que houve lesões a 24 americanos trabalhando e vivendo em Havana como parte da embaixada, disse.

O ocorrido é resultado de uma tecnologia sofisticada. Francamente, tão sofisticada que nós ainda não a entendemos, acrescentou.

Rubio mencionou a possibilidade de que os ataques tenham sido perpetrados por grupos autônomos dentro do governo cubano, mas disse não ter provas sobre isso.

Os cubanos sabem quem foram os responsáveis, porque vigiam todos, todos os dias, assegurou.

Para Rubio, os responsáveis por esses ataques querem introduzir fricções nas relações bilaterais, e além disso se trata de um grupo com capacidade tecnológica e experiência para isso.

Cuba nega a responsabilidade nos episódios, e seu governo informou, ao fim de uma rigorosa investigação, não ter encontrado qualquer indício de que esses episódios tenham acontecido.

Segundo o Departamento de Estado, os primeiros ataques aconteceram em novembro de 2016, pouco depois das eleições presidenciais americanas, e os últimos foram registrados em agosto do ano passado.


 

Últimas Notícias

John Forman recusa cargo no Conselho de Administração da Petrobras
Em visita oficial, Macri é recebido no Planalto por Bolsonaro
Mercado financeiro prevê inflação em 4,02% neste ano
Consultas de CPFs para vendas a prazo no comércio crescem 2,8%
Produção de bicicletas aumenta 15,9% no Brasil
Receita abre consulta a restituição do Imposto de Renda de 2008 a 2018
Ex-comandante da Marinha é indicado para o conselho da Petrobras
Inflação para idosos fecha 2018 em 4,75%, informa FGV

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212