Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Irlanda do Norte completa um ano sem governo - Jornal Brasil em Folhas
Irlanda do Norte completa um ano sem governo


A província britânica da Irlanda do Norte, cenário há 20 anos de um sangrento conflito sectário, completa um ano sem governo pela incapacidade dos principais partidos unionista e republicano de formar uma coalizão.

O Partido Unionista Democrático (DUP), que defende a permanência no Reino Unido, e o Sinn Féin, inclinado a se unir à Irlanda, são obrigados a governar em uma coalizão nos termos dos acordos de paz de 1998.

No entanto, desde a renúncia do vice-primeiro-ministro Martin McGuinness, em 9 de janeiro de 2017, não conseguem chegar a um consenso.

As duas formações ignoram o discurso comunitário, ainda mais com o Brexit, porque são incapazes de formular uma política comum sobre a saída da União Europeia, estima John Coakley, professor de história da Universidade Queens de Belfast.

No referendo de junho de 2016, o DUP pediu o voto a favor da saída da UE, enquanto o Sinn Féin defendeu a permanência.

No final, os norte-irlandeses votaram a favor da continuação na UE, mas serão arrastados para fora do bloco europeu porque o país decidiu pelo Brexit.

Assim, e aproveitando sua nova posição de força desde que garantiu a sobrevivência parlamentar do governo conservador de Theresa May, o DUP se opôs fortemente à ideia de um status especial para a Irlanda do Norte que impede a reinstalação de uma fronteira física com a Irlanda, o que atrasou um acordo Londres-Bruxelas sobre a primeira fase das negociações.

- Antagonismo tradicional -

Esta influência dos unionistas irrita o Sinn Féin, que enfrenta um dilema, segundo o professor Coakley: repetir o governo com o DUP, dando-lhe mais poder, ou persistir em sua recusa e decepcionar os eleitores.

O povo da Irlanda do Norte vê com inquietação a falta de governo regional, apesar da realização de eleições em março, e como isso poderia levar à tomada de controle dos assuntos da província por Londres, como aconteceu quatro vezes desde os acordos da Sexta-feira Santa.

Em sua mensagem de fim de ano, Arlene Foster, líder do DUP, declarou que a intervenção na autonomia seria uma alternativa pior para os norte-irlandeses do que encontrar um consenso, uma vez que ao menos alguém estaria no poder fora de Londres.

Os republicanos, enquanto isso, defendem um governo temporário conjunto de Londres e Dublin se as negociações não prosperarem.

As discussões estão paralisadas pelas várias reivindicações do Sinn Féin, que exige a aprovação do casamento homossexual e o reconhecimento da língua irlandesa, pontos que Foster considera linhas vermelhas.

Para John Coakley, não são essas as questões que bloqueiam o acordo, mas o antagonismo tradicional entre as partes leais ao Reino Unido e aqueles a favor da reunificação com a Irlanda.

Os dois partidos enfrentam o descontentamento do público e, deste ponto de vista, têm muito a perder, advertiu o historiador, que vê um acordo possível dado que outras tensões foram superadas no passado.

As negociações serão retomadas em janeiro, mas a renúncia na segunda-feira do ministro para a Irlanda do Norte, James Brokenshire, substituído pela então secretária de Estado da Cultura Karen Bradley, poderia atrasar o processo, porque corresponde ao representante de Londres organizar a mediação entre ambos os campos.

 

Últimas Notícias

Mercado financeiro prevê inflação em 4,02% neste ano
Consultas de CPFs para vendas a prazo no comércio crescem 2,8%
Battisti ficará em isolamento por um ano em prisão na Sardenha
CNN Brasil será lançado neste ano
Toffoli nega habeas corpus preventivo para Battisti
ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212