Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


22 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Macron termina primeira visita à China com apelo de união à Europa - Jornal Brasil em Folhas
Macron termina primeira visita à China com apelo de união à Europa


O presidente francês Emmanuel Macron concluiu, nesta quarta-feira, sua visita à China com um pedido de coesão à Europa diante da potência de fogo do gigante asiático.

Pouco antes do fim da visita, o governo chinês fez um pedido de 184 aviões Airbus A320 destinados a 13 companhias aéreas. O montante do contrato não foi revelado, mas chegaria a pelo menos US$ 18 bilhões, considerando o preço de catálogo.

A visita de três dias do presidente francês foi claramente marcada pela iniciativa chinesa das Novas Rotas da Seda, projeto colossal de investimento em infraestrutura de transportes voltado para a Europa, que, no entanto, desperta temores de que o regime comunista amplie sua influência no Ocidente.

Entre os objetivos de Pequim, estão vários países do leste ao sul do continente, dispostos a aceitar os investimentos inclusive em setores estratégicos, como a Grécia, que vendeu à China o porto de Pireu.

Alguns países são muito mais abertos aos interesses chineses, às vezes em detrimento do interesse europeu. Não podemos censurá-los, já que às vezes forçamos eles a fazer privatizações muito duras, opinou Macron nesta quarta-feira, em uma coletiva de imprensa.

Por isso, ele quer que os países da União Europeia se unam frente a Pequim e privilegiem o interesse europeu acima do nacional, a curto prazo.

- Não padecer -

Deveremos definir uma posição comum em nível europeu diante das rotas da seda, já que não podemos ignorar essa iniciativa, pois isso nos obrigaria a padecer a ela, o que seria um profundo erro estratégico, disse Macron, que admitiu que a iniciativa divide a UE.

A China não pode respeitar um continente em que parte dos Estados abre totalmente suas portas e onde é fácil leiloar infraestruturas essenciais. Por isso, quando a França ou a Europa defendem seus setores estratégicos, isso é bom para nós e para o diálogo, garantiu.

A terça-feira foi marcada pela cúpula entre Macron e o presidente chinês Xi Jinping no Palácio do Povo. Eles assinaram diversos acordos comerciais bilionários.

Os dois países assinaram um acordo para que o grupo francês Areva construa na China uma fábrica de tratamento de resíduos radioativos no valor de 12 bilhões de dólares.

Também foi acertado que Pequim vai levantar o embargo imposto à carne bovina francesa em 2001, pela crise da vaca louca.

Os dois países ainda concordaram sobre a abertura de uma sucursal do Centro Pompidou de arte contemporânea em Xangai.

- Direitos humanos espinhosos -

Sobre o espinhoso tema dos direitos humanos na China, Macron disse que não quer dar lições porque seria totalmente ineficaz.

Posso aproveitar para dar lições à China, falando com a imprensa francesa. Isso já aconteceu muitas vezes. Não dá qualquer resultado, disse aos jornalistas.

A ONG Human Rights Watch (HRW) havia pedido a Macron que reivindicasse publicamente do presidente Xi que o país fizesse melhoras nesse âmbito. A organização citava o caso de Liu Xia, a viúva do falecido prêmio Nobel da Paz Liu Xiaobo. Ela se encontra em prisão domiciliar sem ter sido condenada oficialmente.

 

Últimas Notícias

Furto de combustível causou explosão que matou ao menos 66 pessoas
Sobe para 399 número de presos por ataques no Ceará
Migrantes desaparecidos em naufrágio no Mediterrâneo já são 114
Aniversário de São Paulo terá programação com diversidade de ritmos
Mais de 600 pessoas levavam gasolina na hora da explosão de oleoduto
Pré-carnaval movimenta foliões nas ruas do Rio
Brasil expressa condolências às famílias das vítimas no México
Marcha das Mulheres reúne milhares pelo mundo

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212