Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


23 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Países do sul da Europa decidem em Roma encarar juntos desafios da imigração - Jornal Brasil em Folhas
Países do sul da Europa decidem em Roma encarar juntos desafios da imigração


Os líderes de sete países do sul da Europa chegaram a um acordo nesta quarta-feira, em Roma, para enfrentarem juntos o desafio das migrações em massa para o velho continente.

O presidente francês, Emmanuel Macron, que acabava de chegar da China, reconheceu para a imprensa a forte visão comum entre os países do sul da Europa sobre dois temas-chave: o futuro da União Europeia e a crise migratória.

Os chefes de Estado e de governo desses países (Itália, França, Espanha, Portugal, Grécia, Chipre e Malta) assinaram uma declaração na qual se comprometem a defender uma política europeia comum sobre a imigração.

Os países do sul, incluindo Itália e Grécia, lamentam a reticência de alguns de seus aliados na Europa, como Polônia ou República Tcheca, a receber os imigrantes que desembarcam em suas terras.

Devemos lutar juntos para estabelecer uma política de imigração que seja comum e que seja solidária, especialmente com os países que recebem importantes fluxos migratórios, assegurou o primeiro ministro grego, Alexis Tsipras, durante uma coletiva de imprensa conjunta.

Foi a quarta mini-cúpula com esse formato, iniciado em setembro de 2016 pelo primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras. Outras duas reuniões foram celebradas em 2017, em Lisboa, em janeiro, e em Madri, em abril.

Ao fim da primeira rodada de negociações, os sete países defenderam fazer um esforço decidido para estabelecer um sistema de refúgio europeu comum, baseado na solidariedade, sem chegar a mencionar o controverso tema das cotas por países para a recepção de imigrantes, rejeitado por alguns Estados da Europa Oriental.

- Estadísticas macabras -

Para a Itália, 2017 foi um ano de mudanças: o país passou de um fluxo maciço de imigrantes no primeiro semestre a um início de imigração controlada, graças a acordos controversos com a Líbia que limitaram as chegadas a 119.000, 35% menos que em 2016.

Na Espanha, os argelinos e marroquinos aumentaram o volume de chegadas às costas do país, que passaram de 6.000 em 2016 a 23.000 imigrantes em 2017.

Na Grécia, o acordo entre a UE e a Turquia limitou o número de chegadas a 28.800 pessoas, seis vezes menos que em 2016.

Paralelamente, o número de emigrantes mortos ou desaparecidos no mar Mediterrâneo passou de cerca de 5.000 em 2016 a 3.116 em 2017, a maioria em frente às costas da Líbia.

Mas este início de ano tem estatísticas especialmente macabras. Entre 90 e 100 emigrantes desapareceram no Mediterrâneo após o naufrágio do seu bote inflável em frente a costa da Líbia, revelou na terça-feira a noite a marinha do país africano.

- Melhor distribuição -

A Grécia abriga mais de 50.000 imigrantes e refugiados, 14.000 deles amontoados em campos das ilhas do mar Egeu.

Na Itália, as autoridades deixaram de informar o número de solicitantes de asilo abrigados em seus centros de acolhida. O último número era de 200.000 na primavera boreal. Isso gera tensões com a população local, e a imigração se tornou um dos assuntos favoritos dos partidos populistas e de extrema direita antes as eleições legislativas italianas de 4 de março.

Nesse contexto, os países do sul da UE defendem uma melhor divisão da carga migratória dentro da União, diante do consequente encargo econômico e político.

O ministro italiano do Interior, Marco Minniti, artífice dos acordos - elogiados por Bruxelas - com as autoridades líbias para impedir que os emigrantes tentem chegar à Europa pelo mar, advertiu que a UE também deve participar, como a Itália, em sua política humanitária.

Três dias antes do Natal, a Itália foi o primeiro país a acolher um grupo de 162 refugiados etíopes, somalis e iemenitas, que chegaram em avião diretamente da Líbia. Segundo Minniti, 10.000 refugiados chegarão desta mesma forma em 2018, com a condição de que sejam distribuídos dentro da UE.

O presidente francês, Emmanuel Macron, cujo país registra um aumento significativo de solicitações de asilo, prolongará sua estadia em Roma e abordará o assunto na quinta-feira com as autoridades italianas.

 

Últimas Notícias

Polícia Federal faz operação contra fraude no seguro-desemprego
Soldado que estava internado há dois dias é 79º policial morto no Rio
MEC libera R$ 8,9 milhões para obras emergenciais no Museu Nacional
Dia da Árvore: desmatamento vem caindo, mas ainda há desafios
Tite convoca seleção para jogos amistosos na Arábia Saudita
UFRJ assina contrato para obras emergenciais no Museu Nacional
Especialistas alertam para alta incidência de raios durante primavera
Eu acredito na educação, diz professor agredido por alunos no Rio

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212