Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Presidente sul-coreano quer realizar cúpula com a Coreia do Norte - Jornal Brasil em Folhas
Presidente sul-coreano quer realizar cúpula com a Coreia do Norte


O presidente sul-coreano, Moon Jae-In, mostrou-se disposto nesta quarta-feira (10) a realizar uma cúpula com a Coreia do Norte, um dia depois de um encontro excepcional entre representantes dos dois países.

Depois de dois anos de crescentes tensões na península coreana devido à intensificação dos programas nuclear e balístico de Pyongyang, a situação se apaziguou repentinamente no início de 2018.

O presidente sul-coreano, que foi eleito em maio com uma mensagem em favor do diálogo com o Norte, voltou a defender a opção diplomática para resolver um dos assuntos mais delicados do mundo.

Sob as condições apropriadas, posso celebrar uma cúpula a qualquer momento. Mas não podemos fazer uma reunião por fazer uma reunião. Para celebrar uma reunião devem ser criadas as condições adequadas e devem ser garantidos alguns resultados, acrescentou.

O presidente sul-coreano também voltou a defender a desnuclearização da península como caminho para a paz e seu principal objetivo.

Temos que prosseguir com os esforços para celebrar Jogos Olímpicos pacíficos. Temos que resolver pacificamente a questão nuclear norte-coreana, declarou Moon.

Ainda nesta quarta, o presidente Donald Trump conversou com seu colega sul-corano por telefone e disse estar aberto à realização de conversações diretas entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte.

Durante a ligação, Trump disse estar disposto a discutir com Pyongyang no momento apropriado e sob circunstâncias apropriadas.

No entanto, os dois líderes destacaram a importância de continuar aplicando a máxima pressão à Coreia do Norte por causa de seu programa nuclear, segundo um comunicado da Casa Branca.

- Jogos da paz -

Na terça, ficou acertado que a Coreia do Norte vai enviar atletas e uma delegação de alto escalão aos Jogos de Inverno na Coreia do Sul.

A parte norte-coreana vai enviar uma delegação do Comitê Olímpico Nacional, atletas, torcedores, um grupo de artistas, uma equipe de demonstração de Taekwondo e um serviço de imprensa, anunciaram os dois países em um comunicado conjunto após o encontro bilateral.

Os Estados Unidos parabenizaram o diálogo entre as duas Coreias, apesar de precisarem que estariam atentos sobre as sanções impostas pelo Conselho de Segurança da ONU.

Seul e Pyongyang também concordaram em diminuir a tensão militar atual e manter discussões militares sobre a questão.

O Sul também aproveitou este primeiro encontro em mais de dois anos para solicitar um encontro das famílias separadas pela guerra (1950-53), um dos legados mais dolorosos do conflito.

Os dois lados também decidiram restabelecer a linha telefônica militar que foi cortada em fevereiro de 2016, a fim de melhorar a comunicação entre os Exércitos desses dois países ainda tecnicamente em guerra.

As discussões foram realizadas em Panmunjom, vilarejo onde o cessar-fogo da Guerra da Coreia foi assinado, na Zona Desmilitarizada (DMZ) que divide a península.

A delegação norte-coreana cruzou a pé linha de demarcação militar para ir à Casa da Paz, o lugar de encontro do lado sul-coreano, a poucos metros de onde um soldado desertou há dois meses, sob uma chuva de balas.

O ministro sul-coreano da Unificação, Cho Myoung-Gyon, e o chefe da delegação norte-coreana Ri Son-Gwon apertaram as mãos antes de entrar no edifício.

Junto com seus atletas, o Norte propôs enviar aos Jogos de Pyeongchang (9 a 25 de fevereiro) uma delegação de alto nível, torcedores, artistas e uma equipe de demonstração de taekwondo, segundo explicou à imprensa o vice-ministro sul-coreano da Unificação, Chun Hae-Sung.

Seul também apelou para a retomada das reuniões familiares, bem como para conversas entre a Cruz Vermelha dos dois países e discussões militares para evitar confrontos acidentais.

Nos últimos dois anos, a situação na península se deteriorou, o Norte conduziu três novos testes nucleares e multiplicou seus disparos de mísseis.

Seul se esforça para apresentar os Jogos Olímpicos, que vão acontecer a apenas 80 km da DMZ, como as Olimpíadas da Paz, mas para que a frase faça sentido, a participação do Norte é essencial.

Resta saber se os representantes de ambos os países farão uma entrada conjunta nas cerimônias de abertura e encerramento, como em Sydney em 2000, Atenas em 2004 e Turim em 2006.

Apenas dois atletas norte-coreanos se qualificaram para os Jogos, mas o Norte deve enviar ao Sul um grande contingente de torcedores, de acordo com especialistas.

 

Últimas Notícias

Bolsonaro terá uma série de reuniões na próxima semana em Brasília
Com pênalti controverso, Brasil vence Uruguai por um a zero
Brasil está preparado para substituir médicos cubanos, afirma Temer
Chega a quatro número de vítimas das chuvas em Belo Horizonte
Estudantes poderão renovar o Fies até o dia 23
Massoterapeuta Dani Bumbum deixa prisão no Rio
Cervejas terão rótulos com os ingredientes usados na fabricação
Temporal causa mortes e estragos em BH; adolescente está desaparecida

MAIS NOTICIAS

 

Morre em Pelotas o criador da camisa canarinho, Aldyr Schlee
 
 
Brasil concentrou 40% dos feminicídios da América Latina em 2017
 
 
Jungmann e Toffoli anunciam sistema para unificar processos de presos
 
 
Pensamento liberal deve guiar a equipe econômica de Bolsonaro
 
 
Gold3-4 minutosfajn permanecerá à frente do BC até Senado aprovar Campos Neto
 
 
Senado argentino aprova orçamento de 2019 como prometeu ao FMI

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212