Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


15 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Jihadistas e rebeldes fazem resistência feroz a forças do regime sírio em Idlib - Jornal Brasil em Folhas
Jihadistas e rebeldes fazem resistência feroz a forças do regime sírio em Idlib


Os jihadistas sírios mostraram nesta quinta-feira (11) uma forte resistência às forças do regime, que tentam retomar o controle de uma base militar estratégica na província de Idlib, no noroeste do país em guerra.

Milhares de pessoas fugiram, desde o começo de dezembro, por causa dos combates na região, onde o regime avança em uma ofensiva lançada em 25 de dezembro.

No sudeste de Idlib está o aeroporto militar de Abu Duhur. As tropas do presidente Bashar Al Assad conseguiram entrar ali na noite de quarta, com apoio crucial da aviação síria e de seu aliado russo.

O aeroporto está sob controle do Hayat Tahrir al-Sham, um grupo jihadista dominado pela ex-facção da Al-Qaeda na Síria.

Este aeroporto é de importância estratégica para as autoridades sírias: recuperar seu controle permitirá que tenha uma base militar na província - a única que ainda não controla totalmente.

Mas depois de entrar no aeroporto, localizado no sudeste da província, as forças governamentais enfrentam a resistência feroz dos jihadistas e rebeldes islamitas, de acordo com o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH).

Na manhã desta quinta-feira, Hayat Tahrir al-Sham e seus aliados também lançaram uma ofensiva contra as bases de retaguarda das forças do regime, dezenas de quilômetros ao sul do aeroporto, de acordo com o diretor da OSDH, Rami Abdel Rahman.

- Deslocados e sem-teto -

A operação no sudeste da Idlib, com apoio aéreo de seu aliado russo, foi lançada em 25 de dezembro para reconquistar o sudeste de Idlib.

Ela foi realizada juntamente com outra operação na província vizinha de Hama e permitiu que o regime retomasse dezenas de aldeias e localidades, de acordo com o OSDH.

Os últimos combates na base, deixaram 26 mortos entre jihadistas e 15 entre os combatentes do regime, segundo a mesma fonte.

Cerca de 96 civis, incluindo 27 crianças, morreram desde 25 de dezembro nos ataques aéreos do regime sírio ou da Rússia em Idlib, de acordo com o OSDH.

O objetivo é conquistar o sudesta da província, onde estão presentes grupos rebeldes, para proteger uma estrada que liga Aleppo, a segunda maior cidade do país, até a capital Damasco.

O regime perdeu o controle do aeroporto no final de 2015, após um cerco de dois anos imposto pelos jihadistas. Desde então, sua presença na província se limitava a duas aldeias xiitas, Fua e Kafraya.

Alguns grupos rebeldes mantêm uma presença em Idlib e, apesar das diferenças com os jihadistas, uniram forças para lutar contra as forças de Bashar al-Assad.

A violência provocou um deslocamento importante da população: desde o início de dezembro, quase 100 mil pessoas fugiram dos combates, segundo o Escritório de Assuntos Humanitários das Nações Unidas.

Muitos (deslocados) estão desabrigados, o que poderia expô-los a muitos riscos, especialmente durante o inverno, advertiu a organização.

O responsável da ONU para assuntos humanitários, Mark Lowcock, conclui nesta quinta-feira uma visita à Síria e se disse profundamente preocupado com o destino dos civis na região.

- Irritação em Ancara -

As pessoas deslocadas com frequência se instalam em barracas de campanha improvisadas, ou até em casas abandonadas ou em construção, segundo a ONG International Rescue Committee.

A guerra na Síria deixou mais de 340 mil mortos desde 2011 e provocou uma grave crise humanitária, com milhões de deslocados e refugiados.

Na fronteira com a Turquia, Idlib é uma das quatro zonas de distensão decididas pelos patrocinadores internacionais dos beligerantes para obter um cessar-fogo em todo o país.

A ofensiva do regime irritou a Turquia, que apoia os rebeldes, e que na quarta-feira instou Rússia e Irã, aliados de Assad, a assumir suas responsabilidades e interromper a operação em andamento.

Precisam deter o regime, declarou o ministro de Relações Exteriores turco, Mevlüt Cavusoglu. Não se trata de um simples ataque aéreo, o regime tem outras intenções e está avançando em Idlib, insistiu.

As autoridades turcas convocaram os embaixadores da Rússia e do Irã a Ancara para comunicar seu embaraço diante da ofensiva.

As tensões lançaram uma nuvem de incerteza sobre o encontro que o presidente russo, Vladimir Putin, espera realizar nos dias 29 e 30 de janeiro em Sochi para encontrar uma saída para o conflito sírio que já custou mais de 340 mil vidas desde 2011.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212