Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Após tiroteios, circulação de trens volta ao normal no ramal Belford Roxo - Jornal Brasil em Folhas
Após tiroteios, circulação de trens volta ao normal no ramal Belford Roxo


A circulação dos trens no ramal Belford Roxo, que liga o Centro do Rio à Baixada Fluminense, foi normalizada. De acordo com a SuperVia, concessionária responsável pelo sistema de trens no Rio de Janeiro, o serviço foi retomado às 18h40.

A interrupção ocorreu às 16h20, por causa de um tiroteio entre policiais e traficantes, na região do Complexo de Favelas do Jacarezinho, após o corpo do delegado Fábio Monteiro ter sido encontrado dentro do porta-malas de um Chevrolet Cobalt preto com marcas de tiros, na Avenida Dom Helder Câmara, próximo à Favela do Arará, também na comunidade na zona norte do Rio.

Conforme a Supervia, as partidas da Central do Brasil, no Centro, estavam suspensas, com os trens circulando apenas entre as estações Del Castilho, que fica após o Jacarezinho, e Belford Roxo. Os passageiros foram informados sobre a circulação por meio do sistema de áudio dos trens e das estações. Embora tenha lamentado os transtornos, a SuperVia destacou que o objetivo da medida era garantir a integridade dos usuários do sistema ferroviário.

Tiroteios

Policiais da Delegacia de Homicídios da Capital (DH-Capital) e da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) foram para a comunidade após a morte do delegado para tentar localizar os autores do crime. Durante a tarde, após o tiroteio, várias pessoas foram levadas para a Cidade da Polícia, instalada também no Jacarezinho, para serem interrogadas pelos agentes da Polícia Civil.

Em agosto do ano passado, a morte do policial Bruno Guimarães Buhler, de 36 anos no dia 11, gerou uma série de conflitos no Jacarezinho entre policiais e traficantes do local. A partir daquela data a Polícia Civil começou a fazer operações diárias na busca dos criminosos envolvidos na morte do agente.

Os conflitos, que se refletiram também na comunidade vizinha de Manguinhos, fizeram vítimas entre os moradores. Além disso, muitos deles tiveram que fazer estoques de alimentos porque não tinham condições de ir aos mercados. Alunos também ficaram sem aulas.

Edição: Denise Griesinger

 

Últimas Notícias

Bolsonaro terá uma série de reuniões na próxima semana em Brasília
Com pênalti controverso, Brasil vence Uruguai por um a zero
Brasil está preparado para substituir médicos cubanos, afirma Temer
Chega a quatro número de vítimas das chuvas em Belo Horizonte
Estudantes poderão renovar o Fies até o dia 23
Massoterapeuta Dani Bumbum deixa prisão no Rio
Cervejas terão rótulos com os ingredientes usados na fabricação
Temporal causa mortes e estragos em BH; adolescente está desaparecida

MAIS NOTICIAS

 

Morre em Pelotas o criador da camisa canarinho, Aldyr Schlee
 
 
Brasil concentrou 40% dos feminicídios da América Latina em 2017
 
 
Jungmann e Toffoli anunciam sistema para unificar processos de presos
 
 
Pensamento liberal deve guiar a equipe econômica de Bolsonaro
 
 
Gold3-4 minutosfajn permanecerá à frente do BC até Senado aprovar Campos Neto
 
 
Senado argentino aprova orçamento de 2019 como prometeu ao FMI

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212