Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


25 de Jun de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Merkel perto de um novo mandato ao obter acordo para formar governo - Jornal Brasil em Folhas
Merkel perto de um novo mandato ao obter acordo para formar governo


Angela Merkel alcançou um acordo de princípio nesta sexta-feira para assumir um novo governo na Alemanha, com apoio dos social-democratas e a promessa de contribuir para um novo começo da Europa.

Ao fim de cinco dias de duras negociações e com uma última sessão de 24 horas ininterruptas em Berlim, a chanceler conservadora comemorou o compromisso alcançado, que permite a ela continuar no poder por mais quatro anos e tira a Alemanha de um impasse político inédito.

Ela disse almejar a formação de um governo estável.

As eleições legislativas de setembro, marcadas pelo insucesso dos partidos tradicionais e pelo avanço da extrema direita não permitiram formar uma maioria.

Depois do fracasso para formar uma coalizão majoritária com os ecologistas e os liberais, a chanceler ficou sem escolha: teve que fechar um acordo com o partido social-democrata SPD para não ameaçar sua carreira, após 12 anos na chancelaria.

O acordo de 28 páginas finalmente alcançado entre os democratas-cristão da CDU e da CSU e os social-democratas foi validado pelos três partidos. Contudo, o SPD alertou que, no fim, nossa base vai decidir, lembrando que o acordo precisava ser validado pelos militantes.

- Foco na Europa -

O documento traça as linhas principais do possível governo de coalização e deve abrir a via de negociações detalhadas da política que virá. Esse processo deve levar semanas.

Por ora, os dois grupos políticos, que já governaram juntos na última coalizão, deram destaque à Europa.

Merkel prometeu, em frente à imprensa, contribuir para um novo começo da Europa, ao lado da França, num contexto de fragilização do projeto Europeu devido ao Brexit e ao aumento das tendências nacionalistas na zona do euro.

O presidente francês Emmanuel Macron comemorou os avanços. Ele está à espera de uma resposta às propostas que fez no fim de setembro acerca principalmente de uma reforma da zona do euro.

Eu estou feliz e satisfeito que Merkel tenha conseguido avançar para um governo de coalizão, que será útil e é aguardado pela Europa e pela França, declarou ele, de Paris.

Mas nada ainda é definitivo. Por parte dos social-democratas, a decisão de entrar em um novo governo de coalizão com os conservadores ainda deve receber a luz verde dos delegados do partido durante um congresso extraordinário previsto para 21 de janeiro, cujo desenlace é incerto.

A base do SPD é muito cética acerca de trabalhar, novamente, para os conservadores.

No melhor dos casos, um novo Executivo será investido no final de março

- Superávit nos caixas públicos -

Almejando convencer os militantes, Martin Schulz chamou o resultado de formidável.

Ele não conseguiu tudo o que queria, no entanto, apesar da boa saúde da maior economia europeia, cujos fundos públicos nunca foram estiveram tão bem desde a reunificação, com superávit de mais de 38 bilhões de euros.

Os conservadores recusaram seu pedido de criar um seguro de saúde cidadão, uma espécie de previdência social para a qual todos devem contribuir, a fim de reduzir as discrepâncias entre os seguros públicos e privados.

O SPD tampouco conquistou o aumento da carga tributária sobre os mais ricos.

Em termos de política migratória, um ponto de discórdia há bastante tempo, os dois lados concordaram em limitar o número de refugiados à faixa entre 180 mil e 220 mil por ano - como os conservadores esperavam.

A Alemanha recebeu mais de 1 milhão de refugiados entre 2015 e 2016, o que rendeu muitas críticas a Merkel e permitiu a expansão da extrema direita.

Mesmo com o acordo, o contexto político é desfavorável, tanto para os democratas-cristãos, quanto para os social-democratas.

Sua aliança já foi chamada, na imprensa, de coalizão dos perdedores, porque ambos foram punidos nas legislativas de setembro.

 

Últimas Notícias

Desaprovação a Bolsonaro sobe a 64%. Pior situação é a de Alckmin
PT lança pré-candidatura de Kátia Maria ao Governo de Goiás
Copa chega ao 10º dia com jogo da Alemanha; acompanhe
Trump ameaça sobretaxar carros europeus em 20%
Inadimplência em condomínios abre espaço para venda das dívidas
Dólar sobe mesmo com atuação do BC; Bovespa fecha em alta
Tesouro Direto registra décimo mês seguido de saques
BC anuncia mais injeção de dólares no mercado de câmbio

MAIS NOTICIAS

 

Copa chega ao 10º dia com jogo da Alemanha; acompanhe
 
 
Trump ameaça sobretaxar carros europeus em 20%
 
 
Inadimplência em condomínios abre espaço para venda das dívidas
 
 
Tesouro Direto registra décimo mês seguido de saques
 
 
BC anuncia mais injeção de dólares no mercado de câmbio
 
 
Cade aprova venda de 80% do Walmart Brasil para fundo americano

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212