Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


23 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Trump mantém acordo nuclear com Irã mas lança ultimato - Jornal Brasil em Folhas
Trump mantém acordo nuclear com Irã mas lança ultimato


O presidente americano, Donald Trump, prorrogará a suspensão das sanções econômicas contra o Irã no âmbito do acordo nuclear, mas pela última vez - anunciou a Casa Branca nesta sexta-feira (12).

Nos próximos 120 dias, quando deverá renovar novamente a retirada das sanções, o presidente tentará trabalhar com nossos sócios europeus em um acordo que possa endurecer as condições do acordo alcançado em 2015 entre Teerã e as grandes potências, declarou à imprensa um funcionário de alto escalão do governo.

Quando anunciou o adiamento da decisão, o Tesouro americano também impôs sanções a 14 pessoas e empresas iranianas, incluindo o ministro da Justiça, Sadegh Amoli Larijani.

Em seu pronunciamento, o presidente vai deixar claro que é a última vez que ele vai fazer esse adiamento, disse o oficial da Casa Branca.

O funcionário indicou que Trump agora quer trabalhar com os aliados europeus dos Estados Unidos - que pediram para ele se manter no acordo - para desenvolver um novo tratado que substitua o atual.

Teerã não se envolveria nessas discussões, como aconteceu no acordo de 2015, mas seria alvo de sanções americanas e europeias, se não cumprisse os termos do novo arranjo.

Ele seria voltado para o programa de mísseis do Irã, e não apenas para a indústria nuclear, exigindo inspeções da ONU no país.

Se o presidente conseguir um acordo que alcance seu objetivo e ele nunca expirar, ele vai tirar do Irã qualquer caminho para armas nucleares para sempre, não por dez anos. Ele estaria aberto a ficar em um acordo modificado assim, disse o funcionário.

Nesta sexta, Trump pediu aos países europeus que ajudem a superar as falhas desastrosas do acordo nuclear internacional com o Irã. Ele ameaçou se retirar do pacto, se essa demanda não for atendida.

Ainda não retirei os Estados Unidos do acordo nuclear com o Irã, apontou o presidente, em um comunicado.

Em troca, delineei alguns caminhos: ou se corrigem essas falhas desastrosas, ou os Estados Unidos vão se retirar, prometeu.

Entre suas exigências, Trump insiste em que o Irã aceite as visitas de inspetores internacionais a suas instalações nucleares, e que o Congresso estabeleça por lei que o programa nuclear iraniano não pode ser dissociado de seu programa de mísseis.

Trump insiste em que o governo de seu antecessor, Barack Obama, fez concessões excessivas ao cancelar sanções sobre o Irã sem que o país suspendesse seu programa de mísseis e o apoio a grupos armados na região.

A União Europeia, que supervisiona o cumprimento do acordo, disse que manterá consultas internas e destacou que está comprometida em manter a completa e efetiva implementação do tratado.

O ministro iraniano das Relações Exteriores, Mohammad Javad Zarif, disse nesta sexta-feira que os últimos ataques de Trump ao acordo nuclear são um esforço desesperado para sabotar um pacto que não pode ser renegociado.

A política de Trump e o anúncio de hoje [de que poderá romper o acordo] equivalem a uma tentativa desesperada para sabotar um sólido acordo multilateral, tuitou Zarif.

 

Últimas Notícias

Chega a 73 o número de mortos em explosão no México; feridos somam 74
Forte terremoto de magnitude 6,7 atinge o Chile
Mais de 150 imigrantes se afogam no Mar Mediterrâneo
Brasil e Europa vão ser interligados por novo cabo submarino
Acordo para mudar nome da Macedônia gera protestos em Atenas
Ghosn está disposto a aceitar qualquer condição para obter fiança
Bombeiros buscam pessoa desaparecida depois de tromba dágua no Rio
Mega-Sena acumula de novo e pode pagar R$ 38 milhões na quarta-feira

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212