Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Trump revive ambivalência histórica contra a imigração nos EUA - Jornal Brasil em Folhas
Trump revive ambivalência histórica contra a imigração nos EUA


A Estátua da Liberdade, em Nova York, representou, por mais de um século, um símbolo de esperança para os imigrantes pobres e cansados que chegavam aos Estados Unidos.

A Estátua da Liberdade, em Nova York, representou, por mais de um século, um símbolo de esperança para os imigrantes pobres e cansados que chegavam aos Estados Unidos. Mas, com o presidente Donald Trump, a recepção já não é mais a mesma.

Diferentemente de qualquer líder americano em décadas, Trump atacou a imigração, reduziu as chegadas legais, pediu a expulsão de milhões de pessoas que não são cidadãs, e convida apenas estrangeiros ricos e educados, com uma clara preferência por europeus brancos.

Trata-se de uma mudança brusca para um país que se define como aberto a um caldeirão cultural.

- Imigrantes foram ameaça -

Segundo especialistas, a história dos Estados Unidos é salpicada de reações negativas à imigração e ambivalências constantes dos americanos sobre se desejam continuar sendo um país de imigrantes.

Quando se observa toda a história dos Estados Unidos, um dos aspectos mais surpreendentes é o modo como o debate sobre a imigração se radicalizou, diz Julie Greene, professora de História na Universidade de Maryland.

Em 1970, a Ata de Naturalização buscava evitar que os negros se tornassem cidadãos; outra ata, de 1798, focou-se nos franceses; na de 1875, proibiu-se que os imigrantes asiáticos trabalhassem; em 1924, uma nova ata migratória mirou nos europeus do sul e do leste, que abrange principalmente católicos e judeus.

Ao longo do século XIX, houve um grande sentimento anti-imigração. Em diferentes pontos da história americana, diferentes tipos de imigrantes foram considerados uma ameaça aos Estados Unidos, diz Allan Lichtman, historiador político e professor na American University.

- Onda provoca reação -

Antes de Trump, Warren Harding fez uma campanha presidencial bem-sucedida em 1920 colocando em destaque o sentimento contra os imigrantes.

Harding chegou ao poder depois de 40 anos de um boom em que 22 milhões de imigrantes chegaram ao país, e quando os americanos estavam preocupados com a última onda de europeus do sul e do leste da Europa, porque acreditavam que eles poderiam introduzir raças inferiores no país e expandir os bolcheviques.

Como Trump, ele se apresentava como presidente de um Estados Unidos em primeiro, explica Lichtman.

Durante a Depressão da década de 1930, houve uma reação contra o fluxo de mexicanos, que aumentou com uma lei de 1924. Depois da Segunda Guerra, veio outro movimento, para frear a chegada de refugiados.

O sistema de cotas que favorecia os imigrantes do norte da Europa foi eliminado em 1965. Autoridades procuraram estimular a chegada de pessoas com habilidades e estudo, bem como a reunificação familiar, que Trump etiquetou como migração em cadeia.

Como resultado, a imigração legal alcança 1 milhão de pessoas por ano, entre elas uma grande porcentagem de asiáticos, enquanto a imigração ilegal procedente do México dispara.

Em 1986, o presidente Ronald Reagan oferece anistia a 3,2 milhões de imigrantes ilegais, o que não deteve os cruzamentos ilegais da fronteira.

Por quatro anos, o presidente George HW Bush favoreceu a chegada de asiáticos com o sistema de loteria do Green Card, o que tinha como objetivo diversificar as regiões de onde os imigrantes procediam.

- Convulsão política e terrorismo -

Por volta dos anos 2000, o sentimento contra os imigrantes retornou, por múltiplas razões.

Uma delas foram os atentados do 11 de Setembro e ataques posteriores, que provocaram medo dos muçulmanos, cuja chegada ao país derivou do sistema de loteria.

Outro fator foi a mudança na estrutura econômica, que afetou comunidades de todo o país.

Um terceiro fator foi a mudança demográfica, que deixou os brancos em minoria em um número crescente de comunidades do país.

Com quase 12 milhões de imigrantes ilegais, a maioria mexicanos e da América Central, os presidentes George W. Bush e Barack Obama tentaram conter o fluxo e facilitar a legalização de vários deles.

Mas ninguém, segundo os historiadores, fez da imigração um assunto político como Trump fez para conquistar a presidência em 2016.

De forma muito cuidadosa entre os presidentes modernos, Trump tentou explorar isso com fins políticos, diz Lichtman. Existe um forte sentimento minoritário anti-imigrantes do qual Trump se aproveitou. Não é o sentimento da maioria.

 

Últimas Notícias

Sul e Sudeste se unem e formam consórcio para ações conjuntas
Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
Feiras em São Paulo oferecem oportunidades de intercâmbio no exterior
Treze de 16 docentes relataram casos de agressão na escola de Suzano

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212