Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


13 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Trump revive ambivalência histórica contra a imigração nos EUA - Jornal Brasil em Folhas
Trump revive ambivalência histórica contra a imigração nos EUA


A Estátua da Liberdade, em Nova York, representou, por mais de um século, um símbolo de esperança para os imigrantes pobres e cansados que chegavam aos Estados Unidos.

A Estátua da Liberdade, em Nova York, representou, por mais de um século, um símbolo de esperança para os imigrantes pobres e cansados que chegavam aos Estados Unidos. Mas, com o presidente Donald Trump, a recepção já não é mais a mesma.

Diferentemente de qualquer líder americano em décadas, Trump atacou a imigração, reduziu as chegadas legais, pediu a expulsão de milhões de pessoas que não são cidadãs, e convida apenas estrangeiros ricos e educados, com uma clara preferência por europeus brancos.

Trata-se de uma mudança brusca para um país que se define como aberto a um caldeirão cultural.

- Imigrantes foram ameaça -

Segundo especialistas, a história dos Estados Unidos é salpicada de reações negativas à imigração e ambivalências constantes dos americanos sobre se desejam continuar sendo um país de imigrantes.

Quando se observa toda a história dos Estados Unidos, um dos aspectos mais surpreendentes é o modo como o debate sobre a imigração se radicalizou, diz Julie Greene, professora de História na Universidade de Maryland.

Em 1970, a Ata de Naturalização buscava evitar que os negros se tornassem cidadãos; outra ata, de 1798, focou-se nos franceses; na de 1875, proibiu-se que os imigrantes asiáticos trabalhassem; em 1924, uma nova ata migratória mirou nos europeus do sul e do leste, que abrange principalmente católicos e judeus.

Ao longo do século XIX, houve um grande sentimento anti-imigração. Em diferentes pontos da história americana, diferentes tipos de imigrantes foram considerados uma ameaça aos Estados Unidos, diz Allan Lichtman, historiador político e professor na American University.

- Onda provoca reação -

Antes de Trump, Warren Harding fez uma campanha presidencial bem-sucedida em 1920 colocando em destaque o sentimento contra os imigrantes.

Harding chegou ao poder depois de 40 anos de um boom em que 22 milhões de imigrantes chegaram ao país, e quando os americanos estavam preocupados com a última onda de europeus do sul e do leste da Europa, porque acreditavam que eles poderiam introduzir raças inferiores no país e expandir os bolcheviques.

Como Trump, ele se apresentava como presidente de um Estados Unidos em primeiro, explica Lichtman.

Durante a Depressão da década de 1930, houve uma reação contra o fluxo de mexicanos, que aumentou com uma lei de 1924. Depois da Segunda Guerra, veio outro movimento, para frear a chegada de refugiados.

O sistema de cotas que favorecia os imigrantes do norte da Europa foi eliminado em 1965. Autoridades procuraram estimular a chegada de pessoas com habilidades e estudo, bem como a reunificação familiar, que Trump etiquetou como migração em cadeia.

Como resultado, a imigração legal alcança 1 milhão de pessoas por ano, entre elas uma grande porcentagem de asiáticos, enquanto a imigração ilegal procedente do México dispara.

Em 1986, o presidente Ronald Reagan oferece anistia a 3,2 milhões de imigrantes ilegais, o que não deteve os cruzamentos ilegais da fronteira.

Por quatro anos, o presidente George HW Bush favoreceu a chegada de asiáticos com o sistema de loteria do Green Card, o que tinha como objetivo diversificar as regiões de onde os imigrantes procediam.

- Convulsão política e terrorismo -

Por volta dos anos 2000, o sentimento contra os imigrantes retornou, por múltiplas razões.

Uma delas foram os atentados do 11 de Setembro e ataques posteriores, que provocaram medo dos muçulmanos, cuja chegada ao país derivou do sistema de loteria.

Outro fator foi a mudança na estrutura econômica, que afetou comunidades de todo o país.

Um terceiro fator foi a mudança demográfica, que deixou os brancos em minoria em um número crescente de comunidades do país.

Com quase 12 milhões de imigrantes ilegais, a maioria mexicanos e da América Central, os presidentes George W. Bush e Barack Obama tentaram conter o fluxo e facilitar a legalização de vários deles.

Mas ninguém, segundo os historiadores, fez da imigração um assunto político como Trump fez para conquistar a presidência em 2016.

De forma muito cuidadosa entre os presidentes modernos, Trump tentou explorar isso com fins políticos, diz Lichtman. Existe um forte sentimento minoritário anti-imigrantes do qual Trump se aproveitou. Não é o sentimento da maioria.

 

Últimas Notícias

Deputado Marlúcio entrega título de Cidadã Goiana a cantora Joelma
Fundo Nacional do Idoso é aprovado na Câmara
Aval do TCU é suficiente para cessão onerosa, dizem técnicos da Corte
Acordo possibilitará investimentos privados em segurança pública
Vazamento de óleo afetará reprodução da fauna em mangue, diz ONG
Temer e Bolsonaro lamentam tragédia em Campinas
Jungmann coloca PF à disposição para apuração de caso de Campinas
Ministro da Cultura inicia comemorações aos 200 anos da independência

MAIS NOTICIAS

 

Novo crediário para cartão é estudado para 2019, diz Febraban
 
 
Demanda por bens industriais cresce 0,3% em outubro
 
 
Diálogo Brasil debate projeto Escola sem Partido
 
 
Brasileiro é eleito para Associação Internacional de Seguridade Social
 
 
Polícia e MP de Goiás vão apurar denúncias contra médium João de Deus
 
 
ONG homenageia policiais militares mortos no estado do Rio

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212