Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


25 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Combater crimes violentos no Ceará deve ser “prioridade máxima, diz pesquisador - Jornal Brasil em Folhas
Combater crimes violentos no Ceará deve ser “prioridade máxima, diz pesquisador


O número de crimes violentos letais intencionais (CVLIs) no Ceará atingiu, no ano passado, o número recorde de 5.134, 44% acima do registrado em 2016, quando houve 3.407 casos, e o mais alto índice de violência dos últimos cinco anos.

Para o sociólogo Ricardo Moura, pesquisador do Laboratório de Estudos e Pesquisas Conflitualidade e Violência da Universidade Estadual do Ceará, trata-se de uma questtão que deve ser encarada como “prioridade máxima do governo e da sociedade.” A informação foi divulgada sexta-feira (12) pela Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social.

No entanto, destacou Moura, o que ocorre é que vai-se acostumando com as mortes e com a brutalidade delas, como se tais vidas não fossem importantes. Investir fortemente em investigação criminal e inteligência policial é um fator que tem-se mostrado muito eficaz nos países que conseguiram reduzir suas taxas de assassinatos”, afirmou o pesquisador.

O secretário da Segurança do Ceará, André Costa, atribuiu o aumento de tais crimes à dinâmica da presença das facções. “Houve um acirramento das facções [criminosas]. Em grande parte, essas mortes são resultantes de disputas de território e de mercados. Temos que buscar trabalhar mais em cima das causas. Iniciamos um trabalho de territorialização da polícia”, explica, destacando que o efetivo da Polícia Militar ganhou novos 2,7 mil policiais.

O sociólogo Ricardo Moura aponta a disputa entre facções como um dos componentes dos dados da violência de 2017 e ressalta que esses grupos organizados foram subestimados nos últimos dois anos, quando os índices de crimes violentos letais chegaram a cair de 4.019 em 2015 pata 3.407 em 2016. Segundo Moura, a rapidez de organização das facções e a imposição de normas em determinadas áreas da capital, Fortaleza, fizeram surgir territórios inteiros dominados por criminosos.

“Há um desafio imenso, que é o de fazer com que a população que mora em áreas socialmente vulneráveis sinta-se segura novamente. E é preciso ainda investir em tais territórios. Dotá-los de serviços, desenvolver projetos de geração de emprego e renda, mostrar às famílias e, principalmente às crianças e adolescentes, que é possível sonhar com uma vida melhor”, acrescentou Moura.

Ele destacou que buscar a investigação e solução desses crimes é outro desafio que precisa ser enfrentado. Para tanto, é preciso investir na Polícia Civil, que, segundo o sociólogo, há anos passa por um processo de sucateamento.

De acordo com a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social, há 700 policiais civis, entre delegados, inspetores e escrivães em cursos de formação. “É preciso que os assassinatos sejam todos elucidados para que possamos descobrir a autoria e as motivações de cada um deles. Só assim poderemos traçar um perfil dos homicídios no Estado”, concluiu o secretário André Costa.

Edição: Nádia Franco

 

Últimas Notícias

Jovens têm menos chance de contratação e mais de serem demitidos
Bolsa cai e dólar fecha em R$ 3,80
Araújo: dispensa de status especial na OMC nos coloca como país grande
Países sul-americanos devem sair de uma só vez da Unasul, diz ministro
Chanceler descarta emprego das Forças Armadas na Venezuela
Moçambique, Zimbábue e Malauí tentam identificar vítimas de ciclone
Nova Zelândia quer proibir, em abril, venda de armas do tipo militar
Conselho Europeu aceita prorrogar saída do Reino Unido para maio

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212