Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Conselho Eleitoral do Equador nega registro de partido de Correa - Jornal Brasil em Folhas
Conselho Eleitoral do Equador nega registro de partido de Correa


O Conselho Nacional Eleitoral (CNE) do Equador informou nesta quarta-feira (17) que negou o registro do novo partido do ex-presidente Rafael Correa, que, em meio a uma crise governista, se desfiliou do movimento que ele próprio fundou e com o qual governou por uma década.

A autoridade eleitoral alegou descumprimentos legais e regulamentares para bloquear o trâmite de inscrição do Partido Revolução Cidadã, o mesmo nome com que Correa batizou seu projeto nacionalista de esquerda, que aplicou ao governar entre janeiro de 2007 e maio de 2017.

Ontem, o CNE também nega usar o nome Revolução Cidadã, argumentando que é o slogan de outro movimento político. É uma atrocidade jurídica mais, visto que não está registrado nem como nome, nem como slogan. Até quando?!, reagiu Correa no Twitter nesta quarta.

O máximo Tribunal Contencioso Eleitoral (TCE) reconheceu na segunda-feira a diretriz da Aliança País (AP), ligada ao presidente Lenín Moreno, que mantém uma queda de braço com Correa, provocando um racha na situação.

Poderão ficar com o nome, com as sedes, com o cacife do AP, mas as convicções, o povo, a Revolução e o futuro estão conosco, escreveu Correa também no Twitter.

Nas eleições de 2017, a AP conseguiu a maioria na Assembleia Nacional, com 74 dos 137 assentos, mas com o racha no governo, boa parte do bloco declarou apoio a Moreno.

A parlamentar correísta Gabriela Rivadeneira manifestou nesta quarta que a negativa do CNE em aprovar o registro do Partido da Revolução Cidadã é uma artimanha para atrasar o processo (político de Correa).

Continuaremos focados na campanha pelo Não, prosseguiu Rivadeneira, em alusão ao referendo de 4 de fevereiro, convocado por Moreno para suprimir a reeleição por tempo indeterminado, o que inabilitará o ex-presidente tentar voltar ao poder.

Correa e Moreno foram aliados até o último mês de maio, quando o novo governo tomou posse e o atual presidente começou a se distanciar de seu agora ex-companheiro de partido.

 

Últimas Notícias

John Forman recusa cargo no Conselho de Administração da Petrobras
Em visita oficial, Macri é recebido no Planalto por Bolsonaro
Mercado financeiro prevê inflação em 4,02% neste ano
Consultas de CPFs para vendas a prazo no comércio crescem 2,8%
Produção de bicicletas aumenta 15,9% no Brasil
Receita abre consulta a restituição do Imposto de Renda de 2008 a 2018
Ex-comandante da Marinha é indicado para o conselho da Petrobras
Inflação para idosos fecha 2018 em 4,75%, informa FGV

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212