Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


15 de Oct de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Aliados apoiam reforço de controle marítimo sobre Coreia do Norte - Jornal Brasil em Folhas
Aliados apoiam reforço de controle marítimo sobre Coreia do Norte


Estados Unidos e 19 países aliados concordaram nesta terça-feira em endurecer a interdição marítima contra a Coreia do Norte para evitar que Pyongyang se livre das sanções impostas por seu programa nuclear.

Após uma reunião do grupo de Vancouver nesta cidade canadense, o secretário americano de Estado, Rex Tillerson, destacou que os aliados não desejam interferir no transporte marítimo legítimo, mas devem adotar medidas para evitar a transferência de mercadorias entre navios em alto mar.

EUA e seus aliados buscavam em Vancouver endurecer as sanções contra a Coreia do Norte, embora sem a participação fundamental da China, dias depois de Pyongyang abrir a porta para conversas com seu vizinho do sul.

Os ministros das Relações Exteriores de 20 nações, presididos por Tillerson e sua contraparte canadense, Chrystia Freeland, iniciaram conversas na segunda-feira sobre a crise causada pelos programas de mísseis e armas nucleares da Coreia do Norte.

Nesta terça-feira, Tillerson pediu à China e à Rússia, outro ausente, que implementem de forma completa as sanções adotadas pela ONU contra Pyongyang.

Devemos aumentar o custo do comportamento do regime até que a Coreia do Norte venha a uma mesa de negociações crível, cujo objetivo será a eliminação completa, verificável e irreversível das armas nucleares.

A reunião de dois dias em Vancouver acontece em meio ao alívio das tensões na península coreana, depois que o Norte e o Sul se reuniram pela primeira vez em dois anos e Pyongyang aceitou enviar atletas aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pyeongchang.

Segundo os dois grandes ausentes Rússia e China, membros do Conselho de Segurança da ONU e das conversas a seis (junto com as duas Coreias, Estados Unidos e Japão), estas discussões sobre a imposição de novas sanções à Coreia do Norte ocorrem em um momento ruim.

As partes relevantes mais importantes na península coreana não participaram da reunião. Assim, não acredito que o encontro seja legítimo nem representativo, disse nesta terça-feira Lu Kang, porta-voz da diplomacia chinesa, que denunciou a mentalidade de Guerra Fria.

Na segunda-feira, o chefe da diplomacia russa, Sergei Lavrov, havia criticado os americanos e seus aliados, afirmando que querem impor seus pontos de vista se baseando exclusivamente no diktat e ultimato (...) sem reconhecer a realidade de um mundo multipolar.

Em uma conversa por telefone nesta terça, o presidente chinês, Xi Jinping, disse ao seu contraparte americano, Donald Trump, que a situação na península vivia atualmente uma evolução positiva, em referência ao diálogo entre as duas Coreias.

Xi insistiu que todas as partes têm que unir seus esforços para que perdure a distensão atual, que não foi alcançada facilmente e criou as condições necessárias para retomar as conversas de paz, disse Xi Jinping, citado pela agência chinesa New (Xinhua).

Para o secretário-geral da ONU, António Guterres, a guerra com a Coreia do Norte é evitável, convidando a diálogos diretos entre as principais potências para desmontar o programa nuclear de Pyongyang.

Segundo ele, os recentes passos dados pelas duas Coreias para aliviar as tensões foram importantes. No entanto, acrescentou: não nos esqueçamos de que o problema essencial está para ser resolvido.

Acho que a guerra é evitável, afirmou a jornalistas na sede das Nações Unidas, em Nova York, mas não estou certo ainda de que a paz está garantida.

O legislador americano Mac Thornberry, presidente da comissão das Forças Armadas da Câmara de Representantes, declarou nesta terça-feira que a administração examina muito seriamente as opções militares que poderiam entrar em jogo com relação à Coreia do Norte.

Os treinamentos são muito sérios, acrescentou. Há preparativos em curso e tomara que não sejam necessários.

O chamado Grupo de Vancouver é composto por 20 países que lutaram na Guerra da Coreia (1950-1953). Inclui Austrália, Grã-Bretanha, França, Índia, Japão, Filipinas e Coreia do Sul. Além de ministros, também estão presentes na reunião oficiais militares.

No ano passado, após a multiplicação dos lançamentos de mísseis balísticos pela Coreia do Norte, a tensão é notável na região. Quatro dias depois do alarme falso difundido no Havaí, a emissora de televisão japonesa NHK publicou nesta terça-feira por erro em seu site um alerta anunciando que Pyongyang acabava de lançar um míssil e recomendando que a população encontrasse abrigo.

 

Últimas Notícias

Operação da PF investiga desvios de R$ 140 milhões do SUS no Amazonas
Caiado reforça compromisso com o Entorno
Operação prende líder de organização que aplicava golpes pela internet
Secretaria anuncia fim de mais 13 UPPs no Rio até o fim do ano
PF prende suspeitos de tráfico internacional de drogas
Polícia Civil e Senasp deflagram ação conjunta no DF e em 6 estados
Estudante da UFPR é agredido a garrafadas por apoiadores de Bolsonaro
Sistema de radar pode reduzir impactos na Baía de Guanabara

MAIS NOTICIAS

 

Equipe de transição deve ser definida hoje à tarde, diz Caiado
 
 
ONS vai reforçar ações de segurança energética nas eleições e no Enem
 
 
Inflação medida pelo INPC sobe para 0,30% em setembro
 
 
Universidades particulares terão disciplina sobre primeira infância
 
 
Com Enem, horário de verão começa no dia 18 de novembro
 
 
Governo anuncia recursos de R$ 600 milhões para o ensino médio

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212