Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


25 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Aliados apoiam reforço de controle marítimo sobre Coreia do Norte - Jornal Brasil em Folhas
Aliados apoiam reforço de controle marítimo sobre Coreia do Norte


Estados Unidos e 19 países aliados concordaram nesta terça-feira em endurecer a interdição marítima contra a Coreia do Norte para evitar que Pyongyang se livre das sanções impostas por seu programa nuclear.

Após uma reunião do grupo de Vancouver nesta cidade canadense, o secretário americano de Estado, Rex Tillerson, destacou que os aliados não desejam interferir no transporte marítimo legítimo, mas devem adotar medidas para evitar a transferência de mercadorias entre navios em alto mar.

EUA e seus aliados buscavam em Vancouver endurecer as sanções contra a Coreia do Norte, embora sem a participação fundamental da China, dias depois de Pyongyang abrir a porta para conversas com seu vizinho do sul.

Os ministros das Relações Exteriores de 20 nações, presididos por Tillerson e sua contraparte canadense, Chrystia Freeland, iniciaram conversas na segunda-feira sobre a crise causada pelos programas de mísseis e armas nucleares da Coreia do Norte.

Nesta terça-feira, Tillerson pediu à China e à Rússia, outro ausente, que implementem de forma completa as sanções adotadas pela ONU contra Pyongyang.

Devemos aumentar o custo do comportamento do regime até que a Coreia do Norte venha a uma mesa de negociações crível, cujo objetivo será a eliminação completa, verificável e irreversível das armas nucleares.

A reunião de dois dias em Vancouver acontece em meio ao alívio das tensões na península coreana, depois que o Norte e o Sul se reuniram pela primeira vez em dois anos e Pyongyang aceitou enviar atletas aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pyeongchang.

Segundo os dois grandes ausentes Rússia e China, membros do Conselho de Segurança da ONU e das conversas a seis (junto com as duas Coreias, Estados Unidos e Japão), estas discussões sobre a imposição de novas sanções à Coreia do Norte ocorrem em um momento ruim.

As partes relevantes mais importantes na península coreana não participaram da reunião. Assim, não acredito que o encontro seja legítimo nem representativo, disse nesta terça-feira Lu Kang, porta-voz da diplomacia chinesa, que denunciou a mentalidade de Guerra Fria.

Na segunda-feira, o chefe da diplomacia russa, Sergei Lavrov, havia criticado os americanos e seus aliados, afirmando que querem impor seus pontos de vista se baseando exclusivamente no diktat e ultimato (...) sem reconhecer a realidade de um mundo multipolar.

Em uma conversa por telefone nesta terça, o presidente chinês, Xi Jinping, disse ao seu contraparte americano, Donald Trump, que a situação na península vivia atualmente uma evolução positiva, em referência ao diálogo entre as duas Coreias.

Xi insistiu que todas as partes têm que unir seus esforços para que perdure a distensão atual, que não foi alcançada facilmente e criou as condições necessárias para retomar as conversas de paz, disse Xi Jinping, citado pela agência chinesa New (Xinhua).

Para o secretário-geral da ONU, António Guterres, a guerra com a Coreia do Norte é evitável, convidando a diálogos diretos entre as principais potências para desmontar o programa nuclear de Pyongyang.

Segundo ele, os recentes passos dados pelas duas Coreias para aliviar as tensões foram importantes. No entanto, acrescentou: não nos esqueçamos de que o problema essencial está para ser resolvido.

Acho que a guerra é evitável, afirmou a jornalistas na sede das Nações Unidas, em Nova York, mas não estou certo ainda de que a paz está garantida.

O legislador americano Mac Thornberry, presidente da comissão das Forças Armadas da Câmara de Representantes, declarou nesta terça-feira que a administração examina muito seriamente as opções militares que poderiam entrar em jogo com relação à Coreia do Norte.

Os treinamentos são muito sérios, acrescentou. Há preparativos em curso e tomara que não sejam necessários.

O chamado Grupo de Vancouver é composto por 20 países que lutaram na Guerra da Coreia (1950-1953). Inclui Austrália, Grã-Bretanha, França, Índia, Japão, Filipinas e Coreia do Sul. Além de ministros, também estão presentes na reunião oficiais militares.

No ano passado, após a multiplicação dos lançamentos de mísseis balísticos pela Coreia do Norte, a tensão é notável na região. Quatro dias depois do alarme falso difundido no Havaí, a emissora de televisão japonesa NHK publicou nesta terça-feira por erro em seu site um alerta anunciando que Pyongyang acabava de lançar um míssil e recomendando que a população encontrasse abrigo.

 

Últimas Notícias

Jovens têm menos chance de contratação e mais de serem demitidos
Bolsa cai e dólar fecha em R$ 3,80
Araújo: dispensa de status especial na OMC nos coloca como país grande
Países sul-americanos devem sair de uma só vez da Unasul, diz ministro
Chanceler descarta emprego das Forças Armadas na Venezuela
Moçambique, Zimbábue e Malauí tentam identificar vítimas de ciclone
Nova Zelândia quer proibir, em abril, venda de armas do tipo militar
Conselho Europeu aceita prorrogar saída do Reino Unido para maio

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212