Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


12 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Pentágono tem nova estratégia para frear China e Rússia - Jornal Brasil em Folhas
Pentágono tem nova estratégia para frear China e Rússia


Os Estados Unidos devem recuperar sua supremacia militar sobre a Rússia e a China, priorizar sua preparação para a guerra e compartilhar o peso da segurança mundial com seus aliados, afirma o secretário de Defesa Jim Matti em sua nova Estratégia de Defesa Nacional, publicada nesta sexta-feira.

O governo de Donald Trump está preocupado com o fato de as Forças Armadas americanas estarem sentindo os efeitos de anos de escassez orçamentária e atrofia, e considera necessário devolvê-las ao seu estado ideal de força.

Parte lista de desejos, parte modelo para os próximos anos, a estratégia de defesa nacional do Pentágono visa aumentar o número de tropas do Exército, melhorar sua preparação e trabalhar com aliados, enquanto opera em várias frentes na Europa, Oriente Médio e Ásia.

Esta estratégia marca minha intenção de buscar uma mudança urgente em uma escala significativa, indica Mattis no documento.

Devemos nos valer de abordagens criativas, realizar investimentos sustentados e ser disciplinados na execução para ajustar as Forças Conjuntas ao nosso tempo, para que sejam capazes de competir, dissuadir e vencer neste ambiente de segurança cada vez mais complexo, acrescenta.

Elbridge Colby, vice-secretário adjunto para estratégia e desenvolvimento da força, disse a jornalistas que a estratégia de Mattis procura lidar com a erosão da vantagem militar dos Estados Unidos.

O que ele reconhece é que a China e a Rússia, em particular, trabalham diligentemente há vários anos para desenvolver suas capacidades militares e desafiar nossas vantagens militares, aponta.

- Competidores estratégicos -

A nova estratégia de defesa segue as diretrizes da estratégia de segurança nacional de Trump, lançada no mês passado e que também destaca o papel da China e da Rússia no campo da segurança global.

A China é um concorrente estratégico que usa uma economia predatória para intimidar seus vizinhos enquanto militariza o Mar da China Meridional, escreveu Mattis.

A Rússia violou as fronteiras das nações próximas e procura aplicar o poder de veto sobre as decisões econômicas, diplomáticas e de segurança de seus vizinhos, acrescentou.

Os dois países reagiram furiosamente à estratégia de segurança de Trump. Pequim acusou Washington de ter uma mentalidade da Guerra Fria, enquanto Moscou denunciou seu caráter imperialista.

Mattis também atacou o Irã e a Coreia do Norte por suas ameaças à paz mundial.

A estratégia de segurança de Trump contrasta com o caráter amigável de sua primeira visita de Estado a Pequim em novembro, quando foi recebido de forma generosa e elogiou repetidamente o presidente Xi Jinping.

Uma das maiores críticas no Pentágono e no Capitólio é que o Exército dos Estados Unidos sofre de falta de preparação, com tropas e equipamentos que não recebem treinamento ou manutenção que precisam.

O caminho mais seguro para evitar uma guerra é estar preparado para ganhar uma, disse ele. Fazer isso exige uma abordagem competitiva para o desenvolvimento da força e um investimento constante e de longo prazo para restabelecer a preparação para a guerra e implantar uma força letal.

A estratégia de Mattis também exige uma maior coordenação com os aliados, a quem Trump criticou durante sua campanha eleitoral por não fazerm o suficiente para compartilhar o ônus de defender a ordem mundial que surgiu após a Segunda Guerra Mundial.

Esperamos que os aliados europeus honrem seus compromissos para aumentar os gastos em defesa e modernização para fortalecer a aliança diante de nossas preocupações de segurança compartilhadas, destaca Mattis.

O documento não menciona as mudanças climáticas, que durante a administração Obama foi reconhecida como uma ameaça à segurança nacional.

Trump alega que o aquecimento global é um engano e anunciou a retirada dos Estados Unidos do histórico Acordo de Paris que busca limitá-lo.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212