Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Governo da Colômbia buscará acordo para nova trégua com ELN - Jornal Brasil em Folhas
Governo da Colômbia buscará acordo para nova trégua com ELN


O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, anunciou neste domingo (21) que buscará uma nova trégua com o Exército de Libertação Nacional (ELN) para salvar o processo de paz com essa guerrilha.

No Twitter, Santos publicou que seu chefe negociador Gustavo Bell viajará para Quito para explorar a possibilidade de um novo cessar-fogo que permita continuar a negociação de paz com o ELN.

No sábado, a guerrilha propôs uma reunião com o governo para reativar o processo de paz em Quito, em ponto morto após o fim da trégua em 10 de janeiro.

Estamos de acordo com participar de uma reunião entre os dois chefes de delegação, com a presença dos garantidores, e na qual examinaremos o pronto início do quinto ciclo de diálogos, para tratar ali de todos os temas pendentes, destacou o Exército de Libertação Nacional (ELN), em um comunicado.

Os diálogos de paz foram suspensos após a ofensiva lançada pelos rebeldes, ao final de um cessar-fogo de três meses.

Nos últimos dez dias, guerrilheiros atacaram as forças oficiais e a infraestrutura petroleira. Ao menos quatro militares morreram, e 22 supostos rebeldes foram capturados na contraofensiva, segundo as autoridades.

Apesar de ambos os lados manifestarem a intenção de seguir adiante com as negociações, ainda não se encontrou um mecanismo para recuperar o diálogo, iniciado em fevereiro de 2017.

Última guerrilha ativa reconhecida pelo governo, o ELN também reiterou no comunicado sua vontade de acordar outro cessar-fogo.

Ontem, o Ministério da Defesa informou que um dos comandantes da guerrilha do ELN no nordeste da Colômbia morreu em uma operação militar.

Conhecido como Arturo, ou Pimpón, ele estaria envolvido na morte de mais de 30 militares e era responsável pela ofensiva do ELN após o fim da trégua, em 10 de janeiro.

Arturo estava há 22 anos no grupo. O governo chegou a oferecer uma recompensa de 1 bilhão de pesos (equivalente a US$ 333 mil) por informações sobre seu paradeiro.

Segundo o Ministério da Defesa, Arturo liderava a frente Heróis e Mártires do ELN que opera nos departamentos de Casanare e Arauca, na zona limítrofe com a Venezuela.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212